quinta-feira, janeiro 31, 2008

Inteirinha



Inteirinha (samba-canção, 1960) - Luís Vieira

Quero amar você inteirinha
Abraçar você inteirinha
Viver uma vida inteirinha
De felicidade inteirinha

E em sua vida inteirinha
Repousar meu sonho inteirinho
E depois morrer inteirinho
Mas morrer risonho inteirinho

Gostoso é viver
Gostando de alguém
Gostar de quem gosta
Da gente também
Amar sem temer
O gosto de amar
Se o amor faz sofrer
Eu quero só ver
Onde vou parar



quarta-feira, janeiro 30, 2008

Trapo de gente

Orlando Silva

Trapo de gente (samba-canção, 1953) - Ary Barroso

Aconteceu
Justamente o que mais eu temia
Apesar do trabalho
Que me deu sua educação
Fui buscá-la, na triste miséria
De um barracão
Para as noites boêmias
De Copacabana
Este mundo de sonhos
E desilusão
Mas, incapaz de entender
Este prisma da vida
Procurou disfarçar na bebida
A mais torpe e cruel traição
Saia comigo
Bebia comigo
Depois
Se entregava a um amigo
Trapo de gente
Sem alma e sem coração

Pela primeira vez

Noel Rosa
Pela primeira vez (samba, 1936) - - Noel Rosa e Cristóvão de Alencar

Disco 78 rpm / Título: Pela primeira vez / Autoria: Alencar, Cristovão de, 1910-1983 (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Regional RCA Victor (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1936 / Álbum 34061 / Lado A / Gênero: Samba /

Pela primeira vez na vida
sou obrigado a confessar que amo alguém
Chorei quando ela deu a despedida
Ela me vendo a chorar chorou tambem
Meu Deus,faça de mim o que quiser
mas não me faça perder o amor dessa mulher

Na estação na hora de partir o trem
ela me vendo chorar chorou também
Depois fiquei olhando a janela
até sumir numa esquina o lenço dela

Se meu amor nao regressar irei também
á estação na hora de partir o trem
E nunca mais assisto a uma partida
pra nao lembrar mais aquela despedida

Obrigado, Maria

Orlando Silva
Obrigado, Maria (samba-canção, 1954) - - Herivelto Martins e Mário Rossi - Interpretação de Orlando Silva

Obrigado, Maria
Pelo bem que me fizeste chegando
Obrigado, Maria
Pelo bem que me fazes partindo

Sinto-me bem porque fico cantando
Sinto-me bem porque partes sorrindo
Obrigado, Maria
É o que mais é lindo

Obrigado, Maria
Pelo mal que podias fazer
E não fizeste
Obrigado Maria
Pelas horas de amor e de prazer
Que tu me deste

Não me importa que leves contigo
Toda minha alegria
O que desejo é que sejas feliz
Obrigado, Maria!

Não e sim

Altamiro Carrilho
Orlando Silva

Não... e sim (samba, 1954) - Altamiro Carrilho e Armando Nunes

Quando alguém me pergunta
Se ainda trago você dentro do coração
Digo que não, digo que não, que não e não

Quando alguém me pergunta
Se ainda seria capaz de te dar meu perdão
Digo que não, digo que não, digo não

Mas o que ninguém sabe
É que eu gostaria que você voltasse
Tão feliz eu seria
Se esse amor recomeçasse

Se você quisesse viver
Novamente juntinho de mim
Eu diria que sim, eu diria que sim,
eu diria que sim...

De que vale a vida sem amor

Leonel Azevedo
De que vale a vida sem amor (valsa, 1954) - Leonel Azevedo, J. Cascata e Sá Róris

Gravação original: disco 78 rpm / Título da música: De que vale a vida sem amor / Autoria: Cascata, J, 1912-1961 (Compositor) / Azevedo, Leonel (Compositor) / Sá Róris (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Copacabana, 1954 / Nº Álbum 5254 / Lado A / Gênero musical: Valsa /

No céu azul da minha louca fantasia
Ergui castelos de ilusões e de venturas
Cheios de esplendor

Em ânsias transportei minh'alma
Aos pés do eterno criador
Pedindo em doce prece
Para abençoar o meu sincero amor

Sonhando assim viver
Com isso longe do mundo
Sem ter no coração o espinho
De um pesar negro e profundo

Fugindo da realidade
Dessa vida cheia de amargor
Eu que sempre na vida
Fui um sonhador

Porém, o vendaval cruel
Do meu destino
Em breve destruiu
Meu sonho peregrino

E hoje sou a imagem triste
De um passado de recordação
De tudo nada mais existe
Só restam mágoas no meu coração

Ó Deus fazei cessar o meu tormento
Fazendo reviver meu sonho lindo, encantador
Pois eu tenho dentro d'alma
A luz do firmamento
E de que vale a vida sem amor....

terça-feira, janeiro 29, 2008

Chora cavaquinho

Orlando Silva
Orlando Silva

Chora Cavaquinho (samba, 1935) - - Dunga (Waldemar de Abreu)

Chora cavaquinho, chora
Chora violão tambem
que o nosso amor foi embora
deixando saudades em alguem

Quantas vezes ele cantava
alegrando o meu coração
O seu cantar redobrava
fazendo sentir o violão

E não tendo mais esperança
na morte vive pensando
parece inocente criança
o pobre cavaquinho, triste chorando

Canta, cigana

Orlando Silva
Canta, cigana ( valsa-canção, 1954) - Ciro Monteiro e Dias da Cruz - Orlando Silva

Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta
Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta

Era assim que eu pedia / Para a cigana cantar
Aquela canção dolente / Eu ficava a contemplar
Seu bailado / Seu pandeiro / Suas mãos / Seu meigo olhar
Era assim que eu pedia / Para a cigana dançar

Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta
Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta

A tribo foi-se um dia / Levou a minha alegria
E os sonhos que eu sonhava / As noites de luar
E hoje na saudade / Não sonho como outrora
Meu coração soluça / Com saudade daquele cantar

Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta
Canta, canta, cigana / Canta cigana, canta

Aquela mascarada

Aquela mascarada (fox-bolero, 1953) - Ciro Monteiro e Dias da Cruz - Interpretação de Orlando Silva




Aquela mascarada no / carnaval passado
De olhos tentadores / ternos, sonhadores
Lábios de pecado

Na sensação de um beijo / encheu-me de desejo
Mente-se de mulher / amor feito quimera
Sol de primavera e dor

Aquela mascarada / deixou-me na retira
Na sombra querida / de uma saudade imensa
E na harmonia / dessa minha canção
Deixo a mascarada / da minha ilusão

Aquela mascarada / deixou-me na retira
Na sombra querida / de uma saudade imensa
E na harmonia / dessa minha canção
Deixo a mascarada / da minha ilusão

Alegria

Orlando Silva
Alegria (samba, 1937) - Assis Valente e Durval Maia

Disco 78 rpm / Título da música: Alegria / Autoria: Valente, Assis (Compositor) / Maia, Durval (Compositor) / Orlando Silva (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1937 / Nº Álbum 34239 / Lado A / Gênero: Samba /
  G                        Bm 
Alegria pra cantar a batucada, 
                  G   Bm7 
As morenas vão sambar, 
           A#dim  Am7 D7 
Quem samba tem alegria, 
      G    C#dim              G    F7 E7 
Minha gente era triste, amargurada, 
               A7 
Inventou a batucada, 
                  D7 
Pra deixar de padecer, 
                           G 
Salve o prazer, salve o prazer. 
Da tristeza não quero saber, 
              Bm7     Am7 
A tristeza me faz padecer, 
             A#dim       G        
Vou deixar a cruel nostalgia, 
E7            A7 
Vou fazer batucada, 
   D7          G 
De noite, e de dia vou cantar. 
G                        Bm 
Alegria pra cantar a batucada, 
                  G   Bm7 
As morenas vão sambar, 
           A#dim  Am7 D7 
Quem samba tem alegria, 
      G    C#dim              G    F7 E7 
Minha gente era triste, amargurada, 
               A7 
Inventou a batucada, 
                  D7 
Pra deixar de padecer, 
                           G 
Salve o prazer, salve o prazer. 
            A#dim G    Bm7 
Esperando a felicidade, 
               A#dim    Am7 D7 
Para ver se eu vou melhorar, 
Am7              D7       G 
Vou cantando, fingindo alegria, 
       E7    A7 
Para a humanidade, 
    D7        G 
Não me ver chorar. 

Zé Carioca

Zé Carioca (samba, 1959) - Zé da Zilda (José Gonçalves) e Zilda do Zé (Zilda Gonçalves) - Intérprete: Moreira da Silva



História de papagaio
Eu conheco bastante
Vou contar nesse instante uma bem interessante
Quando eu cheguei aqui
Fui tomar um café
Na Praça Tiradentes
No botequim do seu Vicente
Vi um pássaro verde
Em cima de um palanque
Que eu não conhecia
Eu perguntei a freguesia
Me disseram que era
O papagaio Zé Carioca
Professor de português
(Fala francês, italiano e até inglês, um bom freguês)
Ele ficou meu amigo,
E me levou consigo a uma gafieira
(Onde eu sambei a noite inteira)
De madrugada uma dama fuleira fez um tempo quente
E o papagaio pulou na frente
Deixa comigo que eu sou carne de pescoço
Quem mexer com meu amigo tem que mastigar um osso
Nao tenha medo isso á café pequeno eu resolvo so
(Pulou pra trás e arrancou o paletó, meu Deus que nó
eu vou fugir, pra Maceió, com minha vó)*
E, mas de repente a polícia chegou e o baile acabou
E todo mundo se pirou
E o papagaio saiu debaixo da mesa todo rasgado
Completamente depenado
Os dançarinos ficaram com pena de ver seu estado
(Disseram: coitado)
Ele saiu gingando se rebolando todo cheio de visagem
É dos pelados que elas gostam mais
É dos depenados que elas gostam mais.

O seqüestro de Ringo

O ciclo mais notório de continuações na música brasileira foi o dos sambas de breque de Miguel Gustavo para Moreira da Silva, em que o cantor era apresentado inicialmente como um herói de faroeste (passando depois para agente secreto e até cangaceiro!), Kid Morengueira, em gravações que pareciam capítulos de radionovela, com atores, narrador e sonoplastia. São seis os sambas: O rei do gatilho (1962), O último dos moicanos (1963), Os Intocáveis (1968), Morengueira contra 007 (1968), O Sequestro de Ringo (1970) e Rei do Cangaço (1973).

O sequestro de Ringo (samba, 1970) - Miguel Gustavo



Filme estrelado por: Moreira da Silva

Correu pela Itália o grito de guerra
O Ringo está preso, quem foi que prendeu
O Ringo famoso sofrendo torturas
Nas celas escuras, quase morreu

Mandaram uma carta pedindo resgate
Sua noiva tão linda tem que ser entregue
Exigem em troca montanhas de liras, procuram os tiras
E o filme prossegue

Ringo é aquele pão de ló
Que já esteve no Brasil
Dólar de prata que exibiu-se
Na buzina do Chacrinha
Criatura sem frescura
Meia porção de simpatia
Apaixonado pela Beth Faria.

Tá na Cecília aquela ilha
Onde a máfia predomina
Mão assassina, traição
Tem um canhão na sua boca
Comida pouca, sem bebida
A trinta dias maltratado
Pelos bandidos da Calábria
Mas não dá o recado.

Moreira da Silva embarcou pela Varig
Depois do apelo que o papa lhe fez
Prá ver se salvava o Ringo da morte
Cuidado Moreira!
Chegou tua vez.

Levou na garupa montanhas de liras
Falou com os bandidos na língua de gang
Salvou Juliano e já ia saindo
Com a cara feliz de quem está triunfante.

Mas os bandidos começaram a contar a dinheirama
E foram vendo que os pacotes estavam cheios de jornal
Foram no papo do Moreira e começou o tiroteio
Com estampido e ruído espacial
Tiro prá cá, tiro prá lá
Ringo só tinha uma bala
Mas não se cala é quando a bomba ia cruzando pelo ar
Atira certo, a bomba cai
Morremos todos na explosão
Esta é a razão porque eu não posso mais cantar.

Tá morto o Ringo
Grande herói
Com toda a Itália a soluçar.

Mas já no próximo domingo
Aguardem a volta de Ringo.

segunda-feira, janeiro 28, 2008

O último dos moicanos

O último dos moicanos (samba, 1963) - Miguel Gustavo - Interpretação: Moreira da Silva



Tinha jurado à minha mãe por toda vida
Não me meter em mais nenhuma trapalhada
Depois daquela do bandido em que o índio me salvara
Eu decidi levar a vida sossegada

Comprei um sítio e já ia criar galinhas
Quando a notícia no jornal me encheu de ódio
Um bandoleiro aprisionara aquele índio
Que me salvara no primeiro episódio
"Cuidado Moreiraaaaaaaa"

E tal viúva do bandido que eu matara
Com quem case perante o padre no local
Roubou meu sítio e fugiu para Nevada
Apaixonada por um velho marginal

E minha noiva por quem tanto eu lutara
Estava dançando em um saloon fora da linha
Como é que pode um pistoleiro aposentado
Comprar um sítio e querer criar galinhas

"pó, pó pó po´, pó ó "

Montei de novo num cavalo mais ligeiro
Em Hollywood Harry Stone me esperava
E Moacyr chamava os extras para a cena
Enquanto a câmera já me focalizava

A luta agora era com os indios Moicanos
Que pelos canos nos empurram devagar
Me disfarcei, pintei a cara e apanhei a machadinha
E com a princesa comecei a namorar

"Indio cara-pálida chamar Morengueira"
"Morengueira que não é mané vai dar no pé"

Voltei à vila e arrasei os inimigos
Salvei o índio, minha dívida paguei
Dei uma surra na viúva e minha noiva
Naquele mesmo cabaré a desposei

E assim termina mais um filme americano
Com Hollywood já meio desminliguida
Eu vou passar para o cinema italiano
Pra descansar eu vou filmar La Dolce Vita

Não filme agora que a censura está sendo proibida
Perto de mim o Mastroianni não dá nem pra partida
Sofia Loren vem chegando mas já estou de saída
Arrivederti Roma ....

Morengueira contra 007

O ciclo mais notório de continuações na música brasileira foi o dos sambas de breque de Miguel Gustavo para Moreira da Silva, em que o cantor era apresentado inicialmente como um herói de faroeste (passando depois para agente secreto e até cangaceiro!), Kid Morengueira, em gravações que pareciam capítulos de radionovela, com atores, narrador e sonoplastia.

São seis os sambas: O rei do gatilho (1962), O último dos moicanos (1963), Os Intocáveis (1968), Morengueira contra 007 (1968), O seqüestro de Ringo (1970) e Rei do Cangaço (1973).

Em Morengueira contra 007, além de Moreira da Silva e o agente britânico, estrelam Pelé e Cláudia Cardinale. James Bond dá um flagrante em Pelé, que beijava a estrela italiana. Moreira dá um soco em Bond e livra a cara do rei. Mais tarde, ela confessa ser apaixonada pelo sambista e diz que só esteve no Brasil para sequestrar Pelé e evitar que ele jogasse contra a seleção inglesa.

Morengueira contra 007 (samba, 1968) - Miguel Gustavo

Disco LP / Título da música: Morengueira contra 007 / Autoria: Gustavo, Miguel (Compositor) / Silva, Moreira da (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Imperial, 1968 / Álbum: Moreira da Silva - Morengueira / Nº Álbum: sem dados / Lado A / Faixa 04 / Gênero: Samba de breque /

Introdução do narrador: "Moreira da Silva contra 007. Sexo e violência no mais espetacular filme de espionagem do famoso diretor americano Abelardo 'Chacrinha' Barbosa. Com James Bond, Cláudia Cardinale e Edson Arantes do Nascimento."

Começa o filme com o 007
Saltando em Santos com a Cláudia Cardinale
Com seu decote italiano ela é tão bela
Que ninguém vê o James Bond junto dela

Os dois se hospedam na concentração do Santos
E, entre tantos, ninguém sabe por que é
Que ela desfila de biquíni na piscina
E na maior intimidade com o Pelé

Breque: "A bonitinha não percebe a tabelinha que ele faz / Pelé controla a Cardinale, dá-lhe um beijo e avança mais /Gol do Brasil! / O temperamento latino é fogo!... "

O James Bond nesse instante dá o flagrante
Diz que Pelé tem que pagar pelo que fez
Entram em luta corporal e o 007
Vai abater o jogador com um soco-inglês

Porém, Moreira, que assistia a toda a cena,
Entra sem pena, vai no 007 e manda o pé
Rabo-de-arraia e antes que caia dá-lhe um soco
Apara o soco e livra a cara do Pelé

Moreira leva James Bond para o DOPS
E na fofoca mais fofoca que eu já vi
Vem jornalista, embaixador inglês sem vida
E entra na fita todo o Itamaraty

Aí Moreira leva a Cláudia Cardinale
Para jogar um pif-paf em Guarujá
Vão no boliche e comem pizza lá no Braz
E cantam samba de Vinícius de Morais

Cláudia confessa o seu amor por Morengueira
Faz a besteira de dizer que o ama com fé
Só foi a Santos com o 007
Para ajudá-lo a raptar nosso Pelé.

Roubar Pelé pra não jogar contra a Inglaterra
Porque os ingleses sofrem de alucinação
E toda noite vêm um fantasma de chuteiras
Fazendo gol no gol da sua seleção

Breque: "E vem o time brasileiro se sagrando campeão / Termina o filme com Moreira dando um drible no espião / O James é derrotado e acabou sua missão."


Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - São Paulo, 1998; Dicionário Cravo Albin da MPB; A Canção no Tempo - Volume 2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34; Moreira da Silva - Discografia de vinil.

Malandro não vacila

Bezerra da Silva
Bezerra da Silva

Malandro não vacila - Julinho

Tom: Am

Am          Dm           G7           C
Já falei pra você, que malandro não vacila
Am         Dm          G7            C
Já falei pra você, que malandro não vacila
Am              Dm
Malandro não cai, nem escorrega
G7            C
Malandro não dorme nem cochila
Am           Dm
Malandro não carrega embrulho
G7            C
E tambem não entra em fila

Am                Dm
É mas um bom malandro
G7                   C
Ele tem hora pra falar gíria
Am                       Dm
Só fala verdade, não fala mentira
G7           C
Você pode acreditar

Am                 Dm
Eu conheço uma pá de otário
G7                  C
Metido a malandro que anda gingando
Am         Dm             G7           C
Crente que tá abafando, e só aprendeu a falar:

Am                   Dm
Como é que é? Como é que tá?
G7              C
Moro mano? É, chega pra cá!

Juracy

Vassourinha
Juracy (samba, 1941) - Antônio Almeida e Ciro de Souza

Disco 78 rpm / Título: Juraci / Autoria: Almeida, Antônio (Compositor) / Souza, Ciro de (Compositor) / Vassourinha (Intérprete) / Lacerda, Benedito, 1903-1958 (Acompanhante) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Columbia, 23/06/1941 / Nº Álbum 55295 / Lado B / Lançamento: 08/1941 / Gênero: Samba choro

G                         D7
Desde o dia em que eu te vi Juracy
                     G
Nunca mais tive alegria
                           D7
Meu coração ficou daquele jeito
                             G
dando pinote dentro do meu peito
                              D7
Mas agora eu quero, eu quero saber
                G
qual a sua opinião
                      D7
Pra resolver nossa situação
             C     D7      G
pode ser ou tá difícil coração
D7
Eu trabalhei durante um ano inteiro
                               G
pra conseguir juntar algum dinheiro
                        D7
fiz uma casa que é um amor
                                G
pois tem rádio, geladeira e ventilador
D7                 D7
Nossa casinha lá na Marambaia
           B7                 Em
fica a dois passos da beira da praia
         C      C#7        D7
e se você achar que lhe convém
                    C        D7     G
eu lhe garanto tudo isso e o céu também

Judia rara

Moreira da Silva - 1938
De origem humilde, as polacas trabalhavam quase sempre no baixo meretrício - locais de prostituição frequentados por quem tinha poucos recursos. Nos cabarés e bordéis de luxo, a soberania era das francesas, que exerciam na época grande fascínio no imaginário masculino. Atentas a esse fato, algumas judias aprendiam palavras em francês para tentar melhorar de vida.

Motorista de lotação e sambista, o cantor Moreira da Silva namorou por 18 anos uma polaca: a russa Estera Gladkowicer, que chegou ao Brasil com 20 anos em 1927, foi dona de bordel no Mangue e se matou em 68, ingerindo barbitúricos.

Para ela, Moreira compôs Judia Rara: "A rosa não se compara / A essa judia rara / Criada no meu país / Rosa de amor sem espinhos / Diz que são meus seus carinhos / E eu sou um homem feliz" (Fonte: Homenagens em músicas e poemas - Aventuras na História ).

Judia rara (samba, 1964) - Jorge Faraj e Moreira da Silva

Disco LP / Título da música: Judia rara / Autoria: Faraj, Jorge (Compositor) / Moreira da Silva (Compositor) / Moreira da Silva (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1964 / Álbum: Morengueira 64 / Nº Álbum: MOFB 3385 / Lado B / Faixa 9 / Gênero musical: Samba /
Tom: C
Introd.: Dm   Am   E7   A7   Dm   Am   F7   E7   Am   

Bm7/5b    E7       Am   
A rosa não se compara   
A7         Dm   
A essa judia rara   
E7             Am     A7   
Criada no meu país   (virada)   
Dm                  C   
Rosa de amor sem espinhos   
C7                      Dm7   
Diz que são meus seus carinhos   
Bm7/5b       E7     Am   
E eu sou um homem feliz   
G7               C   
Nos olhos dessa judia,   
F7                Am   
Cheios de amor e poesia,   
Dm7                  Am   
Dorme o mistério da noite,   
E7                   Am   
Brilha o milagre do dia.   
G7             C   
A sua boca vermelha   
G7     F7      Am   
É uma flor singular.   
Dm7                   Am   
E o meu desejo, uma abelha   
Bm7/5b   E7       Am   
Ebm torno dela a bailar.   
G7                C   
Nos olhos dessa judia,   
F7                Am   
Cheios de amor e poesia,   
Dm7                  Am   
Dorme o mistério da noite,   
E7                  Am   
Brilha o milagre do dia.   
G7            C   
A sua boca vermelha   
G7     F7      Am   
É uma flor singular.   
Dm7                  Am   
E o meu desejo, uma abelha   
Bm7/5b   E7       Am   
Em torno dela a bailar   
Bm7/5b   E7       Am   
Em torno dela a bailar   
Bm7/5b   E7       Am   
Em torno dela a bailar. 

domingo, janeiro 27, 2008

Esta noite eu tive um sonho

De Wilson Batista é o samba-de-breque Esta noite eu tive um sonho, feita em parceria com Moreira da Silva. A composição, de 1941, foi lançado numa gravação antológica de Kid Morengueira, e ambienta o malandro em plena Alemanha da Segunda Guerra, entre Graaf Zeppelins e salsichas, com direito à possivelmente única citação do mundo do samba na língua de Goethe: Ich nag dich (ao lado Moreira da Silva em foto de 1938).

Esta noite eu tive um sonho (samba, 1941) - Wilson Batista e Moreira da Silva

Disco 78 rpm / Título da música: Esta noite eu tive um sonho / Autoria: Silva, Moreira da (Compositor) / Batista, Wilson, 1913-1968 (Compositor) / Silva, Moreira da (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Victor, 1941 / Nº Álbum 34754 / Lado A / Gênero musical: Samba /

Saltei em Berlim, entrei num botequim,
Pedi café, pão e manteiga pra mim,
O garçom respondeu: não pode ser não !
Fiquei furioso e fui "hablar" ao patrão,
Que me recebeu com duas pedras na mão,
E me disse quatro frases em Alemão,
Néris disso, sou doutor em samba,
Venho de outra nação !

Tive vontade de comer uns bifes,
Ich nag dich, seu Fritz,
Não se resolve assim não,
Venho do Brasil,
Trago um presente pro senhor,
Esta ganha e esta perde,
Na voltinha que eu dou,
Já tinha ganho todos os marcos para mim,
Quando ouvi o ruído de um Zeppelin,
Eu acordei, tinha caído no chão,
Salsicha à noite, não faz boa digestão.

Idade não é documento

Idade não é documento (samba, 1979) - Ciro Aguiar e Moreira da Silva

Disco LP / Título da música: Idade não é documento / Autoria: Aguiar, Ciro (Compositor) / Silva, Moreira da (Compositor) / Silva, Moreira da (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Polydor, 1979 / Álbum: O Jovem Moreira / Nº Álbum: 2451 138 / Lado A / Faixa 1 / Gênero musical: Samba /

No domingo passado / eu fui tomar um banho
na Barra da Tijuca / Pra esfriar a minha cuca
puxei meu carango no buteco
eu fiz uma rango e mandei pendurar:
(-Escuta qui meu camarada eu estou escovando
no burro / chamando o pavão de meu louro)

Camisa listrada, piteira francesa e anel de doutor
pra dar mais pinta de credor
Calção rosa choque, chapéu de palinha
Que retirei do penhor
(estava dando uma de horror)

No meio da praia fui logo cercado por lindas garotas
umas gostosas outras marotas
enquanto os playboys de água na boca paqueravam de lado
(olhos de jacaré dopado)

E eu e seu Silva num papo avançado
com o seu Lapa sorrindo aquele grupo feminino
convidei a primeira para dar um mergulho na água gelada
(para acalmar minha vanguarda)

Enquanto na praia as outras pequenas se inspiravam
dizendo: -Esse Moreira é um veneno
Sai todo prosa convidei a segunda e depois a terceira
para entrar na brincadeira beijei todas elas peguei
meu carango e sai do local
(foi um tremendo carnaval)

Enquanto a moçada de longe me olhava
com água na boca
Deixei a turma quase louca
( muitos anos de vivência corpo limpo sem varizes
já enfrentei o leão da metro e com ele eu posso).

De qualquer maneira

Déo
De qualquer maneira (samba, 1939) - Ary Barroso e Noel Rosa

Disco 78 rpm / Título: De qualquer maneira / Autoria: Barroso, Ary (Compositor) / Rosa, Noel, 1910-1937 (Compositor) / Déo (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1939 / Álbum 11762 / Gênero: Samba /

Quem tudo olha… / Quase nada enxerga
Quem não quebra se enverga / A favor do vento
Eu não sou perfeito / Sei que tenho de pecar
Mas arranjo sempre jeito / De me desculpar…

Eu lá na Penha agora vou estifa¹
Mas não vou como um cacifa²
Que foi lá desacatar / Mas a força falha
Ele teve um triste fim / Agredido a navalha
Na porta de um botequim!

Pra ver a minha santa Padroeira
Eu vou à Penha de qualquer maneira
Pra ver a minha santa Padroeira
Eu vou à Penha de qualquer maneira

Faz hoje um mês que fui naquele morro
E a Juju pediu socorro / Lá na ribanceira
Toda machucada / Saturada de pancada
Que apanhou do seu mulato / Por contar boato

Meu coração bateu a toda pressa
E eu fiz uma promessa / Pra mulata não morrer...
Pela padroeira / Ela foi bem contemplada
Levantou do chão curada / Saiu sambando fagueira!

Pra ver a minha santa Padroeira
Eu vou à Penha de qualquer maneira
Pra ver a minha santa Padroeira
Eu vou à Penha de qualquer maneira

Eu vou à Penha de qualquer maneira
Pois não é por brincadeira / Que se faz promessa
E... o tal mulato / Para não entrar na lenha
Fêz comigo um contrato / Para sumir da Penha

Quem faz acordo não tem inimigo / A mulata vai comigo
Carregando o violão / E com devoção junto à santa milagrosa
Vai cantar meu samba prosa / Numa primeira audição.

__________________________________________________
¹ Gíria da época: alinhado; ² Gíria da época: sujeito sem sorte.

Cachorro de madame

Cachorro de madame (samba, 1961) - Moreira da Silva e Wilson Pires

Disco LP / Título da música: Cachorro de madame / Autoria: Silva, Moreira da (Compositor) / Pires, Wilson (Compositor) / Silva, Moreira da (Intérprete) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1961 / Álbum: Malandro em Sinuca / Nº Álbum: MOFB3207 / Lado A / Faixa 04 / Gênero: Samba de breque /

Há cachorro que tem
Vida melhor do que a minha
Enquanto eu tomo caldo de baleia
É, seu Zé, o seu menu é galinha

Há cachorro que tem
Para dormir no macio colchão
Enquanto eu trabalho no duro, Zé pão duro
E a noite vou dormir no chão

Há dias eu não tenho no bolso
Cinco cruzeiros pra tomar um bonde
E ao passo que um cachorro tem um automóvel
Para passear não sei aonde

É por isso que eu quero ser cachorro
Agora quero ser o meu patrão
Pra quando chegar as cinco horas
Eu vou lhe esperar com latido no portão

Eu quero ter o meu reclame... Au, au, au
Vou ser cachorro de madame... Au, au, au

Vou te abandonar

Heitor dos Prazeres
Em março de 1930, um mês depois do sucesso de Na Pavuna, de Almirante e Homero Dornellas, Heitor dos Prazeres lança, sem grande sucesso, uma composição chamada Vou te abandonar. Ela é gravada por um conjunto nomeado “Grupo Prazeres” que apresenta flauta, violões, batucada, coro e solista e interpretado na época por Paulo da Portela.

Esta composição é um dos exemplos mais antigos de um procedimento que se tornou corrente nas gravações de samba, que é a “chamada” do coro pelo solista, no último verso da estrofe, para a retomada do refrão. Tal “chamada” se faz pela antecipação do primeiro verso do refrão. Assim, como o refrão deste samba começa com “Eu vivo...”, o solista, depois de terminar a estrofe, adiciona a frase: “Agora eu vivo...”, dando a deixa para a volta do coro.

Tal procedimento originou-se sem dúvida das necessidades práticas de disciplinar o canto em coro nas situações de ensaio ou desfiles dos blocos no carnaval. Mas ela se incorporou às normas do samba como uma espécie de pontuação musical, cantada e não apenas gritada, feita mesmo em gravações, situação que em princípio dispensa a prática de chamar a atenção do coro (fonte: Dois Sambas de 1930 e a Constituição do Gênero - Carlos Sandroni - cadernos do coloquio2001.p65).

Vou te abandonar (samba, 1930) - Heitor dos Prazeres

Disco 78 rpm / Título da música: Vou te abandonar / Autoria: Prazeres, Heitor dos, 1898-1966 (Compositor) / Paulo Benjamin de Oliveira (Paulo da Portela) (Intérprete) / Grupo Prazeres (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Brunswick, Indefinida / Álbum número 10037 / Lançamento Março de 1930 / Lado B / Gênero musical: Samba /

Eu vivo
Perdido
Vou contar só a verdade, mas
Odete
Eu digo
Eu é que vou te abandonar (x2)

Eu sinto na verdade
Mas sou forçado a fazer assim
Esta vida é falsidade, meu bem
Ainda zombas de mim
Agora eu digo:

Eu vivo
Perdido
Vou contar só a verdade, mas
Odete
Eu digo
Eu é que vou te abandonar (x2)

Eu vou enganado
Mas essa dor, por Deus do céu
Hoje eu vivo envergonhado assim
Pobre passado cruel
Agora eu digo:

Eu vivo
Perdido
Vou contar só a verdade, mas
Odete
Eu digo
Eu é que vou te abandonar (x2)

Senhor Comissário

Jorge Veiga
Senhor Comissário (samba, 1945) - Benedito Lacerda e Haroldo Lobo - Interpretação: Jorge Veiga



Ai, senhor comissário
Roubaram meu tamborim
Venho pedir ao senhor, seu doutor
Pra fazer qualquer coisa por mim
Ai, senhor comissário
Por isso vou lhe contar tintim por tintim

Só porque deixei a porta
Do meu barracão aberta
Fizeram uma limpeza geral
Roubaram até a baiana da Mariana
E agora sem tamborim
Vou passar mal no Carnaval

Ai, senhor comissário
Roubaram meu tamborim
Eu venho pedir ao senhor, seu doutor
Pra fazer qualquer coisa por mim
Ai, senhor comissário
Por isso vou lhe contar tintim por tintim

Só porque deixei a porta
Do meu barracão aberta
Fizeram uma limpeza geral
Roubaram até a baiana da Mariana
E agora sem tamborim
Vou passar mal no Carnaval

Ai, senhor comissário
Roubaram meu tamborim
Eu venho pedir ao senhor, seu doutor
Pra fazer qualquer coisa por mim
Ai, senhor comissário
Por isso vou lhe contar tintim por tintim

Noiva da gafieira

O samba Noiva da gafieira, interpretado por Jorge Veiga, é dono de uma abertura instrumental singela e de uma letra que refaz os passos de um cantor casanova que é autuado por um guarda indisposto. “Essa pequena que o senhor está vendo comigo, aqui sentada, é minha namorada / Fique sabendo que entre nós dois não acontece nada”.

Mas, na delegacia, o comissário-de-dia o reconhece, pede um samba, e o liberta em tom disfarçadamente hostil: “Parece bobo, sô! Vá dando o pirandelo logo depressa!” (LP Alô! Alô! Canta Jorge Veiga com Jorge Veiga e conjunto Copacabana, 1959 - CLP . 11052).

Noiva da gafieira (samba, 1946) - Domingos Ludovic, Guimarães Santos e Waldemar Pujol



Fui autuado como contraventor
Na lei do meu país
Porque sou muito infeliz
Eu estava sentado
Num banco alinhado
Lá na Praça da Bandeira
Venha cá brocha faceira

Chegou seu municipa
Lançando o cassetete
Me mandou levantar
Eu disse: Ô moço, espera lá!
Que isso não são horas
De ninguém namorar

Eu me queimei e respondi
Espera lá, seu guarda
É que o senhor está muito enganado
Não seja assim tão aprovado
Fique sabendo que eu sou moço-família
E sou rapaz direito
Nunca faltei com o respeito

Esta pequena que o senhor está vendo
Aqui comigo sentada
Pois é a minha namorada
Fique sabendo que entre nós dois
Não acontece nada
Ela é sabida, é escolada

Diz que então por isso mesmo
Disse o guarda pra mim
É que eu vou lhe autuar
Chega pra mim, vamo até lá
O comissãrio-de-dia
É que vai resolver sua situação
Seu atrevido, intrujão

Ah, pelo que vejo
Você é um vago-mestre
Que nem casa tem
Vive dormindo lá no trem
Eu sou da brincadeira
Eu vim da gafieira
Minha noiva também
Eu nunca fiz mal à ninguém

Quando eu cheguei no distrito
Muito aflito
Para me justificar
Pedi, minha gente onde falar
O comissário-de-dia já me conhecia
E era um bom homem
Já ouviu falar pelo meu nome
E disse assim pra mim:
Pois vai cantando alguma coisa
Que eu quero escutar
O seu coisinha, mete lá!

Quando larguei o velho samba
Ele ficou de pernas bambas
E disse: eu vou lhe soltar
Se espiga, vá-se embora,
Vá pro China, pra Japã..
Parece bobo, sô!
Vá dando o pirandelo logo depressa!
Vâmo!

Perdeu-se uma valise

Perdeu-se uma valise, de Jorge Veiga com Daniel Lustoza, conta a história de uma figura que, animado com a recompensa divulgada nos jornais, decide entregar uma bolsa que encontrou com 200 mil cruzeiros. No entanto, sua honestidade é recompensada com apenas 2 cruzeiros (imagem: LP Alô! Alô! Canta Jorge Veiga com Jorge Veiga e conjunto Copacabana, 1959 - CLP . 11052).

Perdeu-se uma valise (samba, 1959)
- Jorge Veiga e Daniel Lustoza



Perdeu-se uma valise
Com 200 mil cruzeiros
Quem entregar dá-se uma boa gratificação
Não é que a soma seja bondosa
Sim, porque a valise é de estimação

Li o anúncio e fui entregar
No 1028, Rua Escobar
Apareceu um cara tão mal-encarado
Que até deu-me receio de lhe confessar

Estava numa loura muito pendurado
Miséria no meu bolso era de amargar
Abriu uma carteira deu-me dois cruzeiros
Compre um metro de cordas para se enforcar

Eu perdi a minha sogra
E quem achou veio entregar
Fiquei contrariado, não quis aceitar
Porque livrei-me de uma bomba que ia estourar
(breque)

"Dinheiro achado não tem dono
Quem mandou entregar?" (fim do breque)
É que tenho o passo do rapaz pagado
Alguém me chama de pato sem poder provar

Eu peço mil desculpas
A quem tiver me ouvindo
E quem nasceu pra ser cachorro
Há de morrer latindo

"Au, au, au, au,
Passa fora cachorro!
Vai morder a perna do Paulo Gracindo."

sábado, janeiro 26, 2008

Brigitte Bardot



Brigitte Bardot (marcha / carnaval, 1961) - Miguel Gustavo - Intérprete: Jorge Veiga

Brigitte Bardot, Bardot
Brigitte beijou, beijou
Lá dentro do cinema
Todo mundo se afobou

Brigitte Bardot, Bardot
Brigitte beijou, beijou
Lá dentro do cinema
Todo mundo se afobou

BB, BB, BB
Por que é que todo mundo
Olha tanto pra você ?
Será pelo pé ? -Não é
Será o nariz ? -Não é
Será o tornozelo ? -Não é
Será o cotovelo ? -Não é


Você que é boa e que é mulher
Me diga então porque que é....

BB, BB, BB
Por que é que todo mundo
Olha tanto pra você ?
Será pelo pé ? -Não é
Será o nariz ? -Não é
Será o tornozelo ? -Não é
Será o cotovelo ? -Não é

Você que é boa e que é mulher
Me diga então porque que é....



quinta-feira, janeiro 24, 2008

Pisei num despacho

Ciro Monteiro
Pisei num despacho (samba, 1947) - Geraldo Pereira e Elpídio Viana.

Disco 78 rpm / Título da música: Pisei num despacho / Autoria: Viana, Elpídio (Compositor) / Pereira, Geraldo (Compositor) / Ciro Monteiro (Intérprete) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: RCA Victor, 17/04/1947 / Nº Álbum 800518 / Lado A / Lançamento: Junho/1947 / Gênero musical: Samba /

Desde o dia em que passei
Numa esquina e pisei no despacho
Entro no samba e meu corpo está duro
Bem que procuro a cadência e não acho

Meu samba e meu verso não fazem sucesso
Há sempre um porém
Vou à gafieira
Fico a noite inteira
E no fim não dou sorte com ninguém

Mas eu vou num canto
Vou num pai de santo pedir
Qualquer dia
Que me dê um despacho
Um banho de erva e uma guia

Tenho aqui um endereço
Um senhor que eu conheço me deu
Há três dias
O mais velho é batata diz tudo na exata
É uma casa em Caxias

Menina

Menina - Juca Chaves


Menina, ouça o que eu digo
O meu castigo
Tive-o só por te adorar

Menina, ouça, eu te imploro
O que hoje eu choro
São preces do coração
Que só pecou por soluçar

Por ti, menina
Que eu amo tanto
Por quem meu pranto
De tombar, quase secou

Quisera, ouvir-te um dia, flor
Dizer-me: "eu te amo, amor
Como jamais, nunca se amou".

Mas que tristeza!
Tua beleza
Não deste a mim
E eu inda não sei por que tal razão

Agora eu vivo amargurado
Sem ter teu vulto ao lado
Desde jovem coração
Já caducando de paixão

Por ti, menina
Que bom seria
Se eu fosse um dia
Contemplado por um beijo teu

Assim a minha lira
Que por ti não mais suspira
Não teria o fim que teve
Pois morreu...

Pequena marcha para um grande amor

Pequena marcha para um grande amor - Juca Chaves


A lua vai dormir encabulada
na passarela da madrugada
meus olhos vão sonhar sob a janela
dos olhos dela, dos olhos dela.

Meu amor, de amor se esconde
se esconde aonde por teu não vê
e o teu não vê não vê porque,
meu amor não é segredo,
morre de medo do segredo que é você.

A lua vai dormir encabulada
na passarela da madrugada
meus olhos vão sonhar sob a janela
dos olhos dela, dos olhos dela.

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Dois amigos

Dois amigos (samba-canção, 1960) - Ary Barroso - Intérprete: Ernani Filho - LP "Dois Amigos - As Músicas de Ary Barroso na Voz de Ernani Filho" - Odeon MOFB3320, 1963 -

Vês, a noite é de luar
Vem comigo...
Vês, podemos conversar
Vem comigo...

Recordemos coisas passadas
Que embalaram meus sonhos de amor
Horas que passamos juntos, neste bar
Sem sofrer, sem chorar

Vês, no bar nada mudou
Nós mudamos
Sem querer modificamos nossas vidas
Nossas brigas foram naturais
Hoje estamos juntos outra vez amor
Batendo os copos como dois amigos
Nada mais...

Poema do adeus




Miltinho
Poema do Adeus (samba-canção, 1961) - Luís Antônio - Intérprete: Miltinho

E então eu fiz um bem
Dos males que passei
Fiz do amor uma saudade de você
E nunca mais amei
Deixei nos olhos teus
Meu último olhar
E ao bem do amor
Eu disse adeus

Caminho o meu caminho
E nos lugares que passei
As pedras do caminho
São o pranto que chorei
Escondo em minhas mãos
Carinhos que eram teus
E guardo tua voz
No poema do adeus



Take Me Back To Piauí

Take Me Back To Piauí - Juca Chaves

Hey hey, dee dee, take me back to Piauí,
hey hey, dee dee, take me back to Piauí

Adeus Paris tropical, adeus Brigite Bardot
o champanhe me fez mal, caviar já me enjoou
Simonal que estava certo, na razão do patropi,
eu também que sou esperto vou viver no Piauí!

hey hey, dee dee, take me back to Piauí,
hey hey, dee dee, take me back to Piauí

Na minha terra tem Chacrinha que é louco com ninguém
tem Juca, tem Teixeirinha, tem dona Hebe também
tem maçã, laranja e figo
banana quem não comeu,
manga não, manga é um perigo
quem provou quase morreu!

hey hey, dee dee, take me back to Piauí,
hey hey, dee dee, take me back to Piauí

Mudo meu ponto de vista, mudando de profissão,
pois a moda agora é artista
ser júri em televisão
tomar banho só de cuia
comer jaca todo mês,
aleluia, aleluia vou morrer na BR-3!

Sou sim e daí

Sou sim e daí - Juca Chaves


Eu sou baixinho, feio e narigudo
dizem que eu sirvo só pra dar recado
mas na verdade eu sirvo para tudo
até chifrudo eu sou se ser casado!
eu tenho chifre mas não tenho queixa,
se bem que a testa fique bem maior
até que é bom quando a mulher ns deixa,
a gente sempre arruma outra melhor.

Essa é a vida que eu sempre quis,
eu sou cornudo mais eu sou feliz,
essa é a vida que eu sempre quis,
eu sou cornudo mas eu sou feliz,

"Pode rir mas mulher quando quer trair trai mesmo,
vocês podem trancar ela dentro do armario
que ela te trai com o cabide!"

"Sábio ditado aquele de pernambuco que diz:
Água de morro abaixo, fogo de morro acima
e mulher quado quer dar ninguem segura!"

Mas infeliz é aquele que acredita
que nunca foi traído por mulher
seja ela, seja ela bonita,
mulher nos trai quando ela bem quiser
mas quem é macho e nunca foi enganado
não trocará de esposa ou de patroa
e com uma só terá sempre passado,
acreditando que ela ainda é boa.

Essa é a vida que eu sempre quis,
eu sou cornudo mais eu sou feliz,
essa é a vida que eu sempre quis,
eu sou cornudo mas eu sou feliz,

Infelizmente existem as amélias
que sendo sérias pela vida a fora
ficam com a gente até ficarem velhas,
quando já é tarde pra mandar-se embora
porém não tarda o dia da verdade,
que escapará de um grito em nossa boca
a frase amarga dessa realidade:
tira os teus seios do prato de sopa.

Essa é a vida que eu sempre quis,
eu sou cornudo mais eu sou feliz!

Presidente Bossa Nova




Presidente Bossa Nova (samba bossa, 1960)- Juca Chaves

Bossa nova mesmo é ser presidente
Desta terra descoberta por Cabral
Para tanto basta ser tão simplesmente
Simpático, risonho, original.

Depois desfrutar da maravilha
De ser o presidente do Brasil,
Voar da Velhacap pra Brasília,
Ver a alvorada e voar de volta ao Rio.

Voar, voar, voar, voar,
Voar, voar pra bem distante, a
Té Versalhes onde duas mineirinhas valsinhas
Dançam como debutante, interessante!

Mandar parente a jato pro dentista,
Almoçar com tenista campeão,
Também poder ser um bom artista exclusivista
Tomando com Dilermando umas aulinhas de violão.

Isto é viver como se aprova,
É ser um presidente bossa nova.
Bossa nova, muito nova,
Nova mesmo, ultra nova!



Políticos de cordel

Políticos de cordel - Juca Chaves



"políticos de cordel, qualquer semelhança com políticos
vivos ou mortos é mera coincidência premeditada"

Esse brasil é um puteiro a quiaína dá de novo,
pois a puta é o próprio povo,
o freguês ou é banqueiro,
comerciante ou ladrão.

Político é o cafetão, a polícia cafetina,
a imprensa a cocaína que vicia o cidadão.
Um médico é o charlatão, charlatão é o doutor,
o estudante é um professor,o professor um vilão
e o artista um marginal.

Ontem, hoje tudo igual e amanhã será o que,
se a justiça é um crupiê? Vence a banca é natural!

Afinal quem é que fez essa grande confusão?
Foi um herói português que expulsando outro francês
afundou essa nação.
Pois agora a solução é embrulha-la num jornal,
devolve-la à Portugal e depois pedir perdão.

Presidente é quem preside,
governador, quem governa.
Como aqui é uma baderna,
um cantador do nordeste disse uma frase batuta:

"Se bicudo vem de bica e se grota vem de gruta,
conforme a palavra indica, deputado vem de puta"!
Deus ajude que não morra o jeitinho brasileiro.
Somos putas então, porra, que viva o nosso putero!

Pena preta de urubu

Pena preta de urubu - Juca Chaves


ah! coitada dela
mente, mente pra chuchu
diz a toda gente que é donzela,
que tem um palacete em Pacaembú
isto, é presunção só dela
tentar com classe o golpe do baú,
ninguem pode ser pavão de cauda bela,
verde amarela,
se nasceu com a pena preta do urubu

É muito normal que uma menina,
queira acontecer na sociedade,
a própria vida nos ensina
que a pobreza é triste de verdade
mas a sociedade compromete,
aquilo que se chama de moral
pois quem não nasce pra manchete,
tem que ser notinha social.

Aí! coitada dela! mente, mente pra chuchu
diz a toda gente que é donzela
que tem um palacete em pacaembú
isso, é presunção só dela
tentar com classe o golpe do baú,
ninguem pode ser pavão de cauda bela,
verde amarela,
se nasceu com a pena preta do urubu.

Nasal sensual

Nasal sensual - Juca Chaves


Nariz, ai, meu nariz,
Como falam mal deste nasal
que é tão normal,
Ouço diariamente muita gente infeliz,
Dizer que ele é maior
do que a miséria do país,
E que ele é maior ainda que o Pelé,
Dizem até que é maior que o busto da Lolô,
Maior ainda que o sorriso do Nonô.

Nariz, ai, meu nariz,
Vende-se este apêndice
ou então se dá de graça,
Pedùnculo antiestético, grosseira massa,
Que nada tem de belo ou de poético,
E é uma desgraça o dito cujo narigão,
Ao qual só há uma solução, que é drástica,
Preciso urgentemente de uma plástica.

Perdão, Senhor, perdão,
Perdão pra tal narigão que é a sensação mais atual,
Porque se ele caísse um dia ao chão, que dramalhão,
Causaria a hecatombe universal.

Nariz, ai, meu nariz,
Ria o mundo imundo, não faz mal, eu sou feliz,
Não sabem o porquê desta felicidade,
A minha personalidade está neste nariz,
Que além de lindo, é um romântico sensual,
Pois toda vez que beija a namorada, idolatrada,
Quem chega na vanguarda é o meu nasal,
E ponto final.

Melô da merda

Melô da merda - Juca Chaves


Cagar é bom quando a gente está em paz
Ouvindo o nado ao som que a merda caindo faz
Caga molinho, caga durinho, caga soltinho
De qualquer jeito de qualquer maneira
Até quanto é caganera

Cagar é bom é muito bom
Cagar é bom demais
Dim, dim, dim, dim,
dim, dim,dim, dim, dim,
dim, dim, dim, dim,dim.

Tblof, Tblof, tblof,
tblof-bum, tblof-bum

Pssssss oia o gas oia o gás
oia o gas vai gas? Olha o gás

Legalidade

Legalidade - Juca Chaves

Constituiçao, constituição
acabou-se que tormento
já temos o parlamento falta o rei que papelão.

Que papelão, que papelão
o canhão foi superado, pois brizola,
com machado foi fazer revolução.

Revolução, revolução
foi as armas, o gaúcho
o lacerda deu o repuxo e o dennis ficou na mão.

Ficou na mão, ficou na mão
pois prendia todo mundo
o regime foi pro fundo,
marechal foi pra prisão.

Foi pra prisão, foi pra prisão
e o brizola nem deu bola,
o Jango botou cartola
e acabou a revolução.