sexta-feira, janeiro 13, 2012

Sérgio Natureza

Sérgio Natureza (Sérgio Roberto Ferreira Varela), letrista, poeta e compositor, nasceu no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, em 13/1/1947, e passou a infância no Engenho Novo e a adolescência em Vila Isabel. O prédio em que morava foi construído no local da antiga casa de Noel Rosa. O interesse pela poesia veio com a herança paterna. O pai escrevia poemas e assinava Sérgio Roberto, chegando a lê-los em uma emissora de rádio em Curitiba, onde fazia eventuais locuções no período em que a família residiu na cidade. Os pais sempre o incentivaram às artes. Estudou piano clássico quando menino.

Na faculdade, acompanhou atento os movimentos e os festivais. No final dos anos 60 foi para a Europa, em razão de várias circunstâncias, como a perda da mãe, o descontentamento com a faculdade, a prisão de amigos nos quartéis da ditadura e no DOPS. Em Paris, conheceu Torquato Neto, tornando-se seu amigo. Em Londres, encontrou Gilberto Gil, Caetano Veloso e outros artistas exilados.

Em 1976, começou uma parceria com Paulinho da Viola. O próprio Paulinho gravou Vela no breu em seu disco Memórias: cantando, no qual Sérgio Natureza participou do coro em duas faixas. A música tornou-se título do show de Paulinho da Viola no Teatro Casa Grande, dirigido por Fernando Faro. No ano seguinte, João Bosco o apresentou a Tunai, com quem compôs centenas de músicas, entre elas As aparências enganam, um dos maiores sucessos da dupla e Agora tá, ambas interpretadas por Elis Regina.

Em 1978, Fafá de Belém gravou no LP Banho de cheiro a música Se eu disser (c/ Tunai). No ano seguinte, Cátia de França interpretou Ensacado, parceria de ambos, no LP 20 palavras ao redor do sol. Neste mesmo ano, Lourenço Baeta gravou pela Continental Discos um LP, no qual constaram três parcerias da dupla (Lourenço e Sergio): Entre aspas, Luz e sombra e Vapor da traição.

Em 1982, participou do Festival MPB Shell, da Rede Globo, obtendo o 3º lugar com a música Doce mistério (c/ Tunai), defendida por Jane Duboc. Neste mesmo ano, Sérgio Sampaio gravou Cabra cega, parceria de ambos, no LP Sinceramente e Tunai Olhos do coração, mais tarde regravada por Sérgio Mendes, em versão intitulada Nightlife e por Willie Colón, na versão Ellos. No ano seguinte, Simone lançou o LP Delírios e delícias no qual constaram de sua autoria Depois das dez e Só de amor, ambas em parceria com Tunai.

Em 1984, Gal Costa gravou Olhos do coração e Eternamente (c/ Tunai e Liliane), esta última foi tema de novela da Rede Globo e de um dos programas "Caso Especial" da mesma emissora, sendo ainda tema de encerramento da peça "De braços abertos", com Irene Ravache e Juca de Oliveira.

No ano de  1992, publicou poemas na "Antologia da Nova Poesia Brasileira" organizada por Olga Savary para a Editora Hipocampo/Rio Arte. Em 1994, ganhou prêmio na categoria "Poesia" com a trilogia "Caricas I, II e III" no "Concurso Stanislaw", da Rio Arte.

m 1993, Amélia Rabello interpretou Chama do samba, parceria com Cristóvão Bastos, no disco Saravá Brasil, lançado no Japão pela gravadora Tartaruga/Omagatoki. No ano de 1995, Mônica Salmaso e Renato Braz interpretaram Luzes da mesma luz, parceria com Eduardo Gudin incluída no CD do parceiro. No ano de 1996 Rosa Passos gravou Gesto, parceria de ambos no CD Pano pra manga, pela gravadora Velas.

Em 1997, no disco Bebadosamba, Paulinho da Viola acompanhado do grupo Época de Ouro, gravou Mar grande, parceria de ambos. Neste ano, lançou seu primeiro livro de poesias, O Surfista no Dilúvio, pela Editora Sette Letras, livro no qual condensou mais de 20 anos de trabalho poético, figurando comentários de Paulo César Pinheiro, Hermínio Bello de Carvalho, José Carlos Capinam, Chico Caruso e Paulinho da Viola.

No ano de 1998, produziu para a MZA/PolyGram o CD Balaio do Sampaio, em homenagem à obra do compositor e parceiro Sérgio Sampaio. O disco reuniu João Nogueira, João Bosco, Elba Ramalho, Zizi Possi, Chico César, Zeca Baleiro, Erasmo Carlos, Jards Macalé, Luiz Melodia, Renato Piau, Eduardo Dusek, Lenine e o próprio Sérgio Sampaio em gravação acrescida de instrumentos e remasterizada de seu maior sucesso, Eu quero é botar o meu bloco na rua.

No ano de 1999, Lenine gravou Na pressão, parceria com Lenine e Bráulio Tavares, que deu nome ao disco e ao show homônimo com lançamento no Canecão, viajando em seguida por todo o Brasil e Europa.

No ano 2000, Rosa Passos gravou no disco Morada do samba duas parcerias de ambos: Nada igual e Marco, esta última anteriormente interpretada por Rosa Maria. Em 2001, Simone Guimarães interpretou Virada pra lua, parceria de ambos no CD de mesmo nome e Guinga, no CD Cine Baronesa, gravou Nem mais um pio, parceria de ambos.

Em 2002, pela gravadora BMG, Lenine lançou o CD Falange canibal, disco no qual interpretou Encantamento (Lenine e Sergio Natureza), faixa que contou com a participação de Roberto Frejat. Ainda neste disco, Lenine regravou Caribantu tendo como convidado nesta música a Velha-Guarda da Mangueira. Ainda neste ano foi lançado o livro Velhas histórias, memórias futuras (Editora Uerj) de Eduardo Granja Coutinho, no qual o autor faz referências ao poeta.

No ano de 2003, Fagner e Zeca Baleiro interpretaram Azulejos, parceria de Fagner, Zeca Baleiro e Sérgio Natureza, no disco Raimundo Fagner & Zeca Baleiro, lançado pela gravadora Indie Records. Neste mesmo ano fez a direção artística dos projetos "Prêt-à-Porter", que apresentou novos valores da MPB no Teatro Café Pequeno e Projeto Novo Canto, que lançou novos nomes da MPB no Teatro do Sesc de Copacabana. Ainda em 2004 fez a direção artística do show de lançamento do Selo Sesc-Rio no Canecão.

No ano de 2005 lançou o CD Um pouco de mim - Sergio Natureza e amigos, pelo Selo SescRio.Som, no qual fez a locução da letra As aparências enganam, tendo como pano de fundo o piano de Keco Brandão e ainda a voz de Elis Regina em vinheta da música, parceria com Tunai.

Em 2008 fez a direção geral do projeto musical "Interseções - Sons no limiar entre o clássico & o popular", apresentado na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro, no qual se apresentaram diversos artistas: Marcos Sacramento, Luis Flávio Alcofra, Ná Ozzetti, Dante Ozzetti, Ivan Villela, Mônica Salmaso, André Mehmari, José Miguel Wisnik, Arthur Nestrovski, Jussara Silveira e o pianista italiano Stefano Bollani.

Em 2009 relançou dois livros de poesias pela Editora Booklink: O Surfista no Dilúvio e Minimal Necessário. Fez a produção do show Bollani Carioca, do pianista e compositor italiano Stefano Bollani, no Teatro Sesc Ginástico, no Rio de Janeiro.

Entre 2004 e 2010 trabalhou como Diretor de Programação da Rádio NacionalAM, do Rio de Janeiro. Neste mesmo ano de 2010 fez a curadoria do projeto "Ecos da Cidade", na Sala Fuanrte Sidney Miller, no Rio de Janeiro.

Dentre suas mais de 250 músicas gravadas estão Vela no breu, regravada por vários artistas como Marcos Sacramento, Jards Macalé e Clara Sandroni. Entre seus vários intérpretes constam Nana Caymmi, Zizi Possi, Emílio Santiago, Ivan Lins, Leila Pinheiro, Selma Reis, MPB-4, Tim Maia e Simone Guimarães. Entre seus parceiros estão Luiz Melodia, Marcos Lima, Elton Medeiros e Sérgio Sampaio, sendo o único parceiro a ser gravado por ele, nas músicas O teto da minha casa e Velho bode, esta última mais tarde regravada por Eduardo Dusek no CD Balaio do Sampaio.

Obra

À cores (c/ Tunai), À deriva (c/ Fernando Gama), À margem (c/ Paulo Baiano), Adeus à dor (c/ Tunai), Agora tá (c/ Tunai), Água e cloro (c/ Luiza Maria), Alarme falso (c/ Eduardo Santana), Além do prazer (c/ Tunai), Aluvião (c/ Délia Ficher), Amigos de infância (c/ Tunai), Amor ao ofício (c/ Zé Luiz Mazziotti), Amor é de lei (c/ Paulinho da Viola), Animal tropical (c/ Tunai), Anúncio classificado (c/ Eduardo Gudin), Arcos da Lapa (c/ Renato Piau), As aparências enganam (c/ Tunai), As moças (c/ Cristóvão Bastos), Azulejos (c/ Fagner e Zeca Baleiro), Bastante (c/ Zé Luiz Mazziotti), Bate-pronto (c/ Sérgio Souto), Bateia (c/ Ernesto Pires), Bela (Marcos Leite), Benvinda (c/ Eduardo Bentes), Boas novas (c/ Fábio), Brancas e pretas (c/ Paulinho da Viola), Cabra cega (c/ Sérgio Sampaio), Caracane (c/ Paulo Baiano), Caribantu (c/ Lenine), Caricas I (c/ Antonio Saraiva), Caricas II (c/ Antonio Saraiva), Caricas III (c/ Antonio Saraiva), Chama do samba (c/ Cristóvão Bastos), Chapeú velho (c/ Raymundo Rolim), Cobaia (c/ Herman Torres), De próprio punho (c/ Moacyr Luz), De surpresa (c/ Tunai), Dentro do olhar (c/ Octávio Burnier), Depois das dez (c/ Tunai), Descompassado sim (c/ Rubens Cardoso), Devoluto (c/ Kléber Albuquerque), Dez costados (c/ Daniel Tochterman), Diamante negro (c/ Filó), Doce ato (c/ Eduardo Gudin), Doce ilusão (c/ Tunai), Doce mistério (c/ Tunai), Doido de amor (c/ Sérgio Souto), Dois em dois (c/ Sérgio Souto), É bom e eu gosto (c/ Moacyr Luz), Em cartaz (c/ Tunai), Em chamas (c/ Tunai), Encantamento (c/ Lenine), Ensacado (c/ Cátia de França), Entre aspas (c/ Lourenço Baeta), Éramos três (c/ Tunai), Espelhado (c/ Paulo Baiano), Eternamente (c/ Tunai e Liliane), Eu gosto (c/ Moacyr Luz), Falando em ti (c/ Tunai), Farra (c/ Tunai), Favo de mel (c/ Fernando Gama), Faz tempo (c/ Célia Vaz), Fé na vida (c/ Tunai), Feliz (c/ Tunai), Fera ferida (c/ Herman Torres), Férias (c/ Renato Piau), Fogo na mistura (c/ Tunai), Frisson (c/ Tunai), Fruto e flor (c/ Sérgio Souto), Gato por lebre (c/ Renato Piau), Gesto (c/ Rosa Passos), História renovada (c/ Ivor Lancelotti), Iluminar (c/ Tavinho Bonfá), Indiazinha (c/ Célia Vaz), Interior (c/ Flávio Venturini), Interiores (c/ Cristóvão Bastos), Jús (c/ Sérgio Souto), Lá e cá (c/ Lenine), Lembre-se (c/ Tunai), Linda star (c/ Luiza Maria), Luz e sombra (c/ Lourenço Baeta), Luzes da mesma luz (c/ Eduardo Gudin), Madrepérola (c/ Luiza Maria), Maná (c/ Lenine), Mar à vista (c/ Reizilan e Márcio Mello), Mar grande (c/ Paulinho da Viola), Marco (c/ Rosa Passos), Maria dos tempos (c/ Lourenço Baeta), Mau passo (c/ Sérgio Souto), Mil corações (c/ Fernando Gama), Mil maravilhas (c/ Tunai), Mil velas (c/ Sérgio Souto), Minorias (c/ Filó), Miss mesmice (c/ Lenine), Molimbow (c/ Luiz Melodia - inédita), Música e letra (c/ Luiza Maria), Música maravilha (c/ Tunai), Na hora exata (c/ Tunai), Na pressão (c/ Lenine e Bráulio Tavares), Nada igual (c/ Rosa Passos), Nadando no seco (c/ Tunai), Não faz assim (c/ Tunai), Nem mais um pio (c/ Guinga), No ar (c/ Tunai e Lula Queiroga), No camarim (c/ Tunai), No pedaço (c/ Moacyr Luz), Noites de cetim (c/ Herman Torres), Nova edição (c/ Elton Medeiros), Noves fora (c/ Nico Rezende), Numa noite (c/ Rique Pantoja), Numas (c/ Tunai), O amor falou (c/ Zé Luiz Mazziotti), Ô de casa (c/ Simone Guimarães), O que tem de ser (c/ Eduardo Gudin), O teto da minha casa (c/ Sérgio Sampaio), Óia o Rappa (c/ Lenine), Olhos do coração (c/ Tunai), Ônix (c/ Elton Medeiros), Parceiro do sol (c/ Eduardo Gudin), Pelo menos (c/ Zé Luiz Mazziotti), Pelos vinte (c/ Paulinho da Viola), Perdão (c/ Tunai), Perguntas no ar (c/ Tânia Bicalho), Por todos os cantos (c/ Tunai), Porfia (c/ Lenine), Poucas e boas (c/ Zé Luiz Mazziotti), Pra não chorar (c/ Tunai), Pra sempre (c/ Tunai), Pra ser feliz (c/ Tunai), Prato do dia (c/ Tunai), Prefácio (c/ Lourenço Baeta), Quem mandou (c/ Tunai), Rascante (c/ Sérgio Castro), Revoando (c/ Herman Torres), Roda morta (c/ Sérgio Sampaio), Rubi grená (c/ Nonato Luiz), Saudade (c/ Herman Torres), Se eu disser (c/ Tunai), Sem depois (c/ Sérgio Castro), Sem teto (c/ Sérgio Castro), Sem volta (c/ Rique Pantoja), Sempre na mira (c/ Tunai), Sempre viva (c/ Tavinho Bonfá), Silencioso (c/ Paulo Baiano), Sina de cantor (c/ Tunai), Sinais (c/ Zé Luiz Mazziotti), Sintonia (c/ Tunai), Só de amor (c/ Tunai), Somos (c/ Yorio da Costa), Super flipper (c/ Wilson Botelho), Sutilezas (c/ Rosa Passos), Tão assim (c/ Cristóvão Bastos), Tez (c/ Simone Guimarães), Tinha de ser (c/ Tunai), Toda palavra (c/ Ivor Lancelotti), Toda vida que tiver (c/ Tunai), Todos os tons (c/ Tunai), Traços finos (c/ Nico Rezende), Traição (c/ Tunai), Trovoada (c/ Tunai), Tudo de bom (c/ Tunai), Tudo em cima (c/ Tunai), Tudo, tudo (c/ Tavinho Bonfá), Último lance (c/ Paulinho da Viola), Um blues (c/ Tunai), Um breve adeus (c/ Leandro Braga), Valeu (c/ Tunai), Vapor da traição (c/ Lourenço Baeta), Vela no breu (c/ Paulinho da Viola), Velho bode (c/ Sérgio Sampaio), Vertigem (c/ Simone Guimarães), Vice-versa (c/ Filó), Virada pra lua (c/ Simone Guimarães), Você e eu (c/ Tunai), Voltando pra casa (c/ Tunai).

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB

quinta-feira, janeiro 12, 2012

Tunai

Tunai (José Antônio de Freitas Mucci), cantor e compositor, nasceu em Ponte Nova, MG, em 13/11/1950. Com a mãe (Dona Lilá, criadora e participante de um grupo de seresta, no qual tocava violino e manteve um coral de 40 vozes), aprendeu as primeiras noções de música. A irmã (Auxiliadora) foi crooner no clube de Ponte Nova. Irmão do também cantor e compositor João Bosco.

Em 1977, João Bosco o apresentou ao letrista Sérgio Natureza, com quem viria mais tarde a produzir boa parte de sua obra e seus maiores sucessos.

Estreou em 1978, quando Fafá de Belém interpretou "Se eu disser", composição em parceria com Sérgio Natureza. No ano seguinte, Elis Regina interpretou de sua autoria, As aparências enganam, parceria com Sérgio Natureza, no LP Essa mulher.

No ano de 1980, com produção de Octávio Burnier, lançou pela PolyGram um compacto simples no qual interpretou as músicas As aparências enganam e Trovoada, ambas em parceria com Sérgio Natureza. Ainda em 1980 Elis Regina incluiria no disco Saudades do Brasil outra música sua, Agora tá (c/ Sérgio Natureza). No ano seguinte, lançou em compacto simples a música Adeus à dor, em parceria com Sérgio Natureza e gravou seu primeiro disco, Todos os tons, pela PolyGram. Neste mesmo ano, César Camargo Mariano ganhou o prêmio de "Melhor Arranjo" no Festival da Rede Globo, com a música Adeus à dor (Tunai e Sérgio Natureza).

Em 1982, Jane Duboc obteve o 3° lugar no Festival MPB Shell, da Rede Globo com a música Doce mistério, outra parceria com Sérgio Natureza. No ano seguinte lançou o segundo LP, Olhos do coração, pela PolyGram.

Em 1984, a música Depois das dez (c/ Sérgio Natureza) foi incluída no disco Delírios e delícias, da cantora Simone. Nesse mesmo ano, Gal Costa gravou duas composições de sua autoria: Olhos do coração (c/ Sérgio Natureza) e Eternamente (c/ Liliane e Sérgio Natureza), esta última incluída como tema de novela da Rede Globo, tema de caso especial e ainda na peça De braços abertos, estrelada por Irene Ravache e Juca de Oliveira. Ainda nesse ano, lançou pela gravadora Barclay-Ariola o disco Em cartaz, com destaque para a música Frisson (c/ Sérgio Natureza), que ficou conhecida como "O melô do anjo que caiu do céu", incluída como tema da novela Suave veneno, da Rede Globo.

Entre 1985 e 1994 fez vários shows em teatros de todo o Brasil e lançou diversos discos: Sintonia (PolyGram - 1985), Sobrou pra mim (Eldorado - 1988) e Dom (Caju Music - 1994), todos com sucessos amplamente divulgados em várias emissoras de rádio e incluídos em trilhas de novelas e casos especiais: Sintonia (novela Tititi da Rede Globo), Sobrou pra mim (trilha da novela Fera radical, também da Rede Globo), e Meu amor (versão para My love, de Paul MacCartney, incluída em Despedida de solteiro, da Rede Globo).

Entre seus muitos parceiros está Milton Nascimento, que obteve sucesso com a gravação das músicas Rádio experiência e Certas canções.

Na década de 1990, Ney Matogrosso gravou As aparências enganam, montando um show homônimo que percorreu com sucesso todo o país. A canção voltou a ser gravada por Beth Calligaris no CD Estrada, lançado pelo selo Geléia Geral.

No ano 2000, em comemoração aos seus 20 anos de carreira fonográfica, lançou pela gravadora Jam Music o CD Certas canções - acústico. Nesse disco, gravado ao vivo no Teatro Municipal de Ouro Preto (MG), incluiu sucessos de sua carreira e composições suas que foram sucessos nas vozes de outros cantores.

Durante os anos de 2000 e 2001, apresentou-se em vários teatros do país com o show "Certas canções - acústico". Em 2003 apresentou-se no Teatro Municipal de Niterói. No ano de 2004 lançou o CD Dança das cadeiras.

No ano de 2005 fez show de lançamento do CD Dança das cadeiras em vários espaços do Rio de janeiro, principalmente no circuito de shoppings da cidade, entre eles o Madureira Shopping. Neste mesmo ano, no disco Um pouco de mim - Sérgio Natureza e amigos teve incluídas cinco composições da parceria de ambos: Frisson com Luanda Cozetti; Nadando no seco por Gladston Galliza; Pra sempre interpretada por Leny Andrade; Eternamente com Tânia Bicalho e ainda As aparências enganam, interpretada ao piano por Keco Brandão, com locução da letra por Sérgio Natureza e ainda com a participação da voz de Elis Regina nas vinhetas.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB.

As aparências enganam

Elis Regina, 1979
As aparências enganam (1979) - Tunai e Sérgio Natureza
Tom: C   

Intro: Dm7/9 F/G G7 C7+ F7+ B7/9+ E7/13

Am              E/G#  
As aparências enganam, 
          Gm6              D7/F#
 aos que odeiam e aos que amam
 F#m             F#m7+
Porque o amor e o ódio 
        Am         Cm      F7/13    Gm
     se irmanam na fogueira das paixões
Cm                 D/C                 Bm             Em
Os corações pegam fogo e depois não há nada que os apague
  C#m5-/7             G          D#º           Em
Se a combustão os persegue, as labaredas e as brasas são 
    G7          C7+              Cm       F7/13   G7+
O alimento, o veneno e o pão, o vinho seco, a recordação
            A7/9/11+  F#m5-/7  
Dos tempos idos de comunhão,     
          B7           C7+    G7+   F7+   E
 sonhos vividos de conviver
Am              E/G#            Gm6              D7/F#
As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam
 F#m             F#m7+      Am         Cm      F7/13    Gm
Poque o amor e o ódio se irmanam na geleira das paixões
Cm                 D/C                    Bm          Em
Os corações viram gelo e, depois, não há nada que os degele
  C#m5-/7              G      D#º               Em
Se a neve, cobrindo a pele, vai esfriando por dentro o ser
  G7                    C7+  
Não há mais forma de se aquecer, 
       Cm       F7/13           G7+
    não há mais tempo de se esquentar
            A7/9/11+  F#m5-/7  
Não há mais nada pra se fazer, 
              B7             C7+    G7+    F7+   E
      senão chorar sob o cobertor
Am              E/G#            Gm6              D7/F#
As aparências enganam, aos que gelam e aos que inflamam
 F#m             F#m7+      Am         Cm   F7/13   Gm
Porque o fogo e o gelo se irmanam no outono das paixões
Cm                 D/C    
Os corações cortam lenha e,     
                  Bm                Em
   depois, se preparam pra outro inverno
  C#m5-/7           G      D#º               Em
Mas o verão que os unira, ainda, vive e transpira ali
  G7                    C7+   Cm   F7/13      G7+
Nos corpos juntos na lareira, na reticente primavera
     A7/9/11+  F#m5-/7            B7   A7/9/11+  Am G# C7+
No insistente perfume de alguma coisa chamada amor

quarta-feira, janeiro 11, 2012

Ana Terra

Ana Terra (Ana Maria Terra Borba Caymmi), letrista, escritora e produtora, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 20/5/1950. Em 1977, através de seu Selo Ana Terra Produções, lançou o LP Cheiro verde, de Danilo Caymmi (na época, seu marido).

O disco, com várias canções em parceria com o cantor, inclusive a que deu título ao disco, contou com a participação especial de Milton Nascimento na faixa Lua do meio dia, em parceria com Danilo Caymmi.

No ano seguinte, no LP Clube da esquina, Milton Nascimento interpretou Meu menino (c/ Danilo Caymmi).

No ano de 1979, em seu disco Essa mulher, Elis Regina gravou, de sua autoria em parceria com Joyce, a música que deu título ao disco, e ainda Pé sem cabeça (c/ Danilo Caymmi).

Sua parceira Joyce, em 1980, no disco Feminina, incluiu a canção Essa mulher. Nesse mesmo ano, o grupo Boca Livre gravou Nossa dança (c/ Danilo Caymmi). No ano seguinte, Joyce, no LP Água e luz, gravou Banho-maria e Mais uma vez, mais uma voz, parceria de ambas.

Na década de 1980,  Ângela Rô-Rô gravou uma de suas composições mais conhecidas, Amor, meu grande amor (c/ Angela Ro Rô), que mais tarde seria regravada também com sucesso pelo grupo Barão Vermelho.

Em 1981, lançou o livro Letras & canções, no qual compilou algumas letras anteriormente gravadas por boa parte de artistas da MPB. Anos mais tarde, publicou a novela Estrela.

No ano de 1984 lançou pela Philips/PolyGram, o LP infantil Histórias do céu e da terra, com projeto e letras de sua autoria. Do disco participaram A Cor do Som, Joyce, Maesto Nelsinho, Monarco, A Velha-Guarda da Portela, Raphel Rabello, Sivuca e Zizi Possi em composições de parcerias com Tunai, Mú Carvalho, Joyce, Nelson Angelo, Zeca Barreto, Arnaldo Pereira e Elton Medeiros

Em 1995, em seu CD Grande tempo, pela gravadora Velas, Fátima Guedes interpretou A dois (c/ Sueli Costa). Ainda na década de 1990, a convite de Francis e Olívia Hime, letrou duas músicas de  Chiquinha Gonzaga, participando do disco em homenagem à maestrina, juntamente com outros letristas, como Paulo César Pinheiro e Abel Silva.

No ano de 1998, foi lançado para o mercado brasileiro o disco Bossa carioca, da cantora nipo-brasileira Lisa Onno. Nesse CD, originalmente lançado no Japão, foram incluídas duas composições de sua autoria A dois (c/ Sueli Costa) e Diz a ela, em parceria com Lisa Onno.

No ano de 2002, ao lado de Chico Buarque, Abel Silva, Antônio Cícero, Paulinho Lima, Elisa Lucinda, Alcione, Leila Coelho Frota, Adélia Prado, Afonso Romano de Sant'Anna, Ritchie, Ronaldo Bastos, Fernando Brant, Gabriel, O Pensador, José Carlos Capinam e Murilo Antunes, entre outros, num total de 149 pessoas, participou do álbum com quatro CDs em homenagem ao poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade. O álbum intitulado Reunião - O Brasil dizendo Drummond foi lançado pelo selo Luz da Cidade, do poeta e letrista Paulinho Lima.

Obras

A dois (c/ Sueli Costa), Adoçar (c/ Gilson Peranzetta), Água de cheiro (c/ Danilo Caymmi), Algodão (c/ Danilo Caymmi), Amor meu grande amor (c/ Angela Ro Rô), Antigamente (c/ Danilo Caymmi), Aperta outro (c/ Danilo Caymmi), Baião do bão (c/ Arnaldo Pereira), Banho-maria (c/ Joyce), Cama de casal (c/ Tunai), Cena de natal (c/ Joyce), Cheiro verde (c/ Danilo Caymmi), Contra o vento (c/ Danilo Caymmi), Da antiga (c/ Danilo Caymmi), Da cor brasileira (c/ Joyce), Da mesma natureza (c/ Zé Renato), Dançarina do ar (c/ Joyce), De Deus (c/ Vinícius Cantuária), De onde nasce a luz (c/ Vinícius Cantuária), Deixa rolar (c/ Sonia Burnier), Direito à vida (c/ Elton Medeiros), Diz a ela (c/ Lisa Onno), É só uma canção (c/ Milton Nascimento), Ensaios de amor (c/ Marina Lima), Entre nós (c/ Filó Machado), Essa mulher (c/ Joyce), Estrelazinha (c/ Tunai), Forró na forma (c/ Arnaldo Pereira), Gênese (c/ Chiquinha Gonzaga), Golpe de amor (c/ Joyce), Guardados (c/ Joyce), Juliana (c/ Danilo Caymmi), Lado do avesso (c/ Joyce), Lenda lá (c/ Vinícius Cantuária), Lua do meio-dia (c/ Danilo Caymmi), Luz do chão (c/ Joyce), Mãe e filha (c/ Elton Medeiros), Mais natural (c/ Zéluis), Mais que perfeito (c/ Sonia Burnier), Mais uma vez mais uma voz (c/ Joyce), Mão fria coração quente (c/ Nando), Mel com caroço (c/ Lourenço Baeta), Meu menino (c/ Danilo Caymmi), Minha dor (c/ Danilo Caymmi), No ar (c/ Gilson Peranzzetta), No meu quarto (c/ Léo Jaime), Nossa dança (c/ Danilo Caymmi), O dia anterior (c/ Zeca Barreto), O nosso amor (c/ Danilo Caymmi), O que arde cura (c/ Natan Marques), Os dois (c/ Lisa Onno), Ouro Preto (c/ Tunai), Passageiro (c/ Nelson Angelo), Pé sem cabeça (c/ Danilo Caymmi), Pessoas diversas (c/ Danilo Caymmi), Pra sempre (c/ Flávio Venturini), Procê (c/ Joyce), Raiz (c/ Chico Lessa), Reflexo (c/ César Camargo Mariano), Revés (c/ Chiquinha Gonzaga), Sai dessa (c/ Natan Marques), Sal com doce (c/ Mu), Samba pro Marcinho (c/ Chico Lessa), São Francisco (c/ Danilo Caymmi), Sem parar (c/ Novelli), Sotaque (c/ Sivuca), Tudo certo (c/ Zé Renato), Vai ficar no ar (c/ Gilson Peranzzetta e João Cortez), Vem Gabriel (c/ Mu).

Discografia

(2002) Reunião - O Brasil dizendo Drummond • Selo Luz da Cidade • CD
(1984) Histórias do céu e da terra • Philips/PolyGram • LP

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB.