sábado, maio 07, 2011

Boi da cara preta

Zuzuca
Boi da cara preta (samba/carnaval, 1974) - Zuzuca

Eu não chorei
Porque não sei chorar
Nem reclamei
Porque não sou de reclamar

Só exaltei
Eneida, amor e fantasia
Cantei entrudo
Zé Pereira e o Rei da Folia

Boi boi boi
Boi da cara preta
Pega essa criança
Que tem medo de careta

Limoeiro é limoeiro
E uma flor é uma flor
Batuqueiro é batuqueiro
Cantador é cantador

Vela inteira
Não me ilumina
Cotoco de vela
Que me iluminar

Chuva grossa
Não me molha
Sereno quer me molhar
Meu sinhô

Alvorecer



Alvorecer (samba, 1974) - Délcio Carvalho e Dona Ivone Lara

Olha como a flor se acende
Quando o dia amanhece
Minha mágoa se esconde
A esperança aparece
O que me restou da noite
O cansaço, e a incerteza
La se vão na Beleza deste lindo alvorecer

E este mar em revolta que canta na areia
Tal a tristeza que trago e minhalma canteia
Quero solução sim.. pois quero cantar
Desfrutar desta alegria
Que só me faz despertar do meu penar
E este canto bonito que vem da alvorada
Não é meu grito aflito pela madrugada
Tudo tão suave.. liberdade em cor
O refúgio da alma vencida pelo desamor


Festa do Divino



A festa do Divino (samba-enredo/carnaval, 1974) - Tatu, Nozinho e Campo

Delira meu povo
Nesse festejo colossal
Vindo de terra distante
Tornou-se importante, tradicional

Bate tambor, toca viola
A bandeira do Divino vem pedir a sua esmola

Um badalar do sino anuncia
A coroação do menino
Batuqueiro, violeiro e cantador
Alegram o cortejo do pequeno imperador
Leiloeiro faz graça com a prenda na mão
A banda toca com animação
Oh, que beleza
"A Festa do Divino"
Cores, músicas e danças
E fogos explodindo

Roda gira, gira roda
Roda grande vai queimar
Para a glória do Divino
Vamos todos festejar.