sábado, setembro 08, 2007

Mar corrente

P. C. Pinheiro
Mar corrente - Theo de Barros e Paulo César Pinheiro

Chegaste estrela, foste a mais cadente
No mar corrente dessa vida errante
E em meu semblante há muito descontente
Se fez presente esta emoção gigante

Chegaste estrela, foste a mais brilhante
No mesmo instante em que fiquei contente
Foste inocente como a flor fragrante
E foste amante por amor somente

Chegaste estrela, foste a mais ardente
E de repente foste a mais distante
Na variante desse amor poente
Partiste estrela na maré vazante

E eu de amante me tornei descrente
Tragicamente, amor, tragicamente