quinta-feira, janeiro 04, 2007

Voa liberdade

Jessé

Voa liberdade - Mário Maranhão, Mário Marcos e Eunice Barbosa
Gm   D/F#           Gm
Voa, voa minha liberdade
Bb       F/A         F/Eb   Bb/D   Bb  F/A  Gm7
Entra se eu servir como   morada
D7/F#  D/C              Gm7
Deixa  eu voar na sua altura
Eb             Bb/D  Cm7           Am7(b5)  D7(#5)
Agarrado na cintura  da eterna namorada
Gm   D/F#                 Gm
Voa, feito um sonho desvairado
Bb         F/A        F/Eb    Bb/D   Bb  F/A  Gm7
Desses que a  gente sonha acordado
D7/F#  D/C          Gm7
Voa    coração esvoaçante
Eb                 Bb/D   
Feito um pássaro gigante
Cm7                   G/D   D D4
Contra os ventos do pecado
G                    D/F#  D   D#°
Voa nas manhãs ensolara____das
Em    Em/D  C                   Bm
Entra,      faz verdade essa ilusão
D    Bb                   F/A
Voa, voa no estalo do meu grito
F#°             Gm7   Eb                  D4   D
Quero ver teu infinito  Nesse azul sem dimensão
Bb                   F/A
Voa no estalo do meu grito
F#°             Gm7   Eb                  D4   D
Quero ver teu infinito  Nesse azul sem dimensão

Solidão de amigos

Jessé

Solidão de amigos - Eunice Barbosa e Mário Maranhão
Tom: D
Intro: D
D                             Em
Lenha na fogueira , lua na lagoa
A7               D
Vento na poeira , vai rolando à toa
D                               Em
A cantiga espera quem lhe dê ouvidos
A7                 D     D7
A viola entoa , solidão de amigos
            G     G#º            D
A saudade lembra de lembranças tantas
Bm                  D     D7
Que por si navegam nessas águas mansas
G     G#º              D
A saudade lembra de lembranças tantas
Bm                 D      E
Que por si navegam nessas águas mansas
E                                 F#m
Quando a cachoeira desce nos barrancos
B7             E
Faz a várzea inteira se encolher de espanto
E                               F#m
Lenha na fogueira , luz de pirilampos
B7            E        E7
Cinzas de saudades voam pelos cantos
            A     A#º            E
A saudade lembra de lembranças santas
B7                  E     E7
Que por si navegam nessas águas mansas
A     A#º             E
A saudade lembra de lembranças tantas
B7                      E  
Que por si navegam nessas águas mansas

Porto Solidão

Jessé

Porto Solidão (1980) - Zeca Bahia e Gincko
Tom: Am
        Am                           A7    Dm
Se um veleiro repousasse na palma da minha mão
E4/7
Sopraria com sentimento e deixaria seguir sempre
E7         A7            Dm
Rumo ao meu coração, meu coração
Bm7/5-       Am                    Am/G
A calma de um mar que guarda tamanhos segredos
B7/F#   F7/5-  E7        Am
De versos naufragados e sem tempo
 A7              Dm    G/B                  C  G/B
Rimas de ventos e velas, vida que vem e que vai
Am            Bm7/5-
A solidão que fica e entra
E7                Am
Me arremessando contra o cais

Campo minado

Jessé
Tom: Gm
Gm                   Gm/F
Já andei por tantas terras
Cm
Já venci mil guerras
Cm/Bb               F/A  
Já levei porradas dominei meu medo
F7                Bb    D7
Já cavei trincheiras no meu coração
Gm               Gm/F           Cm
Descobri nos pesadelos sonhos mutilados
Cm/Bb              F/A
E acordei no meio de anjos cansados
F7            Bb     D7
De serem usados pela solidão
Gm           Gm/F              Cm
Ah! Meu coração é um campo minado
F7                 Bbm
Muito cuidado ele pode explodir
Bbm/G#            Ebm
E se depois de tão dilacerado
G#7                  C#m
For desarmado por quem há de vir
C#m/B            Bb° (ou C#m/Bb)
Alguém que queira compensar a dor
B/A                     F#m
Plantar o sonho e ver nascer a flor
F#m/E               F#m/Eb
Alguém que queira então me residir
G#7                    C#m
E explodir meu coração de amor

América

Jessé
Tom: C
Intro:   (G7)     C
C                   G/B
Esse sol que brilha forte
Am                   Em
Essa luz que não tem fim
F                          C/E
A saudade é que me faz voltar
Dm            F/G        G7
Eu te quero junto a mim
C             G/B
Tua gente carinhosa
Am            Em/G
Sabe dar e receber
F                    C/E
Jeito novo de se apaixonar
Dm7         F/G
Eu não vivo sem te ver
C                             G7
América...         a terra que faz sonhar
Dm                    Am                        G
América.........a minha razão de amar, me faz chorar
REFRÃO
C                        G7
América...     eu quero te ouvir cantar
Dm                    Am                      G
América...     eu quero te ouvir falar, te ouvir gritar
F            C
América...
C                 G/B
Tua pele é tão morena
Am             Em  
É latina a tua voz
F                   C
Eu te lembro para não perder
Dm7            F/G
O que existe entre nós
C                G/B
Tua força que me invade
Am             Em/G
Eu te quero ver em paz
F                         C/E
Eu não posso mais te ver sofrer
Dm7            F/G           G7
Não te deixo nunca mais
REFRÃO
             C/E
Em minha memória
Dm
Eu guardo na história
F/G             C
Que fala de eterno querer
F
E quando estou perto
C/E
Teus braços abertos
Dm7
Me esperam, querendo dizer
F/G
Não vou te esquecer
G7
Não vou te esquecer
Não vou te esquecer
F/G
Não vou te esquecer
REFRÃO

Jessé


O cantor e compositor Jessé Florentino Santos nasceu em Niterói-RJ, em 25/4/1952, e foi criado em Brasília. Mudou-se para São Paulo, e atuou como crooner em boates. Depois, integrou os grupos Corrente de Força e Placa Luminosa, animando bailes por todo o Brasil.

Ainda nos anos 70, também chegou a gravar em inglês com o pseudônimo de Tony Stevens. Foi revelado ao grande público em 1980, no Festival MPB Shell da Rede Globo com a música Porto Solidão (Zeca Bahia/ Ginko), seu maior sucesso, ganhando prêmio de melhor intérprete.

Em 1983, ganhou o XII Festival da Canção Organização (ou Televisão Ibero-Americana) (OTI) realizado em Washington, com os prêmios de melhor intérprete, melhor canção e melhor arranjo para Estrelas de Papel (Jessé/ Elifas Andreato).

De voz muito potente, no decorrer de sua carreira Jessé gravou 12 discos (como os álbuns duplos O Sorriso ao Pé da Escada e Sobre Todas as Coisas) mas nunca conseguiu os louros da crítica especializada.

Morreu aos 41 anos, em março de 1993 de traumatismo craniano sofrido num acidente de carro em Ourinhos (interior de SP), quando se dirigia para o Paraná para fazer um show.

Algumas músicas cifradas:


Fonte: CliqueMusic

Isolda

Isolda Bourdot nasceu em 9 de janeiro de 1957 na cidade de São Paulo-SP. Seu bisavô e avó maternos foram maestros e compositores. Desde criança interessou-se por artes em geral. Sua aproximação da música começou em brincadeiras com o irmão e futuro parceiro Milton Carlos, fazendo músicas e histórias para teatrinhos de boneca.

Queria ser jornalista mas, ainda na adolescência, começou a participar, juntamente com o irmão, de festivais de música, muito em moda nas décadas de 60 e 70, pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Ganharam alguns prêmios e assim que o irmão gravou seu primeiro LP como cantor em 1970, tornaram-se conhecidos e passaram a receber encomendas de músicas de alguns cantores que sentiram na dupla de irmãos grande sensibilidade artística.

Em 1973 através do amigo comum Eduardo Araújo, Roberto Carlos gravou Amigos amigos de Isolda e Milton. Foi o primeiro grande sucesso de público da dupla de compositores. Repetiu-se o sucesso no ano seguinte com o mesmo Roberto Carlos gravando Jogo de damas; no mesmo ano Roberto gravou Elas por elas e Wando gravou Na boca do povo, todas de Isolda e do irmão Milton; em 1976 novamente Roberto Carlos gravou com grande sucesso Um jeito estúpido de te amar e Pelo avesso; Milton Carlos gravou também da dupla Um acalanto, Uma valsa por favor, Último samba canção, Me mata e Vexame; ainda em 1976 Ângela Maria gravou Nunca mais e Agnaldo Rayol Eu levo uma cruz na corrente.

Dessa forma o sucesso da dupla de compositores foi sendo ampliado e reconhecido no meio musical brasileiro, principalmente pelas músicas gravadas por Roberto Carlos.

Prematuramente o irmão Milton faleceu num acidente em 1977; mesmo muito abalada com a morte do irmão e parceiro, Isolda compôs nesse mesmo ano sua primeira música sem a parceria do irmão: Outra vez que tornou-se seu grande sucesso na gravação de Roberto Carlos e que teria inúmeras gravações de outros artistas como Altemar Dutra, Simone, Emílio Santiago e outros além das gravações no exterior de Pepino de Capri, Armando Manzanero e Ray Conniff.

Nessa fase de músicas brasileiras populares, prevaleciam os versos geralmente muito românticos com apelos melodramáticos sobre a melodia de modo geral pobre. Isolda sempre se revelou compositora de imenso talento e sensibilidade muito apurada.

Apesar do grande sucesso alcançado através de 90 músicas compostas em parceria com o irmão e solo, Isolda sempre teve comportamento sóbrio e discreto, chegando mesmo a evitar contatos com a mídia.

O grande sucesso de Outra vez entre outras qualidades deve-se à maneira como Isolda com muita sensibilidade e talento escreveu os versos de modo que a maioria de quem viveu um grande amor gostaria de poder falar para sua ex-amada(o) e à magnífica interpretação de Roberto Carlos. "Outra vez" foi um dos maiores senão o maior sucesso da carreira do cantor Roberto Carlos.

Algumas músicas cifradas:


Eunice Barbosa

Dona Eunice com o filho, Antonio Marcos.
Mãe do cantor Antonio Marcos e do compositor Mário Marcos. Sua primeira composição gravada foi Resumo, musicada por Mário Marcos e transformada em sucesso por Roberto Carlos. Entre diversos parceiros, fez composições com Mário Maranhão, Tivas, Neno Meyer e Zequinha Rodrigues.

Outros sucessos de sua autoria foram: Voa liberdade e Solidão de amigos com Jessé. Também teve composições gravadas por Gilliard, Zé Geraldo, João Mineiro e Marciano, Antonio Marcos, Dalvan, Sula Miranda e Chrystian e Ralf.

Discografia

Bom dia solidão em CAPRICHOSO - Nelson Ned (1984)
Canção do 3º milênio em TRIBUTO A LEANDRO - Leandro & Leonardo (1998)
De Belém a Pirapora em NALVA AGUIAR - Nalva Aguiar (1981)
Diga-me em CAPRICHOSO - Nelson Ned (1984)
Fim de primavera em FELICIDADE - Antônio Marcos (1976)
Há de ser por esta estrada em ZÉ GERALDO - Zé Geraldo (1981)
Intimidade em TODOS OS CAMINHOS - Antônio Marcos (1988)
Livro aberto em SOBRE TODAS AS COISAS - Jessé (1984)
Meu desejo em MULHER - Perla (1996)
Meu segredo em NASCE UM COMPOSITOR - João de Barro (1997)
O amor em CONTADOR DE ESTRELAS - Fábio Jr. (1999)
Olhai por nós em TODOS OS CAMINHOS - Antônio Marcos (1988)
Resumo em ROBERTO CARLOS - Roberto Carlos (1974)
Sedução em PÉROLAS - JESSÉ - Jessé (2000)
Solidão de amigos em PÉROLAS - JESSÉ - Jessé (2000)
Solidão de amigos em CAMINHO DO SOL - Amelinha (1985)
Solidão de amigos em O SORRISO AO PÉ DA ESCADA - Jessé (1983)
Solidão de amigos em JESSÉ - Jessé (1982)
Todos os caminhos em TODOS OS CAMINHOS - Antônio Marcos (1988)
Um grito pelos ares em JESSÉ - Jessé (1982)
Voa liberdade em PÉROLAS - JESSÉ - Jessé (2000)
Voa liberdade em O SORRISO AO PÉ DA ESCADA - Jessé (1983)
Voa liberdade em JESSÉ - Jessé (1980)

Fontes: CliqueMusic e Dicionário Cravo Alvim da Música Popular Brasileira.

Contribuição enviada por Larissa Carla Coelho em 03/01/2007.