domingo, outubro 27, 2013

O pobre

O pobre (1985) - Leo Jaime e Herbert Viana - Intérprete: Leo Jaime
Tom: A  

Intro: (A F#m) 
  
REFRÃO 
  
A                 F#m 
 Ela não gosta de mim 
A                    F#m 
 Mas é porque eu sou pobre 
  
Gm G#m                             C#m 
      O mundo ainda vai acabar por falta de verba  
Cm Bm                              
      Mas se tudo voltar a existir 
          D              Dm 
 Só quero que não seja a mesma novela  
   A   
 Yeah! yeah! 
  F#m        A F#m 
 Yeah! yeah! 
Gm G#m                            C#m 
      Até arranjei um emprego pra melhorar meu sex-appeal 
Cm Bm                              
      até banho de loja 
     D                 Dm 
 Passei do seu lado e você não me viu 
   A  
 Yeah! yeah! 
  F#m        A F#m 
 Yeah! yeah!  
  
REFRÃO 
             D   
 Tô com uma mão na frente 
   Dm  
 E outra atrás 
            A  
 E já faz tempo que eu estou 
     F#m 
 Pra te dizer 
             B  
 Tô com uma mão na frente 
   Dm               A    F#m 
 E outra atrás de você 
      A   F#m 
 De você 
Gm G#m                       C#m 
      Eu sou, mas não tenho é uma boa companhia  
Cm Bm                              
      Por tudo que você quiser 
         D              Dm 
 O que você sonhar, seu pai financia  
   A  
 Yeah! yeah! 
  F#m        A F#m 
 Yeah! yeah! 
  
REFRÃO 
             D                  (A F#m) 
 Tô com uma mão... até ...de você  
 
É... Pensando bem  
Se eu fosse mulher  
O que que eu ia querer com um cara duro que nem eu  
De mais a mais ela não me dá atenção
É porque eu não tenho grana  
Porque se eu tivesse ela dava Ah! dava 
             D                  (A F#m) 
 Tô com uma mão... até ...de você

Nem morta




Nem morta (1985) - Michael Sullivan e Paulo Massadas - Intérprete: Alcione
Tom: Bb

Intro: Cm7 F7 Bb7+ Cm7 F7 Bb7+ Gm7 F4/7

                    Bb7+  
Eu só fico em teus braços 
                  Bº                     Cm7
porque não tenho forças pra tentar ir a luta
                  F/A    
Eu só sigo o teus passos 
                    F7                   Bb7+   F4/7
pois não sei te deixar e esse ideia me assusta

               Bb7+     
Eu só faço o que mandas 
                 Bº                     Cm7
pelo amor que é cego que me castra e domina
                F/A   
Eu só digo o que dizes 
                  F7             Dm7/5-   Bb7
foi assim que aprendi a se tua menina


             Eb7+                 F/Eb
Pra você falo tudo no fim de cada noite
                Dm7                  G7
Te exponho o meu dia, mas que tola ironia
              Cm7                   F7                Fm7  Bb7
Pois você fica mudo, nesse mundo só teu cheio de fantasias
             Eb7+                       F/Eb
Eu só deito contigo porque quando me abraças
               Dm7                    G7
Nada disso me importa, coração abre a porta
                    Cm7                    Gb6
Sempre que eu me pergunto quando vou te deixar
      F7         Bb7+   Cm/Bb Dm7 Ebm7 F4/7 Bb7+ F4/7
Me respondo nem morta
REPETE ESTROFE II

Malandro sou eu

Malandro sou eu (1985) - Arlindo Cruz, Sombrinha e Franco - Intérprete: Beth Carvalho
Tom: A#
  

      F               Dm 
Segura teu santo, seu moço 
                C7/9 A7 
Teu santo é de barro 
         Dm                         Cm F7 
Que sarro dei volta no mundo voltei pra ficar 
        Bb            Fº 
Eu vim lá do fundo do poço 
                F             D7 
Não posso dar mole pra não afundar 
           F7/13     F7/13-      
Quem marca bobeira engole poeira 
        Gm            C7 
E rasteira até pode levar 
    F                          Dm 
Malandro que sou, eu não vou vacilar 
C7/9                    A7/13- 
Sou o que sou ninguém vai me mudar 
C#5+           Dm 
E que tentou teve que rebolar 
      Cm   F7/13  F7/13- 
Sem conseguir 
   Bm7/5-      D#7/9    
Escorregando daqui e dali 
     Am           D7     G7 
Malandreando eu vim e venci 
        C7                     F                
E no sufoco da vida foi onde aprendi 
         F7 
(por isso que eu vou) 
 Bm7/5-    D#7/9   Am7 
Vou, eu vou por ai 
 Dº         Gm7       G7      Cm  F7/13- 
Sempre por ai, esse mundo é meu 
  B7/5-     Fº   Am7   D7          G7 
E onde quer que eu vá em qualquer lugar 
    C7       F 
Malandro sou eu


Malandro Rife

Malandro Rife (samba, 1985) - Otacílio e Ari do Cavaco - Intérprete: Bezerra da Silva

Malandro é malandro mesmo
Malandro é malandro mesmo
Malandro é malandro mesmo
E o otário é otário mesmo

O malandro de primeira
Sempre foi considerado
Em qualquer bocada que ele chega
Ele é muito bem chegado
E quando tá caído não reclama
Sofre calado e não chora
Não bota culpa em ninguém
E nem joga conversa fora

Quem fala mal do malandro
Só pode ser por ciúme ou despeito
Malandro é um cara bacana
Homem de moral e de respeito
O defeito do malandro
É gostar de dinheiro, amizade e mulher
Malandro tem cabeça feita
Malandro sabe o que quer

Quando o bom malandro é rife
Comanda bonito a sua transação
Não faz covardia com os trabalhadores
E àqueles mais pobres ele da leite e pão
Quando pinta um safado no seu morro
Assaltando operário botando pra frente
Ele mesmo arrepia o tremendo canalha
E depois enterra como indigente

Louras geladas

Louras geladas (1985) - Paulo Ricardo e Luís Schiavon - Intérprete: RPM
Tom: Am

Intro: Am Dm Am F6 

Só tem homem feio aí! 
Am          Dm              Am          F6 
Disfarça e faz que nem me viu, não me ouviu te chamar 
Am       Dm            Am                 F6 
Desfaz assim de mim que nem se faz com qualquer um 
        Am 
Agora eu sei 
            F               Am               F 
Passei por cada papel e rastejei, tentando entrar no seu céu 
          Am 
Agora eu sei, sei, sei 
            F              Am             F 
Passei por cada papel me embriaguei e acordei num bordel 
Am          Dm         Am         F6 
Já sei que um é pouco, dois é bom, três é demais 
Am        Dm        Am          F6 
E eu fico louco de ciúmes de um outro rapaz 
          Am                F             Am 
Agora eu sei... passei por cada papel e rastejei 
           F                       Am 
Tentando entrar no seu céu agora eu sei, sei, sei 
           F               Am        F 
Passei por cada papel me embriaguei e acordei num bordel 
E         Am   E             Am 
  Na madrugada,  na mesa do bar 
E          Am     D         E 
  Loiras geladas vêm me consolar 
 Am        Dm              Am            F6 
Qualquer mulher é sempre assim vocês são todas iguais 
Am      Dm              Am               F6 
Nos enlouquecem então se esquecem já não querem mais 
         Am                 F         Am 
Agora eu sei... passei por cada papel e rastejei 
          F                        Am 
Tentando entrar no teu céu, agora eu sei, sei, sei 
            F            Am           F 
Passei por cada papel me embriaguei e acordei num bordel 
Mas, muito mais 
E        Am    E             Am 
  Na madrugada,  na mesa do bar 
E          Am     D        E 
  Louras geladas vêm me consolar 
Am          Dm              Am 
Passei por cada papel e rastejei 
    Am            Dm               Am      F 
Passei por cada papel me embriaguei e acordei num bordel