sábado, novembro 06, 2010

A roda do samba

Odete Amaral
A roda do samba (samba, 1940) - Marcílio Vieira e Amado Régis

Título da música: A roda do samba / Gênero musical: Samba / Intérprete: Amaral, Odete / Compositores: Regis, Amado - Vieira, Marcílio / Gravadora Victor / Número do Álbum: 34310 / Data de Gravação: 00/1938 / Data de Lançamento: 00/1938 / Lado: lado A / Rotações: Disco 78 rpm:

Se ela perguntar

Se ela perguntar (samba,  1940) - Amado Régis e Zé Pretinho

Título da música: Se ela perguntar / Gênero musical: Samba / Intérprete: J. B. de Carvalho / Compositores: Regis, Amado - Zé Pretinho / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 11901 / Data de Gravação: 00/1940 / Data de Lançamento: 00/1940 / Lado: lado A / Rotações: Disco 78 rpm:


Se ela perguntar por mim
Não diga como estou passando
Para ela não zombar
Do meu triste fim
Por favor, você não diga
Que me viu chorando... (bis)

Ela pensa que eu
Estou cheio de felicidade
Mas você está vendo
Que não é verdade...

Mas, por favor, lhe peço
Para ela não saber
E do seu amor
Eu não posso esquecer...

Você há de chorar

Patrício Teixeira
Você há de chorar (samba,  1940) - Amado Régis e Jardel Noronha

Título da música: Você há de chorar / Gênero musical: Samba / Intérprete: Patrício Teixeira / Compositores: Regis, Amado - Noronha, Jardel / Gravadora Victor / Número do Álbum: 34665 / Data de Gravação: 00/1940 / Data de Lançamento: 00/1940 / Lado: lado A / Rotações: Disco 78 rpm:


Você há de chorar, chorar
Chorar mesmo de verdade
Porque quero sorrir
Da sua infelicidade
Porque você zombou
Da minha amizade

Você nunca amou
Não sabe o que é penar
E você nunca chorou a mando
Tem que chorar
Quando a dor de uma paixão
Me obrigar a lacrimar
Você me dirá, então
Que eu tive razão
De chorar...

Silêncio

Odete Amaral
Silêncio (samba, 1939) - Amado Régis

Título da música: Silêncio / Gênero musical: Samba / Intérprete: Odete Amaral / Compositor: Regis, Amado / Gravadora Victor / Número do Álbum: 34495 / Data de Gravação: 00/1939 / Data de Lançamento: 00/1939 / Lado: lado A / Rotações: Disco 78 rpm:


Amor, o morro inteiro
Está chorando de saudade
Porque, você desceu
E foi morar lá na cidade... (bis)

Silenciou o tamborim
A cuíca não canta, emudeceu
Nada mais de alegre existe
Lá no morro tudo é triste
Desde que você desceu...

Amor, o morro inteiro
Está chorando de saudade
Porque, você desceu
E foi morar lá na cidade... (bis)

Já não canta o violão
O batuque também jamais se ouviu
E há luar no morro agora
Tudo sofre, tudo chora
Só porque você partiu...

Princípio de amor

Princípio de amor (samba, 1938) - Amado Régis

Título da música: Princípio de amor / Gênero musical: Samba / Intérprete: J. B. de Carvalho  / Compositor: Regis, Amado / Gravadora Victor / Número do Álbum: 34436 / Data de Gravação: 00/1938 / Data de Lançamento: 00/1939 / Lado: lado B / Rotações: Disco 78 rpm:


O princípio de amor é tão bom
Para quem sabe amar
Mas quando a ingratidão
Cai no coração
Faz chorar e faz penar... (bis)

Todo início de amor
É um momento difícil
Um pedaço bonito da vida
Mas no fim, onde sempre
Aparece a saudade
Há uma felicidade perdida!

Ginga

Odete Amaral
Ginga (samba, 1938) - Amado Régis

Título da música:  Ginga   /   Gênero musical:  Samba  /  Intérprete: Odete Amaral  /  Compositor:  Regis, Amado  /  Gravadora Victor  /  Número do Álbum:  34358   /   Data de Gravação:   00/1938  /  Data de Lançamento: 00/1938  /  Lado:  lado B  / Rotações Disco 78 rpm:

Alma de um povo

Odete Amaral
Alma de um povo (samba, 1938 ) - Amado Régis e Synval Silva

Título da música: Alma de um povo / Gênero musical: Samba / Intérprete: Odete Amaral / Compositores: Regis, Amado - Silva, Sinval / Gravadora Victor / Número do Álbum: 34358 / Data de Gravação: 00/1938 / Data de Lançamento: 00/1938 / Lado: lado A / Rotações: Disco 78 rpm:


Brasileiros: alerta!
O samba que é nossa cantiga
Vai ao mundo percorrer
Já não é mais novidade,
Na verdade
Cantar um samba é um prazer (bis)

Prazer que me ajuda a viver
Sem ter muito bem nem tão mal
O samba que tem só alegria (?)
Que tem qualquer coisa de meu ideal
Cantando um samba me sinto feliz
Porque o samba é
A alma do povo do meu país

Reminiscência triste

A pequena notável
Reminiscência triste (samba, 1937) - Amado Régis

Disco 78 rpm / Título: Reminiscência triste / Autoria: Regis, Amado (Compositor) / Carmen Miranda, 1909-1955 (Intérprete) / Grupo da Odeon (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 1937 / Nº Álbum 11462 / Gravação: 00/1937 / Lançamento: 00/1937 / Lado B / Gênero: Samba /

O meu bangalô abandonado é triste com razão
porque nele habitou alguém que nunca teve coração
Como reminiscência o que êle me deixou
foi um (lindo) canário(inho) que ao sentir
a sua ausência nunca mais cantou (bis)

E olhando o bangalô abandonado e triste
o meu peito não resiste
Chora de saudade,
lembrando a história que ali se passou
do canarinho, que gorjeava e redobrava o canto
daquele amor que era ventura, encanto
e que um dia foi-se embora e nunca mais voltou.

O samba e o tango

A pequena notável
O samba e o tango (samba-tango, 1937) - Amado Régis

Título da música: O samba e o tango / Gênero musical: Samba / Intérprete: Carmen Miranda / Compositor: Regis, Amado / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 11462 / Data de Gravação: 00/1937 / Data de Lançamento: 00/1937 / Lado A / Disco 78 rpm /

Chegou a hora, chegou chegou
Meu corpo treme e ginga qual pandeiro
A hora é boa e o samba começou
E fêz convite ao tango pra parceiro.
Chegou a hora, chegou chegou
Meu corpo treme e ginga qual pandeiro
A hora é boa e o samba começou
E fêz convite ao tango pra parceiro.

"hombre yo no sé porque te quiero
Yo te tengo amor sincero diz a muchacha do prata

Péro no Brasil é diferente yo te quiero simplesmente
Teu amor me desacata.
Habla castellano num fandango
Argentino canta tango ora lento, ora ligeiro
Pois eu canto e danço sempre que possa
Um sambinha cheio de bossa
Sou do Rio de Janeiro.

Madrugada

Bando da Lua
Madrugada (samba, 1936) - Amado Régis e Marcílio Vieira

Título da música: Madrugada / Gênero musical: Samba / Intérpretes: Bando da Lua / Compositores:  Regis, Amado - Vieira, Marcílio  / Gravadora Victor   /  Número do Álbum: 34108   /   Data de Gravação:  00/1936 / Data de Lançamento: 00/1936  /  Lado: lado A  /Rotações: Disco 78 rpm:


Enquanto não romper a madrugada
A cuíca há de roncar
E só daremos fim a batucada
Quando o sol no horizonte despontar
(Quando o sol no horizonte despontar)

E quando é noite enluarada
Cantando sem cansar
E a própria lua erra a morada
Ajuda a batucar...

O sol queixou-se à lua um dia
E humildemente ofereceu
De batucar também queria
Ao menos uma vez...

Meu balão subiu...subiu...

A pequena notável
Meu balão subiu...subiu... (marcha junina, 1936) - Amado Régis e Marcílio Vieira

Título da música: Meu balão subiu...subiu... / Gênero musical: Marcha Junina / Intérprete: Carmen Miranda / Compositores: Regis, Amado - Vieira, Marcílio / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 11361 / Data de Gravação: 00/1936 / Data de Lançamento: 00/1936 /Lado A / Rotações: Disco 78 rpm:

Depositei meus sonhos,
minhas esperanças
nos papéis de um balão
E soltei-o p'rá vê-lo levar
meu pedido a São João

Meu balão subiu, subiu
para o azul da imensidão
E no espaço perdido ficou meu pedido
minha doce ilusão (bis)

Meu balão subiu, subiu,
com o pedido e não voltou
Eu penso que São João leu
e não me respondeu...
meu balão se queimou (bis)

Paga quem deve

A pequena notável
Paga quem deve (samba, 1936) - Amado Régis e Marcílio Vieira

Título da música: Paga quem deve / Gênero musical: Samba / Intérprete: Carmen Miranda / Compositores: Regis, Amado - Vieira, Marcílio / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 11361 / Data de Gravação: 00/1936 / Data de Lançamento: 00/1936 / Lado B / Disco 78 rpm /

Saudade, quanta saudade,
senti do meu amor
que partiu e não voltou
(meu Deus do céu)
E de saudades eu chorei,
mas me conformei
por saber que ele também chorou
(quanta saudade)

Foi ingrato,
saiu sem me dar satisfação
e sem lembrar que com isso
faria uma ingratidão
para comigo,
que sempre lhe quis com fervor
e tudo fiz para conservar nosso amor
(quanta saudade)

Chorei muito
vendo perdido nosso amor
Mas procurei abafar
no peito esta grande dor
Hoje sorrio,
chegou tua vez de sofrer
pois neste mundo ninguém paga sem dever
(quanta saudade).

Amado Régis

Amado Régis (Armando Borges do Reis), compositor, nasceu em Casa Branca SP, em 04/05/1910, e faleceu no Rio de Janeiro RJ, em 12/12/1976. Fez com Marcílio Vieira o samba Paga quem deve e a marcha Meu balão subiu...subiu..., composições gravadas por Carmen Miranda em 1936, na Odeon.

No mesmo ano, seu samba Madrugada, com Marcílio Vieira, foi lançado pelo Bando da Lua na gravadora Victor.

Em 1937, duas composições suas foram lançadas por Carmen Miranda na Odeon: o samba-tango O samba e o tango, e o samba Reminiscência triste.

No ano seguinte, teve dois sambas lançados por Odete Amaral na Victor: Alma de um povo, com Synval Silva, e Ginga. Também em 1938, J. B. de Carvalho gravou na Victor o samba Princípio de amor.

Em 1939, o samba Silêncio foi lançado na Victor por Odete Amaral. Também neste ano, Dircinha Batista gravou em dueto com Castro Barbosa o fox-canção Pé de vento, com Gadé.

Em 1940, o samba Você há de chorar, com Jardel Noronha, foi gravado na Victor por Patrício Teixeira, e o samba Se ela perguntar, com Zé Pretinho, e a marcha-rancho Lenda da rosa vermelha, foram lançadas por J. B. de Carvalho na Odeon. No mesmo ano, Odete Amaral registrou na Victor os sambas A roda do samba e Cheguei... vi... gostei, ambos com Marcílio Vieira.

Em 1942, Odete Amaral gravou na Odeon os sambas Provérbio, com Célio Ferreira e Micróbio do samba, e J. B. de Carvalho também na Odeon, lançou a macumba São Jorge Guerreiro, com J. B. de Carvalho.

Em 1945, Araci de Almeida gravou na Odeon o samba A minha vida, e Elvira Pagã gravou na Continental as marchas E o mundo se distrai e Meu amor és tu, ambas com Gadé e Almanir Grego. Nesse ano, mais três composições suas foram lançadas na Continental: o samba O dono sou eu, com Erasmo de Andrade, na voz de Jorge Veiga, e os sambas Pra que esse espanto? e A estrela brilhou, ambos com J. B. de Carvalho, na voz de J. B. de Carvalho. Foram também registrados os sambas Falta de respeito, com Rodrigues Torres, pelos Milionários do Ritmo com vocal de Marion, Remexe, remexe, com J. B. de Carvalho, por Heleninha Costa, Não faça isso, com Gadé, por Jorge Veiga, Cantora de samba, por Linda Rodrigues, e Eu sou o samba, Presunção e Sai da roda, além da marcha Pato enjeitado, com Américo Seixas, as quatro últimas pela cantora Horacina Correia.

Em 1946, teve o samba-choro Swing no morro, com Felisberto Martins, registrado por Marlene na Odeon, e o samba Acabou-se o confete, com Paquito, lançado por Nelson Gonçalves na Victor. Fez com Catulo de Paula em 1953, o baião Vai comendo Raimundo gravado na Continental por Catulo de Paula.

Em 1954, o samba-canção Franqueza, com Castro Perret, foi gravado pela cantora Joana D'Arc, na Odeon, e o corrido Ladeira do amor, com Graça Batista, foi registrado pelo Trio Nagô e por Francisco Carlos na RCA Victor.

Em 1955, os sambas Baiana de hoje e História de um pracinha foram gravados por Horacina Correia no LP Canções brasileiras da Musidisc, e o samba Nosso samba, com Mauro Miranda, foi lançado pelos Vocalistas Tropicais pela Continental.

No ano seguinte, o fox Biruta, com Castro Perret, foi gravado por Luisinho no LP Vesperal dançante Columbia - Volume 3, sendo registrada depois por Livio Sales e também por Luisinho e Seu Conjunto. Ainda em 1956, Blecaute gravou o samba Cabrocha, com João Bené.

Em 1957, o samba-canção Real conclusão, com Edgardo Luiz, foi gravado por Dóris Monteiro, e a marcha Chegou a hora foi registrada por Waldir Calmon no LP Feito para dançar Nº 7 - Waldir Calmon e Seu Conjunto do selo Rádio.

Em 1958, O samba e o tango (Chegou a hora), foi gravada por Ângela Maria no LP Quando os astros se encontram - Angela Maria e Waldir Calmon lançado pela Copacabana. Nesse ano ainda, a marcha Fogo na marmita, com Monsueto e Aldacir Louro, na interpretação de Marlene foi incluída no LP Carnaval RCA Victor - Volume 1, a marcha Franco atirador, com Monsueto e Oldemar Magalhães, cantada por Odete Amaral, fez parte da coletânea carnavalesca Carnaval - 1958, da Todamérica, e o Hino à mulher, com Luís Antônio, foi gravado por Ted Moreno na Todamérica.

Também em 1958, o samba-enredo Navio negreiro, com Djalma Costa, foi gravado na interpretação de Raul Moreno e Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro no LP Praça Onze não morreu, sendo essa uma de suas composições mais gravadas recebendo relançamentos de Risadinha e Coral Som Livre.

No ano seguinte, Odete Amaral gravou o samba Nada posso fazer. Em 1960, dois de seus sambas foram incluídos no LP Reinado de Momo da gravadora Columbia: Avental de pastora, com Luis Antônio, na voz de João Dias, e Amor alheio, com Monsueto e De Palma, na interpretação de Monsueto. No mesmo ano, o fox Eu vi a noite acabar, com Edgardo Luis, foi gravado pela cantora Sônia Delfino no LP Sônia Delfino canta para a juventude da gravadora Philips, e o samba-canção Hoje é domingo outra vez, com Peterpan, foi registrado por Heleninha Costa.

Em 1961, o batuque A cuíca tá roncando, com J. B. de Carvalho, foi incluído no LP Batuque - J. B. de Carvalho e seus sucessos lançado pela gravadora Philips. No ano seguinte, o forró Não troco minha mulher, com Ari Monteiro, foi lançado pelo sanfoneiro Zé Gonzaga no LP Um pedacinho do Nordeste.

Em 1969, o samba Não precisa me humilhar, parceria com Nelson Cavaquinho, foi gravado por Germano Batista no LP Um sambista 100% da gravadora Copacabana. Em 1970, os sambas Aceito o teu adeus (Não me olhes assim), com Luiz Rocha e Nelson Cavaquinho, e Juro (Que caia sobre mim), com Nelson Cavaquinho, foram gravados no LP Depoimento do poeta lançado por Nelson Cavaquinho.

Em 1978, o samba Leviana, com Zé Keti, fez parte do repertório do LP Minha melhor melodia lançado na RCA Victor pela cantora Eliana Pittman. Em 2002, o samba Falta de consciência, com Célio Ferreira, na voz de Ciro Monteiro foi incluído na coletânea Sambistas de fato - Cyro Monteiro e Aracy de Almeida lançado pelo selo Revivendo.

Teve uma longa carreira que se estendeu de meados da década de 1930 até o começo dos anos 1970. Nesse período teve mais de 60 composições gravadas. Foi parceiro de nomes como Nelson Cavaquinho, Sinval Silva, Paquito, Monsueto, Zé Keti, Gadé e outros e teve músicas gravadas por Carmen Miranda, Odete Amaral, Ciro Monteiro, Nelson Cavaquinho, Heleninha Costa, e outros grandes nomes.


Obra

A cuíca tá roncando (c/ J. B. de Carvalho), A estrela brilhou (c/ J. B. de Carvalho), A minha vida, A roda do samba (c/ Marcílio Vieira), Acabou-se o confete (c/ Paquito), Alma de um povo (c/ Sinval Silva), Amor alheio (c/ Monsueto e De Palma), Avental de pastora (c/ Luis Antônio), Baiana de hoje, Biruta (c/ Castro Perret), Cabrocha (c/ João Bené), Calvário de paixão (c/ Estanislau Silva), Cantora de samba, Chegou a hora, Cheguei...vi...gostei (c/ Marcílio Vieira), Duvidando (c/ Coelho Neto), E o mundo se distrai (c/ Gadé e Almanir Grego), Eu sou o samba, Eu também (c/ Valdemar Crespo), Eu vi a noite acabar (c/ Edgardo Luis), Falta de consciência (c/ Célio Ferreira), Falta de respeito (c/ Rodrigues Torres), Fogo na marmita (c/ Monsueto e Aldacir Louro), Franco atirador (c/ Monsueto e Oldemar Magalhães), Franqueza (c/ Castro Perret), Hino à mulher (Luis Antônio), História de um pracinha, Hoje é domingo outra vez (c/ Peterpan), Ladeira do amor (c/ Graça Batista), Lenda da rosa vermelha, Leviana (c/ Zé Keti), Madrugada (c/ Marcílio Vieira), Mãe D'água (c/ J. B. de Carvalho), Marcha do Mengo (c/ C. Filho e M. Martins), Meu amor és tu (c/ Gadé e Almanir Grego), Meu balão subiu...subiu..., Meu grande amor (c/ Gadé), Micróbio do samba, Nada posso fazer, Não faça isso (c/ Gadé), Não precisa me humilhar (c/ Nelson Cavaquinho), Não troco minha mulher (c/ Ari Monteiro), Navio negreiro (c/ Djalma Costa), Noite fria (c/ Jarbas Assad), O dono sou eu (c/ Erasmo de Andrade), O samba e o tango, Paga quem deve, Pato enjeitado (c/ Américo Seixas), Pé de vento (c/ Gadé), Pra que esse espanto? (c/ J. B. de Carvalho), Presunção, Princípio de amor, Provérbio (c/ Célio Ferreira), Quando a gente fica velho (c/ Linda Rodrigues e Ailce Chaves), Real conclusão (c/ Edgardo Luiz), Remexe, remexe (c/ J. B. de Carvalho), Reminiscência triste, Sai da roda, São Benedito (c/ J. B. de Carvalho), São Jorge Guerreiro (c/ J. B. de Carvalho), Se ela perguntar (c/ Zé Pretinho), Silêncio, Swing no morro (c/ Felisberto Martins), Tragédia no circo (c/ Jarbas Assad), Vai comendo Raimundo (c/ Catulo de Paula), Vai pra casa Luzia (c/ Graciano Campos, Djalma Costa e Raul Moreno), Você há de chorar (c/ Jardel Noronha).

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

Eu tenho uma nega

Jorge Veiga
 Eu tenho uma nega (marcha, 1954) - Gomes Cardim, Manezinho Araújo e David Raw

Título da música:  Eu tenho uma nega / Gênero musical:  Marcha / Intérprete: Jorge Veiga / Compositores: Raw, David - Cardim, Gomes - Araújo, Manezinho / Gravadora Copacabana / Número do Álbum: 5185 / Data de Gravação: 00/1953 / Data de Lançamento: 00/1954 / Lado: lado B /Rotações: Disco 78 rpm:


Eu tenho uma nega
O quê, o quê, o quê?
Uma nega só não chega
O que é que eu vou fazer? (bis)

Ai, quem me dera
Virar do avesso
E cair na gandaia
Com as negas, tudo isso
Ai, quem me dera
Ter cem de uma vez
Uma nega só não chega
Pra quem vem do português (bis)

Saudade do passado

Francisco Alves
Saudade do passado (samba, 1951) - Francisco Alves, David Nasser e Gomes Cardim

Disco 78 rpm / Título da música: Saudade do passado / Autoria: Nasser, David, 1917-1980 (Compositor) / Alves, Francisco (Compositor) / Alves, Francisco (Intérprete) / Regional (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Odeon, 29/01/1951 / Nº Álbum 13100 / Gênero musical: Samba /

Eu estou envelhecendo
De saudade do passado
Choro ao ver nos espelhos
Meus cabelos prateando
Você que está me acabando!

Eu estou envelhecendo
De saudade do passado
Choro ao ver nos espelhos
Meus cabelos prateando
Você que está me acabando!

O que mais me desespera
Não é o medo da saudade
É saber que nos seus braços
Eu perdi a mocidade

Que saudade, que passado
Que destino foi o meu
Quanto eu tenho chorado
Depois que o nosso amor morreu...

O azar é seu

Trio de Ouro - Nilo, Dalva e Heriberto
O azar é seu (marcha, 1948) - Gomes Cardim

Título da música: O azar é seu / Gênero musical:  Marcha  / Intérprete: Trio de Ouro  / Compositor: Cardim, Gomes / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 12834 / Data de Gravação:  00/1947 / Data de Lançamento: 00/1948 / Lado: lado B  /Rotações: Disco 78 rpm:


Me dê a mão direita
Esquerda vou lhe dar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia pra dançar (bis)

Acerta o passo
Pra você não me pisar
Me dê o braço
Para não escorregar

Tome cuidado
Esse pezinho é meu
Se lhe pisaram
O azar é seu! (bis)

Gomes Cardim


Gomes Cardim (Oscar Gomes Cardim), compositor e radialista, nasceu em São Paulo, SP, em 12/3/1907. Filho de um professor e uma jovem de tradicional família paulista, começou a interessar-se pela música ainda criança quando ficava ouvindo seu avô, o maestro João Pedro Gomes Cardim tocar piano.

A partir dos sete anos de idade passou a frequentar a escola Caetano de Campos onde fez os cursos primário e complementar. Aos 14 anos, ingressou na Escola Normal e também no Conservatório Dramático e Musical, começando a estudar violino e logo trocando pelo aprendizado de piano.

Em 1934, interessado em seguir a carreira artística na música popular, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde atuou como radialista tornando-se amigo de inúmeros artistas como Carolina Cardoso de Meneses, Zé Bacurau, Manoel da Nóbrega, Didi Vasconcelos, Albenzio Perrone, Diamantina Gomes, Lauro Borges, Paulo Roberto, Almirante e outros.

Foi fazer uma visita à Rádio Cajuti, na Rua 13 de Maio, centro do Rio de Janeiro, na ocasião em que estava sendo apresentado o programa de calouros dirigido pelo radialista Paulo Bevilaqua. Sentou-se inadivertidamente na primeira fila, reservada aos calouros do programa e acabou sendo chamado para ir ao microfone. Mesmo sem ter preparado nenhuma apresentação resolveu aproveitar a chance, dizendo vir de São Paulo. No microfone, disse que sabia contar piadas, declamar, tocar piano e cantar paródias. Depois de sua apresentação, a Rádio recebeu inúmeros telefones de elogios à sua apresentação.

Quem também muito apreciou seus dotes artísticos foi um representante da firma Irmãos Guimarães, proprietária da Casa Lotérica Esquina da Sorte, que lhe ofereceu um contrato de patrocínio para a apresentação de um programa diário na Rádio Educadora do Brasil com o título de "Programa da cidade".

Atuou ainda em outras Rádios como a Ipanema e Transmissora Brasileira, posteriormente Rádio Globo, na qual permaneceu por nove anos. Em seus programas foram lançados nomes como Emilinha Borba, Zé da Zilda, Jorge Veiga, e Caçulinha. Entre outros, criou o programa "A Hora do sentenciado", transmitido diretamente da casa de correção com a participação e colaboração dos detentos.

Como compositor passou a ter músicas gravadas a partir da década de 1940. Em 1944, fez com Felisberto Martins o vira Vira, vira Maria! gravado pelo cantor Manoel Monteiro na Odeon. No mesmo ano, teve a marcha Canto da pátria gravada pelo Coro de Cadetes da Escola Militar de Realengo e pela Banda da Escola Militar de Realengo.

Em 1945, teve o fado-canção Pátria distante gravado por Manoel Monteiro e a valsa Alguém que sofre, com Felisberto Martins, lançada pelo cantor Ruy de Almeida, ambas na Odeon. Em 1947, a marcha O azar é seu foi gravada pelo Trio de Ouro na Odeon. Em 1948, teve a marcha Não me falte a lua, com Fernando Martins, e o samba Você chorou, com Noel Vitor, gravadas por Wilson Roberto na Odeon. No mesmo ano, os Trigêmeos Vocalistas registraram a marcha Eta cabrocha boa, com Felisberto Martins, também na Odeon.

Fez sucesso nos anos 1950 com a valsa Onde está ele?, e com a marcha-rancho Meu São João, parcerias com Lêla. Em 1951, a valsa Seremos felizes, com Lela e Airton Amorim foi gravada por Francisco Carlos na RCA Victor, e a valsa Saudade do passado, com David Nasser e Francisco Alves foi lançada pelo Rei da Voz.

Teve gravado por Joel e Seu Ritmo Alegre a marcha Coisa louca, com Carvalhinho, em 1952. No mesmo ano, Paulo Fernandes gravou a marcha Quero, quero, com Lola Cardim. Em 1953, a cantora Leni Caldeira gravou na RCA Victor o samba-canção Ingratidão, com José Roy, e o cantor Wilson Roberto registrou, também na RC A Victor, o bolero Maria José, com Wilson Roberto. No mesmo ano, teve quatro composições lançadas pelo cantor Valdemar Roberto pela Sinter: os sambas O tempo dirá, Nosso destino e Conselho de amigo, e a valsa Não zombe da vida.

Para o carnaval de 1953, foram gravados por Alcides Gerardi a marcha Toca o bonde, com Ramalho Neto e Moisés Cardoso, e o samba Uma saudade e um adeus, com Rubens Campos e Lela Cardim, e pela Dupla de Ouro, o samba Nas mãos de Deus e a marcha Eu quero é chacoalhar.

Em 1954, Valdemar Roberto gravou o samba É tarde demais..., e o grupo Galãs do Ritmo lançou a marcha Brotinho, com Lela Cardim. No mesmo ano, Francisco Egídio gravou o samba Terra Bandeirante e o dobrado São Paulo das bandeiras, e Sônia Maria Dorse lançou a mazurca Minha infância e o poema Coração do Brasil, essas duas, parcerias com Lela Cardim.

Em 1957, o samba Retalhos de felicidade foi lançado na gravadora Copacabana pelo cantor Francisco Magno, e a valsa De joelhos te imploro foi gravada na Odeon por Mário Martins. Na mesma gravadora, a Banda Pacaembu e coro gravou a marcha Brazão preto e branco, com Jaime Moreira Filho.

Em 1958, ingressou na TV Paulista, posteriormente TV Globo, na qual permaneceu por seis anos como Diretor Musical, produtor e diretor de programas. Mudou-se depois para a cidade de Santos, São Paulo, onde assumiu a direção da Rádio Clube de Santos na qual durante seis anos produziu e dirigiu programas. Ainda em 1958, Dalva de Oliveira gravou a marcha Belezas do Rio, com Lela Cardim, Francisco Egídio o samba Greve de amor, com Antoninho Lopes, e Isaura Garcia o samba Eu jurei por Jesus, com José Roy, as três na Odeon.

Em 1963, sua Valsa das crianças, foi gravada por Gilberto Alves no LP Gilberto Alves de sempre nº 2 da gravadora Copacabana. Para o carnaval de 1965, compôs com Mirabeau e S. Lima a Marcha do pau d'água.

Obra

Adhemar, Alcebiades, Alguém que sofre (c/ Felisberto Martins), Arrelia, As armas, Bandinha na roça (c/ Lela Cardim), Bate bate coração (c/ Noel Vitor), Belezas do Rio (c/ Lela Cardim), Brasão preto e branco, Brotinho, Cabeça de repolho, Cala a boca Juvenal, Cançado de sofrer, Canto da pátria, Chegando a velhice, Coisa louca (c/ Carvalhinho), Colombina (c/ Nilo Silva), Cometa, Conceição, Conselho de amigo, Coração do Brasil, Coroa (c/ Lela Cardim), Covarde, De joelhos te imploro, É tarde demais, És tu Brasil (c/ Guio de Morais), Eta cabrocha boa (c/ Felisberto Martins), Eu e a lua, Eu jurei por Jesus (c/ José Roy), Eu quero é chacoalhar, Eu tenho uma nega (c/ Manezinho Araújo), Eu vi você, Fala a verdade (c/ Lela Cardim), Fuzarca, Gaivota das crianças (c/ Lela Cardim), Greve de amor (c/ Antoninho Lopes), Implorar a Deus, Ingratidão (c/ José Roy), Já era, Jardim dos beijos, Mãezinha (c/ Lela Cardim), Magui, Maravilha da nossa terra, Marcha da vitória, Marcha do Zé (c/ Celso Teixeira), Maria José, Maria Thereza, Maria...tome cuidado, Melodia siciliana, Meu passado, Meu ranchinho (c/ Lela Cardim), Meu sambinha (c/ Lela Cardim), Meu São João (c/ Lela Cardim), Minha infância (c/ Lela Cardim), Minha prece, Minha saudade (c/ Lela Cardim), Não é mulher (c/ Noel Vitor), Não me falte a lua (c/ Fernando Martins), Não zombe da vida, Não, não, não, Nas mãos de Deus, Nem bem nem mal (c/ Noel Vitor), Nenem (c/ Noel Vitor), Nossa resposta, Nosso destino, O azar é seu, O bobo é o maior (c/ Noel Vitor), O bom é gingar (c/ Lela Cardim), O que será, O retrato do Biriba, O tempo dirá, Passe bem mal, Pátria distante, Periquito no puleiro, Peruibe, Piolim, Pode o mundo acabar (c/ Lela Cardim), Praia Grande, Pregão de sorveteiro, Procurando eu (c/ Lela Cardim), Pula-pula, Quem não chora (c/ Felisberto Martins), Quero quero (c/ Lela Cardim), Rei dos picadeiros, Retalhos de felicidade, São Paulo das Bandeiras, Saudade do passado (c/ David Nasser e Francisco Alves), Segredo de amor, Segredo do mar, Senhor, Sereia (c/ Lela Cardim), Seremos felizes (c/ Lela Cardim), Simplício (c/ Lela Cardim), Sou de alguém, Sou Tupiniquins (c/ Lela Cardim), Tá no bolso de alguém (c/ Noel Vitor), Terra Bandeirante, Thomé, Toca o bonde, Tristeza de Pierrot (c/ Lela Cardim), Um adeus (c/ Lela Cardim), Uma saudade e um adeus (c/ Lelo e Rubens Campos), Valsa das crianças, Valsa das crianças (c/ Lela Cardim), Vida de pobre, Vila Magestosa (c/ Mário Rossi), Vila Magestosa (c/ Lela Cardim), Vila mirim (c/ Lela Cardim), Vira...vira Maria (c/ Felisberto Martins), Você chorou (c/ Noel Vitor), Vou-me embora (c/ Lela Cardim e Pilo).

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular do Brasil.

Ruy de Almeida

Ruy de Almeida, cantor e compositor, nascido em Petrópolis, RJ, começou sua carreira na Rádio Nacional quando venceu um concurso de calouros comandado por Almirante.

Em 1943 gravou seu primeiro disco pela Odeon, interpretando o samba As américas unidas, unidas vencerão!, de Jorge de Castro e Henrique Gonçalez, e o fox Glória!..., de sua autoria e Júlio Casado.

Em 1945, gravou com a cantora Maria Carmen a valsa Canção de amor de Reinaldo, de S. Fain, I. Kahm e versão de Haroldo Barbosa. No mesmo ano, gravou de Pedro Caetano e Pernambuco o samba Um novo sol pode surgir e de Gomes Cardim e Felisberto Martins a valsa Alguém que sofre.

São de 1948 as gravações da valsa Eu e a Teresinha, de Peterpan e do samba Adeus. No mesmo ano, a marcha O grande sultão, de sua autoria e Delamare foi gravada na Star pela cantora Olivinha Carvalho.

Em 1950, Elisete Cardoso gravou de sua autoria e Arnô Provenzano o samba A mentira acaba, pela Todamérica. Ainda em 1950, compôs com Antônio Almeida Minha mão à palmatória, samba gravado por Orlando Correia, também na Todamérica.

Em 1951, gravou o samba Macaé, de sua autoria e Braga Filho e, de sua autoria, a valsa Vamos brincar de amor. Em 1953, foram gravados o samba Itaipuaçu, de Alberto Ribeiro e o bolero Nunca mais, de sua autoria .

Em 1954, Roberto Paiva gravou o samba O maior espetáculo da terra, parceria com Guido Medina e a valsa Boas Festas, parceria com Guido Medina.

Como cantor, gravou na Odeon, na Todamérica e na Star. Em 1958, Alcides Gerardi regravou a valsa Boas festas. 

Algumas músicas

Alguém que sofre
As américas unidas, unidas vencerão!
Boas Festas
Glória!...
Itaipuaçu
Macaé
Nunca mais
Um novo sol pode surgir
Vamos brincar de amor

Obra

A mentira acaba (c/ Arnô Provenzano), Boas festas (c/ Guido Medina), Glória!... (c/ J. Casado), Macaé (c/ Braga Filho), Minha mão à palmatória (c/ Antônio Almeida), Nunca mais, O grande sultão (c/ Delamare), O maior espetáculo da terra (c/ Guido Medina), Vamos brincar de amor.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira; Bibliografia Crítica: AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

Alguém que sofre

Ruy de Almeida
Alguém que sofre (valsa, 1945) - Gomes Cardim e Felisberto Martins

Título da música:  Alguém que sofre / Gênero musical:  Valsa  / Intérprete: Ruy de Almeida / Compositores: Martins, Felisberto - Cardim, Gomes / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 12623 / Data de Gravação:  00/1945 / Data de Lançamento:  00/1945 / Lado:  lado B  /  Rotações:  Disco 78 rpm:


O amor / Sublime encantamento
O amor / Pelo deslumbramento
Mas o amor / Que dominou meu coração
Me desprezou / Deixando só recordação

Chorei / Chorei desiludido
Ausência / De um grande amor perdido
Esse meu pranto / Minh'alma orvalhou
Sinto saudade desse amor que não voltou

A dor / Do amor
Aqui ficou para eu lembrar
De alguém / Que só me fez sofrer
Mas esse alguém / A mesma dor
Sofre talvez...

Um novo sol pode surgir

Ruy de Almeida
Um novo sol pode surgir (samba, 1945) - Pedro Caetano e João Pernambuco

Título da música:  Um novo sol pode surgir  /  Gênero musical:  Samba  / Intérprete:  Ruy de Almeida / Compositores: Caetano, Pedro - Pernambuco, João / Gravadora Odeon / Número do Álbum:  12623 / Data de Gravação:  00/1945 / Data de Lançamento: 00/1945 / Lado:  lado A / Rotações: Disco 78 rpm:


Feche a janela da desilusão
Encha o teu pranto, levante o olhar
Numa surpresa, o seu coração
A felicidade é capaz de voltar...

Não fique à margem da vida a sofrer
Fuja da tristeza, procure sorrir
Não deixe a dor lhe envolver
Que um novo sol pode ainda surgir...

Nas tempestades cruéis desta vida
É sempre a batida a barquinha menor
As almas frágeis tem a mesma sorte
Reaja, que o forte resiste melhor!...

Eu também vi, certo dia, vagando
Perdido, chorando, o meu coração
Mas acreditei no que a fé me dizia:
"Calma! Que um dia terás salvação!"

Glória!...

Ruy de Almeida
Glória!... (fox, 1943) - Júlio Casado e Ruy de Almeida

Título da música:  Glória!... / Gênero musical:  Fox  / Intérprete:  Almeida, Rui de / Compositores:  Casado, Júlio - Almeida, Rui de / Gravadora Odeon  / Número do Álbum: 12381  / Data de Gravação:  00/1943 / Data de Lançamento:  00/1943  / Lado:  lado B  / Rotações:  Disco 78 rpm:


Tu és a glória / És a história
Do meu poema / Que fala do céu
Da terra e do mar...

No teu semblante / Tão sonolento
Sem querer fui encontrar / Afeição que foi morar
Meu sincero pensamento...

Com teus cabelos / Vivo a sonhar
E nos teus olhos / Parece que tem
A luz do luar...

Pensando em ti / Sinto a ilusão
De uma cascata Onde se afoga
O meu coração...

As américas unidas, unidas vencerão!

Ruy de Almeida
As américas unidas, unidas vencerão! (samba. 1943) - Jorge de Castro e Henrique Gonçalez

Título da música:  As américas unidas unidas vencerão! / Gênero musical:  Samba  / Intérprete: Ruy de Almeida / Compositores:  Gonçalez, Henrique - Castro, J / Gravadora Odeon / Número do Álbum: 12381 / Data de Gravação:  00/1943  /  Data de Lançamento:  00/1943  / Lado:  lado A /  Rotações: Disco 78 rpm:


Vamos cantar pra exaltar
As forças do ar, da terra e do mar...!
É o dever quem chama
À mim, à ti e a todos nós
E pra mim é uma glória...!

Vamos cantar pra exaltar
As forças do ar, da terra e do mar...!
Todos numa só voz cantarão:

As américas unidas / Unidas vencerão...!
As américas unidas / Unidas vencerão...!

Brasil, heróico é o teu passado
Maior será a tua glória
Aqui estou atendendo ao teu chamado
Pra lutar, vencer ou morrer
Pela tua vitória...!

Boas Festas

Ruy de Almeida
Boas festas (valsa, 1954) - Ruy de Almeida e Guido Medina

Título da música:  Boas festas / Gênero musical:  Valsa / Intérprete: Roberto Paiva / Compositores:  Medina, Guido - Almeida, Rui de / Gravadora Odeon  /  Número do Álbum: 13751  / Data de Gravação:  00/1954 / Data de Lançamento:  00/1954  /  Lado:  lado B  / Rotações:  Disco 78 rpm:


Boas Festas , meu amor
Nesta noite de Natal
Te ofereço esta valsa, querida
Meu amor, minha vida

Boas Festas, te desejo
Nesta valsa, que leva o meu beijo
É um presente que vem lá do céu
Meu presente de Papai Noel!

Itaipuaçu

Ruy de Almeida
Itaipuaçu (samba-canção, 1953) - Alberto Ribeiro

Disco 78 rpm / Título da música: Itaipuaçu / Autoria: Ribeiro, Alberto, 1902-1971 (Compositor) / Ruy de Almeida (Intérprete) / Orquestra (Acompanhante) / Imprenta [S.l.]: Todamérica, 25/06/1953 / Nº Álbum 5331 / Lado A / Lançamento: 08/1953 / Gênero musical: Samba /

Um pedaço de céu e de mar
Itaipuaçu...!
Num recanto da praia ao luar
Dentro dele a sonhar
Eu e tu...!


Nós dois
Caminhando às areias de cristal
Nós dois
Vamos ser bem felizes, afinal


E ouviremos o mar sem rancor
Repetir:
Meu amor, meu amor...!

Macaé

Ruy de Almeida
Macaé (samba-canção, 1951) - Ruy de Almeida e Braga Filho

Título da música: Macaé / Gênero musical: Samba / Intérprete(s): Almeida, Rui de / Compositor(es): Braga Filho - Almeida, Rui de / Gravadora: Todamérica / Número do Álbum: 5076 / Data de Gravação: 00/1951 / Data de Lançamento: 00/1951 / Lado: lado B / Rotações: Disco 78 rpm:


Macaé, Macaé!
Tu és a princesa dos contos de fada
Vestida de azul anil, Macaé!
Teu rio ondulante
É um raro brilhante
Em teu corpo gentil

Teu jardim é uma linda esmeralda
Que põe em beleza
O teu porte de flor
Por isso te rendo homenagem
Princesa dos mares
Meu sonho de amor!

E quando nas noites de lua
Te vejo nos montes
Alegre e feliz
Te abraço com todo o carinho
Ò linda princesa do meu país!