domingo, agosto 25, 2013

A poesia de Catulo

Catulo da Paixão Cearense, denominado "o poeta popular do Brasil", recebeu todas as glórias, todas as honras e uma adoração popular enorme ainda em vida. Isso porque usou e abusou de toda a sonoridade que o sotaque nordestino lhe proporcionou e soube colocar em versos simples onde era o lugar de por versos simples.

Tinha faro. Sabia ouvir, como ninguém mais, o rumor de nossa terra. A foto ao lado é uma de suas últimas, extraída da Revista "O Malho". Abaixo algumas obras do nosso querido "Catullo Cearense":

Ai de mim!
Ao luar
Até as flores mentem
Caboca bunita
Caboca di Caxangá
Choro e poesia (Ontem ao luar)
Clélia (Ao desfraldar da vela)
Fechei meu jardim
Flor amorosa
Flor do mal
Iara (Rasga o coração)
Luar do sertão
Não vê-la mais (Só para moer)
O fadário (Medrosa)
O meu ideal
Os boêmios
Os olhos dela
Palma do martírio
Quando ela passa
Recorda-te de mim
Sertaneja
Sorrir dormindo
Talento e formosura
Templo ideal
Terna saudade (Por um beijo)
Três estrelinhas (O que tu és)
Tu passaste por este jardim
U poeta do sertão
Vai ò meu amor, ao campo santo