segunda-feira, janeiro 14, 2008

Eumir Deodato


Eumir Deodato (Eumir Deodato de Almeida), instrumentista, compositor, arranjador e regente, nasceu no Rio de Janeiro RJ em 22/6/1943. Já tocava acordeom, quando, aos 14 anos, entrou para a Academia de Mário Mascarenhas, onde estudou música com Hilda Comeira. Dedicando-se também ao piano, começou a participar de concertos e a tocar em bailes, festas de formatura, clubes e boates.

Em 1959 trocou o acordeom pelo piano e passou a fazer parte do conjunto de Roberto Menescal, atuando em shows de bossa-nova, ao mesmo tempo que começou a compor. Durante algum tempo tocou com o guitarrista Durval Ferreira e, em 1962, formou seu próprio conjunto, ao qual Roberto Menescal se integrou.

Tendo deixado o grupo, voltou a fazer arranjos, trabalhando nos primeiros discos de Marcos Valle e no Lobo bobo, primeiro sucesso de Wilson Simonal, tendo sido também arranjador free-lancer e organista exclusivo da Odeon.

Em 1964 fez os arranjos e regencia do LP Inútil paisagem, da etiqueta Forma, apresentando músicas de Tom Jobim, e também gravou o LP Os gatos, lançado pela Philips. Dois anos depois, gravou o LP Os catedráticos/ataque, pela Equipe, com Ataque (de sua autoria) e Razão de viver (com Paulo Sérgio Valle).

Em 1967 foi para New York, EUA, a convite de Luiz Bonfá, para fazer arranjos de um disco seu com Maria Helena Toledo. A seguir, fez os arranjos para o disco Beach samba
de Astrud Gilberto, ocasião em que conheceu Creed Taylor, que lhe confiou seus outros contratados: Tom Jobim, Walter Wanderley, Paul Desmond, Aretha Franklin, Frank Sinatra, Tony Benett, Roberta Flack. Nessa época voltou-se para os estilos fusion e R&B (Rhytlim and Blues). No mesmo período, passou a criar jingles de grande sucesso.

Em 1972 gravou com João Donato o LP Donato/Deodato, considerado um clássico da fusão bossa-nova/latin jazz. Com a etiqueta Equipe lançou, em 1973, os LPs Prelude, no qual fez grande sucesso seu arranjo para Assim falou Zaratustra, de Richard Strauss (1864—1949), vendendo mais de 5 milhões de cópias; e Os catedráticos/73.

De 1979 a 1983 trabalhou com sucesso com o grupo KooI and The Gang. Em sua carreira artística, já acumulou mais de 15 discos de platina.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora.

Cláudia


Cláudia (Maria das Graças Rallo), cantora, nasceu no Rio de Janeiro-RJ em 10 de maio de 1948. Foi criada em Juiz de Fora-MG onde começou a cantar aos oito anos de idade, participando de um programa de calouros na Rádio Sociedade de Juiz de Fora. Aos 13 anos, atuou como crooner do conjunto Meia-Noite, que se apresentava em festas e bailes daquela cidade.

Desenvolveu sua carreira em São Paulo-SP na década de 60, no início participando do programa O Fino da Bossa. Em 1969 venceu o I Festival Fluminense da Canção defendendo a música Razão de paz para não cantar (Eduardo Lage/ Alésio de Barros).

Participou de diversos festivais no exterior, inclusive Japão, Grécia, México e Venezuela, tornando-se mais premiada fora do Brasil. Emplacou alguns sucessos como Jesus Cristo (Roberto Carlos) e Mais de 30 (Marcos Valle/ Paulo Sérgio Valle).

O maior momento de sua carreira se deu em 1983, quando estrelou o musical Evita, uma superprodução mundial encenada em vários países e que ficou mais de dois anos em cartaz no Rio e São Paulo.

Depois de Evita, continuou se apresentando em casas noturnas e participando de shows e gravações. Tem mais de 20 discos gravados. Também conhecida como "Claudya".

Fontes: Clic Music; Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.

Célia


Célia, cantora, nasceu em 08/09/1947 na cidade de São Paulo-SP. Aos 13 anos começou a se interessar por música. Estudou violão clássico e popular, harmonia, teoria e composição. Incentivada por diversos amigos, decidiu dedicar-se ao canto.

Em 1970, foi lançada no programa Um Instante Maestro, de Flávio Cavalcanti, obtendo grande êxito. Tanto que em 1971 já gravava seu primeiro LP na Continental, Célia, celebrado com vários prêmios. No ano seguinte, gravou novo disco, com canções como Detalhes e A hora é essa (ambas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos) e a partir de então participou de alguns festivais da canção na Venezuela e no Uruguai.

Em 1975, lançou seu terceiro LP, com Camisa amarela (Ary Barroso), Onde estão os tamborins (Pedro Caetano) e Não há porque (Ivan Lins e Vitor Martins). Em 77 gravou o quarto LP, dedicado a renomados autores de samba, e estreou o show Por um Beijo, no Teatro Pixinguinha (SP), ficando em cartaz por seis meses.

Em 1979, excursionou pelo Brasil com o projeto Pixinguinha, ao lado de Paulo Moura. Nos anos seguintes, continuou fazendo shows em teatros e boates para seu público cativo - especialmente em São Paulo, sua cidade natal -, tais como Toda Delícia (80), Fogo, Por Favor (82), Força (83) - este ao lado de Rosa Maria e Miriam Batucada -, Vento Bravo (84), A Louca do Bordel (91), entre outros.

Nos anos 80 lançou mais dois discos. Depois, só voltaria aos estúdios em 1993, com Louca de Saudade. Em 95, estrelou o show Os Gordos Também Amam em dupla com o empresário e dublê de cantor José Maurício Machline.

No ano seguinte, comemorou 25 anos de carreira com o show Célia e Banda Son Caribe, no Espaço Vinicius de Moraes (SP), com repertório de salsas, mambos e merengues. Em 98, realizou o show Ame em dupla com o cantor Zé Luiz Mazziotti no Tom Brasil, cantando clássicos da MPB.

Ao lado do mesmo Zé Luiz, gravou em 2000 o CD Pra Fugir da Saudade (Jam), dedicado aos sambas de Paulinho da Viola.

Apesar de ter vários discos gravados, nunca obteve grandes sucessos radiofônicos, destacando-se como cantora da noite paulistana.

Fonte: Clic Music.

Serrinha

Serrinha (Antenor Serra), cantor e compositor, nasceu em Botucatu SP no dia 26 de Junho de 1917, e faleceu em 19 de Agosto de 1978. Aprendeu a tocar viola com Lopinho, famoso violeiro da região. Aos 15 anos já fazia serenatas e animava as festas de seu bairro. Em 1935 foi trabalhar na antiga estrada de ferro sorocabana.

Transferiu-se para São Paulo SP a pedido de seu tio, que também trabalhava na estrada de ferro, mas que se apresentava em rádios e shows. Aí se hospedou em uma das pensões no bairro de Santa Cecília, tendo como companheiro de quarto Marino Rabelo, o Caboclinho com quem formaria dupla. Tempos depois começou cantando emboladas na Rádio Cosmos, fazendo a segunda voz para Raul Torres.

No final dos anos de 1930, antes de formar definitivamente a dupla gravou ao lado de Caboclinho uma primeira música, Cavalo Zaino. Em 1937 lançou pela Odeon em parceria de Nhá Zefa as músicas A coisa mió do mundo e Coração dos meus penares ambas de sua autoria. No mesmo ano em dupla com Raul Torres gravou na Victor a moda de viola Cigana e em seguida Boiada cuiabana que se transformou em grande sucesso da dupla Tonico e Tinoco.

Ainda em 1937 formou um trio com Raul Torres e Caboclinho exclusivamente para fazer a primeira gravação de Saudades de Matão (Francana). Em 1938 a dupla foi contratada pela Rádio Record de São Paulo, lançando em disco no ano seguinte, as toadas Do lado que o vento vai e Meu cavalo zaino.

Em seguida formou o conjunto sertanejo Torres, Serrinha e Rieli, que atuou por cinco anos na Rádio Record e lançou inúmeras canções, entre as quais Chora morena, chora, Caboclo magoado, Caipira namorador, Zé turuna e Mula baia, todas pela RCA Victor. Na mesma época, na Odeon, gravou com Raul Torres Mourão de porteira, Campo Grande, Sexta – feira 13 e O rei mandou me chamar, entre outras.

Em 1943 fizeram na Continental as últimas gravações como dupla: A Copa do mundo, Meus padecimentos, Moda do viaduto e Quero vê . . . quero oiá todas de sua autoria. Nesse mesmo ano rompeu parceria com Raul Torres e formou dupla com Marino Rabelo, a dupla Serrinha e Caboclinho. A dupla se consagrou logo de início, obtendo o primeiro lugar no programa A hora da peneira na rádio Excelsior. Com o prêmio gravou um disco na RCA – Victor do Rio de Janeiro.

Depois a dupla passou a se apresentar acompanhada do acordeonista Riellinho, ganhando o apelido de “O trio mais querido do Brasil”. Entre 1944 e 1961 , a dupla apresentou um programa na Rádio Tupi. Um dos maiores sucessos da dupla foi Bom Jesus de Pirapora.

Em 1954 Serrinha e Caboclinho gravaram na Continental o tango brejeiro Abandonado. Ainda neste ano, com a morte prematura de Caboclinho, Serrinha e Riellinho passaram a se apresentar com o Zé do Rancho, até Serrinha se aposentar em 1968.

Fonte: Revivendo Músicas - Biografias.

Sivuca


Sivuca (Severiano Dias de Oliveira, ), instrumentista, arranjador e compositor, nasceu na cidade de Itabaiana-PB (26/05/1930) e faleceu em João Pessoa-PB (14/12/2006). Começou a carreira aos 9 anos, tocando em feiras e festas populares. Aos 15, mudou-se para Recife, onde adotou seu nome artístico.

Em 1945, se inscreveu num programa de calouros da Rádio Clube de Pernambuco e foi selecionado pelo maestro Nelson Ferreira, que o indicou para tocar num programa da Rádio do dia seguinte. Foi Nelson Ferreira quem lhe deu o nome de Sivuca.

Na Rádio Clube de Pernambuco, em 1946, Sivuca conheceu Luiz Gonzaga, que ofereceu um contrato de trabalho para ele na Rádio Nacional. Na época, ele não pôde afastar-se do Recife por ter compromisso assinado com a Rádio Clube. Entretanto, quatro anos depois, estreou na Rádio Record, em São Paulo, com a grande Orquestra Record, dirigida pelo maestro Gabriel Migliori.

O primeiro grande sucesso de Sivuca, Adeus, Maria Fulô, foi lançado em 1950 e regravado numa versão psicodélica pelos Mutantes, nos anos 60. Em 1955, foi morar no Rio de Janeiro. Após apresentações na Europa como arcodeonista num grupo chamado Os Brasileiros, chegou a morar em Lisboa e Paris. Também morou em Nova York de 1964 a 1976, onde foi autor do arranjo do grande sucesso Pata Pata, de Miriam Makeba, com quem então excursionou pelo mundo até o fim da década de 60.

Em 1969, desligou-se do conjunto da cantora e retornou a Nova York. Nessa época foi convidado por Oscar Brown Jr. para dirigir e representar o musical "Joy", que estreou no ano seguinte. Em 1970 lançou LP pela RCA e apresentou-se na televisão de San Francisco. Em 1971 atuou em Chicago. De volta novamente a Nova York, recebeu convite do cantor Harry Belafonte para acompanhá-lo, permanecendo com este cantor até 1975.

Em 1975 a Copacabana lançou no Brasil os LPs Sivuca e Live from Village Gate, lançados originalmente pelo selo americano Vanguard. No LP Village Gate, Sivuca interpreta, entre outras, Adeus Maria Fulô, de sua autoria e Humberto Teixeira, Berimbau, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, No Rancho Fundo, de Ary Barroso, e Marina, de Dorival Caymmi.

Em 1977, de volta ao Brasil, apresentou-se no Teatro João Caetano no Rio de Janeiro, no Projeto Seis e Meia, juntamente com a violonista Rosinha de Valença, gravando ao vivo na ocasião um disco lançado pela RCA: o LP Sivuca e Rosinha de Valença, onde interpretam, entre outras, Quando me lembro, de Luperce Miranda, Tema do boneco de palha, de Vera Brasil e Sivan Castelo Neto, Lamentos de Pixinguinha e Vinícius de Morais e Asa branca de Luis Gonzaga e Humberto Teixeira.

Em 1978 lançou o LP Sivuca, no qual interpretou, entre outras, o sambaião O dia em que El Rey voltou à terra de Santa Cruz, parceria com Paulinho Tapajós, a upakanga Mãe África, em parceria com Paulo César Pinheiro, Samburá de peixe miúdo, um arrasta-pé, e a upakanga - um ritmo da África do Sul - Barra vai quebrando, ambas em parceria com a mulher Glorinha Gadelha.

No mesmo ano, obteve grande sucesso com a composição João e Maria, feita em parceria com Chico Buarque e gravada por este e a cantora Miúcha. Também em 1978, fez os arranjos para o LP Eu Waleska, da cantora Waleska, no qual teve gravada a música Passado, presente e amor, com Glorinha Gadelha.

No ano seguinte, fez os arranjos para o LP Palavras amigas, da cantora Waleska, que gravou a composição Comigo só, com Glorinha Gadelha. Outro grande sucesso de sua autoria em parceria com a esposa foi Feira de Mangaio, na voz da cantora Clara Nunes.

Em 1980 lançou o disco Cabelo de milho, no qual interpretou, entre outras, Cabelo de milho, em parceria com Paulinho Tapajós, Cantador latino, com Paulo Cesar Pinheiro, No tempo dos quintais, com Paulinho Tapajós e que contou com a participação especial do cantor Fagner, além de Se te pego na mentira, em parceria com Glorinha Gadelha.

Em 1984 lançou, com Chiquinho do Acordeom, o disco Sivuca e Chiquinho, com a participação especial do maestro Radamés Gnattali. Foram gravadas, entre outras, as composições Pé de moleque de Radamés Gnattali, O eterno jovem Bach de Altamiro Carrilho, Valsa verde de Capiba, Aquariana do próprio Sivuca e Rabo de fita, parceria de Sivuca e Chiquinho do Acordeon.

Em 1985 lançou três discos na Suécia, Som Brasil, Rendez-vous in Rio e Chico's Bar - Sivuca e Toots Thielemans, os três pela gravadora Sonet. Em 1987 lançou com o gaitista Rildo Hora o LP Sanfona e realejo, que obteve boa receptividade por parte da crítica especializada, e no qual foram registradas, entre outras, as composições San Vicente, de Milton Nascimento e Fernando Brant, Doce de coco, de Jacob do Bandolim, Os meninos da Mangueira, de Rildo Hora e Sergio Cabral, e Sanfona e realejo, de Sivuca.

Em 1990, lançou o LP Um pé no asfalto, um pé na buraqueira, com a participação especial de Rildo Hora e de Glorinha Gadelha, interpretando, entre outras, Bom e bonito, de Osvaldinho do Acordeon, Forró da gente, de Cecéu, Guararema, em parceria com Glorinha Gadelha e Quem disse que o forró acabou?, de Moraes Moreira e Glorinha Gadelha.

Em 1997, lançou pela Kuarup o CD Enfim solo, no qual interpreta composições de Pixinguinha, Luperce Miranda e Johann Sebastian Bach. No mesmo ano fez, juntamente com o compositor e violonista Baden Powell, duas apresentações em Paris.

Continuando a realizar apresentações no Brasil e no exterior e participando de festivais e recebendo a reverência internacional por seu trabalho instrumental, em 2000 apresentou-se no Teatro Municipal do Rio de Janeiro ao lado da Orquestra Petrobras Pró Música e do arranjador Wagner Tiso.

Em 2002 participou de shows em comemoração aos 25 anos de fundação da gravadora Kuarup, com apresentações no Canecão, no Rio de Janeiro e no Teatro da UFF em Niterói. No início de 2003 gravou, com Dominguinhos e Oswaldinho do Acordeom, um disco que registrou o encontro de três dos maiores sanfoneiros em atividade no país, produzido por José Milton.

Faleceu em 14 de dezembro de 2006, aos 76 anos, no Hospital Memorial São Francisco, em João Pessoa. Estava internado e lutava contra um câncer na garganta.

Fontes: Revivendo Músicas - Biografias; Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora.

Ado Benatti


Ado Benatti, compositor e poeta (Taquaritinga SP 23/09/1908 - Pirapora do Bom Jesus SP 04/11/1962), começou a carreira artística compondo emboladas e cantando em programas de calouros. Em 1939 passou a atuar na Rádio Educadora Paulista de São Paulo, com o Regional de Caxangá, como cantor de emboladas. Mais tarde passou a atuar na Rádio Difusora, de São Paulo.

Em 1940 deixou de cantar e passou a compor. Caxangá, e Chico Carretel (Durvalino Peluzo) foram os primeiros a interpretar poesias suas pelo rádio, reunidas mais tarde em Musa cabocla. Popularizou-se com o pseudônimo de Zé do Mato e em 1947 teve sua primeira composição gravada, a moda-de-viola Destino de um caboclo (com Tonico), gravada por Tonico e Tinoco na Continental. Desde então dedicou-se exclusivamente ao gênero sertanejo, com inúmeras composições gravadas por quase todas as duplas de São Paulo, Rio de Janeiro e outros estados.

Algumas de suas composições fizeram grande sucesso, como Chofer de estrada (com Luisinho), gravada por Palmeira e Biá, na Victor, 1948: Bom Jesus de Pirapora (com Serrinha), gravada por Serrinha, Caboclinho e Riellinho, 1951, obra que o consagrou como compositor, com várias regravações, Sucuri (com Zé Carreiro), gravada por Zé Carreiro e Carreirinho, na Continental, 1951-1952, Mão criminosa e A morte do Dr. Laureano (com Tonico), gravada por Tonico e Tinoco na Continental, 1952, Gosto de caipira, catira (com Luís Lauro, 1953-1954), gravada por Inezita Barroso na Copacabana, Mandamentos do chofer (com Sulino), gravado por Sulino e Marrueiro na RCA, 1955, Encontro do divino, (com Américo Campos), gravada pela dupla Irmãos Divino na Chantecler, 1958, As Duas jóias e Encontro da Aparecida (com Teddy Vieira) gravadas na Chantecler por Leôncio e Leonel.

Ainda na década de 1950 destacam-se as composições Filha de Maria (com Mário Vieira), gravada pelo Duo Guarujá,, na Continental, a valsa Santa Cecília (com Carlos Piazzoli), gravada na Todamérica por Cascatinha e Inhana, Transporte de boiada (com Rui Oliveira), gravada por Vieira e Vieirinha, na Continental.

Foi autor de inúmeras peças caipiras que fazem sucesso até, hoje, como O Filho do sapateiro, Sindicato dos malucos, Arma secreta (em colaboração com Humberto Pelegrini) e Mão criminosa (em colaboração com Tonico e Tinoco).

Publicou os livros Musa cabocla e Alma da terra, poemas, Contos do Zé do Mato, histórias populares, Os Crimes de Dioguinho, A Morte de Dioguinho, Bom Jesus de Pirapora, Tambaú, cidade dos milagres, versos populares.

Letras e cifras de Ado Benatti: A dama de vermelho.

Fontes: Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo, Art Editora, 2000.

Edu da Gaita

Edu da Gaita (Eduardo Nadruz), de ascendência síria, nasceu em Jaguarão, RS, na fronteira com o Uruguai, em 13.10.1916, e faleceu em 23.08.1982, na cidade do Rio de Janeiro. Era o primogênito de 3 filhos. Seu pai desfrutava de boa posição na cidade como arrendatário de um cinema.

Em 1925, foi estudar em colégio interno de padres, na cidade de Pelotas, o São Luiz Gonzaga. Nesse ano , o representante local das famosas gaitas Hohner, da Alemanha, promoveu entre a criançada um concurso e o menino Eduardo, dentre os mais de 300 concorrentes, ganhou o primeiro prêmio, sem que a vitória significasse para ele algum interesse particular pelo instrumento ou pela música.

Continuou seus estudos ginasianos em Porto Alegre e, como tantos brasileiros, seu pai não conseguiu escapar da crise mundial. Eduardo pouco colaborava, a ponto de abandonar os estudos e levar uma vida sem definição. Seu pai entendeu que era chegada a hora dele trilhar um rumo mais responsável e esse rumo apontava para São Paulo: "São Paulo é uma grande cidade. Lá ele vai aprender a ser gente!"

Deu 300 mil-réis ao filho, que embarcou para Santos num Ita, o Itassucê. Como tocasse razoavelmente plano de ouvido, ganhou do comandante as passagens com a condição de tocar durante a viagem. Em Santos permaneceria poucos dias sem conseguir emprego. Em São Paulo, para onde foi em seguida, pretendia trabalhar na rua Vinte e Cinco de Março em alguma loja de comerciante árabe, mas também nada arranjou.

O ano era de 1933, logo depois da Revolução Constitucionalista, e o fato de ser gaúcho precisava ser escondido para não prejudicá-lo, pois os paulistas ainda estavam muito ressentidos com a derrota.

Na pensão, por falta de pagamento, foi avisado de que, se não acertasse as contas, seria despejado em 15 dias. Andando pelas ruas em busca de uma saída, na ladeira da avenida São João, viu alguém tocar gaita e passar o pires. Lembrou-se então dos seus tempos de pelotas e do concurso de gaitas. Sentiu que esse podia ser um meio para minorar sua situação. Não tinha porém o instrumento, ou melhor não tinha a gaita e nem a "gaita" para comprá-la.

Perto ficava a Casa Manon, loja de músicas e instrumentos. O gerente queixou-se a ele de que as gaitas não atraíam compradores e o estoque estava encalhado. Eduardo teve a idéia de propor-lhe um trato: ganharia uma porcentagem por gaita que conseguisse vender. Foi então para a porta da loja e começou a tocar. Resultado: não demorou a vender aos passantes 24 gaitas, com direito à porcentagem e uma gaita para si.

E assim Eduardo foi levando a vida na capital paulista, a tocar gaita e a fazer o que aparecesse, inclusive sendo camelô. Chegou a tocar na Rádio Cruzeiro do Sul. Aí resolveu partir para o Rio de Janeiro, onde chegou no Sábado do carnaval de 1934. Sem revelar que era gaúcho, foi à Rádio Mayrink Veiga em busca de uma oportunidade junto a César Ladeira, diretor-artístico da mesma, que se notabilizara em São Paulo como o "speaker" da Revolução Paulista ao microfone da Rádio Record.

César o aceitou e o escalou para tocar no programa Desenhos Animados. Só que não gostou do seu nome Eduardo Nadruz, nada artístico, e o apresentou como Edu e Sua Gaita. O "da Gaita" viria bem depois. Pouco duraria esse seu início radiofônico, porquanto seu repertório não passava de 2 tangos e 1 rancheira.

Eis Eduardo der volta às mesmas dificuldades, com a diferença de que passou a levar a gaita a sério, estudando sem parar, embora sem nunca ter aprendido a ler música, que compensava com o ouvido absoluto de que era possuidor. O grande empecilho é que as gaitas encontradas no Brasil não dispunham de recursos e ele pressentia que, em algum lugar, devia haver modelos mais avançados.

Então, em 1939, dar-se-ia o verdadeiro início de sua carreira. Conversava com o pianista Nonô, no Café Nice, quando chega o cantor e violonista Fernando (de Albuquerque), que havia chegado há pouco de Nova Iorque, onde estivera com a Orquestra de Romeu Silva na feira Mundial.

Fernando tinha começado na casa Edison (Odeon) nos anos 20. Pois fernando contou aos presentes que havia trazido de Nova iorque uma gaita diferente, com uma "chave". Edu, vivamente interessado, não sossegou enquanto Fernando não foi buscar a tal gaita. A "chave cromática" era tudo o que ele vinha imaginando e correspondia às teclas pretas do piano. Emocionadíssimo, levou-a aos lábios e tocou como se a conhecesse há anos. Era a solução definitiva.

Ainda como músico de rua e bares, foi ouvido por Sílvio Caldas e por ele levado à Rádio Mayrink Veiga, onde permaneceria sob contrato por 10 anos, transferindo-se a seguir para a Rádio Nacional. Nesse mesmo ano de 1939, faz seu primeiro disco, na Colúmbia, neste CD., com Canção da Índia e Violino Cigano. Em Canção da Índia teve o acompanhamento dos Swing-Maníacos, ou seja, os irmãos Dick e Cyll Farney e Hélio Beltrão, futuro ministro no governo Figueiredo.

Sua carreira, a partir daí, foi se solidificando cada vez mais no rádio, cassinos e através de excursões. No seu instrumento, era o maior do Brasil, O Mago da Gaita. Por ser muito magro não escapava dos brincalhões: O Magro da Gaita.

O fim do jogo, em 1946, e fechamento dos cassinos, também não o pouparia. Uma excursão à Argentina, que deveria durar o tempo normal de 4 semanas, estender-se-ia por quase dois anos. Já estava casado com Hercília, com a qual teve um único filho, Eduardo como ele, médico.

Nessa ocasião, começou a cultivar o sonho de gravar o Moto Perpétuo, do célebre violinista e compositor italiano Niccolo Paganini (1782-1840), obra tida como impossível de ser executada em instrumento de sopro. Seu interesse em ser o primeiro no mundo a realizar a proeza foi despertado quando ouviu, na Mayrink veiga, o violinista João Correia de Mesquita fazer uns exercícios com a música durante um ensaio.

Não foi difícil para Edu aprender os 150 compassos sem pausa do Moto Perpétuo, mesmo não lendo música, mas se passariam 11 longos anos de obsessivos estudos até que se sentisse pronto para gravá-lo. O público sempre teve, desde o início, conhecimento desse seu objetivo. Assim, em 1956, quando chegou ao estúdio da Continental, havia jornalistas para acompanhar o grande acontecimento e observar se não haveria alguma montagem indevida.

O primeiro registro, com Leo Peracchi ao piano, saía sem qualquer falha até que alguém deixou cair ao chão uma máquina de escrever. Só na 39ª tentativa, já à noite, foi que o Moto Perpétuo resultou perfeito.

Sua façanha de tocar pela primeira vez, em todo o mundo, o Moto Perpétuo em instrumento de sopro seria mais tarde repetida, entre outros, por Paulo Moura ao saxofone e pelo trumpetista mexicano Rafael Mendez.

O perfeccionismo era o traço predominante do artista Edu, que se autodefinia como uma "pilha de nervos". Mas sempre foi bem e cordial amigo, capaz de frases como "Edu e sua gaita e o Láfer (ministro da Fazenda de Getúlio) com a "nossa".

Em 1960, participou da 3ª Caravana Oficial da Música Popular Brasileira, organizada por Humberto Teixeira e capitaneada por Joraci Camargo, da qual; fazia parte o Sexteto de Radamés Gnattali com Chiquinho do Acordeom. Apresentaram-se em Portugal, França, Itália, Inglaterra e Alemanha. Na Alemanha, aproveitou para conhecer a fábrica da Hohner em Trossingen. Ao examinar os modelos, tocou uma parte do Moto Perpétuo. Foi o bastante para a direção presenteá-lo com uma coleção de gaitas.

Nunca quis se radicar e fazer carreira no exterior. Nacionalista, entendia que no Brasil podia fazer mais por sua cultura. A própria gravação do Moto Perpétuo continha o desejo de mostrar ao mundo que os brasileiros eram gente de talento. Seu sonho era também provar que a gaita merecia uma cátedra nas escolas de música por ser um instrumento completo, definido.

Não há dúvida de que, mais do que qualquer outro, conseguiu demonstrá-lo, tanto que a história da gaita, no Brasil, pode ser dividida em antes e depois dele (Texto de Abel Cardoso Júnior).

Fonte: Revivendo Músicas.