terça-feira, novembro 06, 2007

Batatinha

O samba baiano teve em Batatinha o seu maior poeta e compositor de mais de 100 canções. O gráfico aposentado Oscar da Penha, ou melhor "Batatinha", faleceu em Salvador, em 3/01//97, aos 72 anos, sem nunca ter conseguido em vida o sucesso relativo à qualidade da sua obra. Apenas teve registrado dois álbuns em toda sua trajetória artística.

Reconhecido pela crítica especializada e por nomes da MPB teve diversas composições gravadas por Maria Bethânia, Caetano Veloso, Nara Leão, Jair Rodrigues, Jamelão, Moraes Moreira, dentre outras.

Ele foi o primeiro compositor a inventar o samba-receita, notabilizado na canção O Vatapá, e o pioneiro a introduzir elementos da capoeira na canção popular nos anos 50. Seu estilo melancólico do seu samba, fez a crítica o comparar em certa parte com a ambiência lírica das composições de Noel Rosa, Cartola e Paulinho da Viola.

Batatinha fez samba de alto nível fundamentado na tradição do samba de raiz baiana. Nascido em Salvador, no dia 5/08/24, desde os 15 anos de idade, trabalhou como gráfico dos jornais Diário de Notícias e Estado da Bahia e foi funcionário público da Imprensa Oficial (hoje, Empresa Gráfica da Bahia). Casado com Marta dos Santos Penha, teve nove filhos.

Desde os 15 anos já compunha e estava envolvido com o ambiente musical da capital baiana. Começou a carreira como cantor descoberto pelo radialista da Rádio Excelsior, o pernambucano Antônio Maria de Moraes, em 44, que o colocou o apelido de Batatinha. O radialista ficou impressionado com a qualidade de sambas dele, como Olha aí, O que é que há, Iaiá no Samba, Receita de Feijoada e Doutor Cobrador. O artista foi presença constante interpretando músicas do compositor paulista Vassourinha no programa de auditório chamado Campeonato do Samba que se realizava no Cine Guarany. Antes escapou de servir a Força Expedicionário Brasileira na Segunda Guerra Mundial, graças a intervenção do amigo Odorico Tavares.

Na época, Batatinha vivia na boêmia com amigos gráficos, como Dufi Cruz que, também, era sambista. Este antes de morrer na década de 50, compôs com Batatinha o samba O Grande Rei. As maiores influências no início da carreira de Batatinha eram de Wilson Batista, Noel Rosa, Araci de Almeida e Ciro Monteiro.

Ele participou durante toda década de 50 do concurso de composição para o carnaval de Salvador promovido pela Rádio Sociedade pelo locutor Renato Mendonça. Apesar do sucesso de seus sambas para o carnaval, ele numca conseguiu ganhar nenhum conscurso. Seu primeiro samba composto foi o samba Inventor de Trabalho concebido em 1943 e só seria registrada no seu primeiro LP que dividiu com os colegas sambistas baianos Riachão e Panela. O seu primeiro samba gravado foi Jajá está com uma coroa que é um barato interpretado pelo sambista carioca Jamelão. A letra relata com um raro humor as histórias de um malandro chamado Jajá da Gamboa que se relacionou com uma coroa rica da sociedade soteropolitana e arrancou toda sua grana e até sua dendadura de ouro.

Samba com pionerismo

Seu pionerismo remonta até a primeira incursão da capoeira na música brasileira que ele fez com o grupo de Cancioneiros do Norte através da Rádio Cultura de Salvador. Em 1951, ele compôs Samba e Capoeira e que foi executada em 1954. A proposta estética de misturar as melodias das músicas da dança afro-baiana num formato de cancioneiro popular ganhou força com outros nomes da música brasileira, como Clodoaldo Brito e Baden Powell e Vinícius de Moraes. Por conta dessa iniciativa teve seu nome incluído no trabalho sobre a capoeira etnógrafo Valderloir Rego.

Em 1960, ele perdeu com uma das suas mais refinadas composições chamada Diplomacia, cantado por Humberto Reis. O samba entrou na trilha sonora do primeiro filme de Gláuber Rocha, Barravento. A letra confessional do samba na época intitulada de Tormento refletia o estado de espírito de Batatinha na busca pelo reconhecimento: "...Luto por um pouco de conforto/Tenho o corpo quase morto/Não acerto nem pensar/ Mesmo com tanta agonia/ ainda posso cantar// Meu desespero ninguém vê/ sou diplomado em matéria de sofrer/ Falsa alegria, sorriso de fingimento/ Alguém tem culpa desse meu padecimento".

Pautado por uma melancolia atípica para um baiano pode ser ilustrada no samba Direito de Sambar. A letra revela a nuance de um compositor a expor sua face sensível em plena avenida de carnaval: "É proibido sonhar/ Então me deixe o direito de sambar/ ... Já faz dois anos/ que não saio na escola/ e saudade me devora/ quando vejo a turma passar".

Nesse mesmo ano, Batatinha vira sucesso nacional como compositor depois da gravação de Jamelão que gravou Javá da Gamboa. Esse fato chama a atenção dso intérpretes para o talentoso compositor negro baiano. Maria Bethânia seria o primeiro grande nome da MPB a lhe dar vez, gravando, em 64, os sambas Diplomacia, Toada da Saudade, Imitação e a Hora da Razão nos shows do Teatro Opinião e no show do álbum Rosa dos Ventos. Depois, ela gravaria ainda a marcha A História do Circo.

Em 66, o sambista baiano Ederaldo Gentil o convida para musicar a peça teatral Pedro Mico de Antônio Callado. Ele compõe o samba Espera que foi gravado pela cantora maranhense Alcione. Ainda participa, em 67, de uma produção de um vídeo-documentário da tv italiana estatal RAI sobre o samba brasileiro.

Em 1973, aos 49 anos, finalmente, por iniciativa de Paulo Lima e da gravadora Philips Fontana Special lança o disco Samba da Bahia com direção de Edil Pacheco e com a participação de músicos de Salvador, como José Menezes (cavaquinho), Vivaldo (clarineta e sax), Edson (violão de 7 cordas), Armandinho (bandolim), Edil Pacheco (violão), Everaldo Júnior (baixo), Chorinho (trombone), Pedro Torres e Valdomiro (piston), Cacu, Sambador, Tamborim, Miguel e Edmundo (percussãso) . No LP, Batatinha comparece com os sambas-canção Diplomacia, Ministro do samba, Inventor do Trabalho e o Direito de Sambar. Batatinha gostava de se comparar com outro grande do samba, Cartola, pois chegaram ao registro fonográfico com idades semelhantes. As gravações foram realizadas em quatro madrugadas no Teatro Vilha Velha, sem apresença de público.

Em 76, grava o primeiro e único álbum-solo, Toalha de Saudade, que traz a regravação do samba Espera, sucesso na voz de Alcione. A letra do samba é um exemplo nítido da faceta de uma melancolia herdada do lamento dos escravos misturada com a alma portuguesa. Antes de mais nada, o lamento de um sambista negro baiano de rara sensibilidade poética: "É doloroso esperar/ e sem nunca chegar/ quem a gente quer/ e com a alma em desespero/ se preocupa no espelho/ uma solução qualquer". Pela qualidade rítmica e lírica, o álbum sendo escolhido pela crítica especializada da imprensa como melhor álbum de samba daquele ano.

Batatinha tinha mágoas naturais de quem havia vivido na pobreza e não conseguia se encaixar no mercado da música popular brasileira. Chegou a reclamar de terem tentado enquadrá-lo como cantor de samba de roda, mas ele relutava em ser cerceado a algo mais limitado. Fazia questão de se fazer samba de origem africana, do semba angolano, mas com influência do samba-canção urbano brasileiro. Pertencente à Irmandade do Rosário dos Pretos, foi devoto dos sambas concisos, despretensiosos, mas nunca destituídos de ambição estética.

Nunca desistiu de promover o samba como expressão artística genuína do povo brasileiro. Incentivou e promoveu diversos eventos ligados ao gênero, como a "Segunda do Samba" e o "Dia do Samba", no Largo do santo Antônio. Essas festas sempre contaram com o prestígio e presença de nomes da MPB, como Chico Buarque e Luís Melodia, graças à admiração que eles nutriam pelo organizador do evento.

Continou fazendo shows esporádicos em circuitos mais fechados e culturais, como o circuito universitário do Projeto Pixiguinha que ele fez, em 83, ao lado da cantora carioca Elza Soares. Chega a fazer shows, em 87, com o músico baiano Saul Barbosa e mais outros cada vez mais esporádicos. No ano seguinte, comemora os 44 anos de carreia artística num show no Teatro Vilha Velha reunindo Gilberto Gil, Paulinho da Viola, Margareth Menezes, Gerônimo, Edil Pacheco, Ederaldo Gentil, Carlos Pita e outros.

A morte e as homenagens póstumas

Entra na década de 90 realizando shows esporádicos e sem conseguir lançar o segundo álbum-solo. Não conseguiu realizar seu último intento artístico, pois, em janeiro de 97, morre vítima de câncer na próstata. Foi enterrado no dia 04/01/97 no cemitério Jardim da Saudade. Apenas conseguiu participar de um projeto de homenagem que não teve tempo de ver concluído.

Deixou 10 filhos e foi casado por duas vezes. Sua herança cultural é inestimável. Os produtores Paquito e Jota Veloso recuperaram um rico acervo de Batatinha e estão abertos a disponibilizar essas canções para quem quiser gravá-los. A vida do mestre do samba melancólico que, também, tinha seu lado alegre continua na perpertuação da sua obra de raiz baiana, mas de valor universal.

A morte do artista não impediu que um projeto de um álbum em sua homenagem fosse lançado. Os produtores Paquito e Jota Veloso já tinham recolhido em um gravador doméstico mais de 70 músicas de Batatinha e escolheram 17 que seriam gravadas por nomes da MPB. Com o patrocínio da Fundação Cultural do Estado da Bahia, o álbum Diplomacia é lançado em maio de 98 pela gravadora EMI.

Algumas letras do compositor Batatinha

Diplomacia
Inventor do trabalho
Ministro do samba
Toalha da saudade

Fonte: Batatinha - Biografia