quinta-feira, outubro 05, 2006

O Rádio no Brasil


A primeira transmissão radiofônica realizada no Brasil ocorreu na Exposição do Centenário da Independência do Brasil em 1922, mas a primeira estação a transmitir regularmente foi a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro inaugurada por Roquete Pinto e Henrique Moritz, em 20 de abril de 1923. A esses dois pioneiros juntaram-se outros como Elba Dias que fundou logo a seguir a Rádio Clube do Brasil e um grupo pernambucano que em 17 de outubro de 1923 iniciou as transmissões da Rádio Clube de Pernambuco.

Os primeiros anos do rádio foram difíceis: muita música clássica, muita ópera e muita colaboração graciosa de alguns artistas da sociedade. Aos poucos, porém, foi se firmando e ao final de 1926 e início de 1927, quando as gravações deixaram de ser mecânicas para se tornarem elétricas, surgiram os primeiros artistas para disputar a preferência dos ouvintes: Gastão Formenti Vicente Celestino, Francisco Alves, Patrício Teixeira, Augusto Calheiros, Elisa Coelho, Albenzio Perrone, Mário Reis e outros.

Mais emissoras foram aparecendo: Rádio Educadora, Rádio Mayrink Veiga, Guanabara, Cajuti, Ipanema, Jornal do Brasil, Tupi, Philips (depois Nacional), Transmissora (depois Globo) e assim sucessivamente.

Em 1930, pode-se dizer, o rádio estourou no Brasil dando início ao que se pode chamar de a Era do Rádio no Brasil. Foi o maior veículo de comunicação, divertimento e formação cultural no país até meados da década de 60 quando a Televisão tomou-lhe o lugar, embora o rádio mantenha ainda o privilégio de ser o maior veículo de comunicação.

Wello Rivas

Wello Rivas (Manuel Rivas Avila) nasceu em Mérida, Yucatán, México, em 18 de fevereiro de 1913. Faleceu na Cidade do México em 12 de Janeiro de 1990. Foi o segundo de quatro filhos do senhor Fernando Rivas Boffarull e da senhora Isabel Ávila Rosado.

Em 1921, quando tinha oito anos, seus pais se mudaram para a Cidade do México. Aos quinze seu pai lhe deu um violão e recebeu suas primeiras aulas com Dom Enrique del Valle, violonista espanhol, que também fora “banderillero” do grande toureiro Rodolfo Gaona.

Aos dezoito anos era aficionado por touradas, razão pela qual chegou a participar de alguns festivais desse gênero. Desistiu das touradas quando foi atingido por uma chifrada e, a partir daí, dedicou-se somente à música.

Em 1929 foi chamado para ser apresentador exclusivo em uma série de programas de música yucateca, na Rádio WEFO, Rádio Nacional, que era a estação do Partido da Revolução Mexicana (PRM), antecessor do Partido Revolucionário Institucional (PRI). Em 1933 o senhor Bernardo San Cristóbal, diretor artístico da XEB, o chama para lhe propor formar uma orquestra de quatorze professores, para uma nova modalidade na estação como diretor de orquestra e cantores.

Em 1936, a empresa Laboratórios Picot, contrata uma série de programas em exclusividade com a XEB, com Rafael Hernández Margarita Romero e Wello Rivas. Inicialmente estes programas eram feitos em estúdio fechado, mas devido ao sucesso alcançado, começaram a utilizar o estúdio "Juventino Rosas", para receber o público que queria ver os programas e conhecer seus artistas. Estas transmissões se mantiveram durante mais de quatro anos nos primeiros lugares de audiência.

Em 1939 passou a formar parte do elenco da XEW, onde consolidou seu sucesso ao atuar com os grandes intérpretes da época. Também teve oportunidade de se apresentar nos melhores teatros e prestigiados centros noturnos. Começaram também as turnês internacionais.

Sua primeira composição Quisiera Ser Golondrina foi tema de um filme em 1937. A esta se seguiram as seguintes obras: Callecita, Crepuscular, Obsesión, Mendigo de Amor, Volverás a Mi, Ayer y Hoy, Algo, El Jardinero, Tarde o Temprano, Con las Alas Rotas, etc.

Algumas de suas composições ocupam os primeiros lugares de popularidade, como: Llegaste tarde e Cenizas, canções que foram interpretadas por Lola Beltrán, Javier Solís, José Feliciano, Vicente Fernández, Eddie Gormé, Tania Libertad, Chamín Correa, Los Panchos, Raymond Lefevre, Lucha Villa e outros.


Manuel Álvarez

Manuel Álvarez no filme "Angelitos Negros".
Manuel Álvarez (Manuel Álvarez Rentería), conhecido pelo apelido de “Maciste", nasceu em Tequila, Jalisco, México, em oito de agosto de 1892 e faleceu na Cidade do México em 13 de outubro de 1960. Desde pequeno mostrou um extraordinário apego ao violão e por fim teve domínio sobre o difícil instrumento, mediante estudos que realizou na cidade de Mérida, Yucatán.

Suas atividades profissionais como violinista e cantor se iniciaram na Cidade do México, se especializando em cantar tangos.

Logo depois começou a compor e sua primeira canção foi Ojos Rojos, a que se seguiu muitas outras, algumas que mencionaremos como La Golfa, Paris, Fíjate cómo hablas e Manos blancas. Mas as mais conhecidas e famosas do seu repertório são: Angelitos negros, Virgencita de Talpa e Me sobra corazón.

Atuou, também, em vários filmes americanos produzidos em Hollywood, entre eles, La luciérnaga, Sólo los ángeles tienen alas, Viva Villa, e La Audacia de Pablo Bragaza.

Quando regressou ao México se incorporou ao cinema nacional, estréiando com o filme La hora de la verdad, onde cantou sua composição Adiós de un Torero, dedicada à Pepe Ortiz.

Na rádio trabalhou longos anos, e em seus programas lançou muitas de suas composições, e por mais de três anos consecutivos, cantando noite após noite, manteve seu programa "Una guitarra en la noche", que era transmitido através do sinal da XEW.

Veja também

Agustín Lara
Altemar Dutra
Armando Manzanero
Bolero, O
Bolero, A história do
Bolero, Cifras e letras de
Canções Latinas, Cifras
Gregorio Barrios
Lucho Gatica
Luis Miguel
Mario Clavell
Rafael Hernández
Roberto Yanés
Trío los Panchos
Trio Yrakitan

Sarabia Rodríguez

Sarabia Rodríguez (José Enrique Sarabia Rodríguez) é um poeta, músico, publicitário, produtor de televisão e político venezuelano. Nasceu em Pampatar, Isla de Margarita em 1936.

Com mais de mil canções registradas na Sociedade de Autores da Venezuela (SACVEN), “Chelique” Sarabia tem sido um dos músicos venezuelanos de mais sucesso do século XX, principalmente por ser o autor da canção Ansiedad, composta em 1958.

Além disso é autor também de canções de sucesso que formam parte do acervo cultural venezuelano tais como Cuando no sé de ti, Chinita de Maracaibo, No te muerdas los labios e Piragüero.

Em princípios dos anos 60 se converte em produtor de discos independente e do programa "Club Musical" onde descobre artistas da categoria de José Luis Rodríguez, as irmãs Rosa Virginia e María Teresa Chacín, "Los Impala", Henry Stephen e Cherry Navarro.