sábado, abril 21, 2018

A Carrocinha Pegou - Carequinha


A Carrocinha Pegou - Tradicional - Intérprete: Carequinha

LP Carequinha - Cantigas de Roda Nº 2 / Título da música: A Carrocinha Pegou / Tradicional (Compositor) / Carequinha (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Ano: 1960 / Nº Álbum: CLP 11160 / Lado B / Faixa 3 / Artistas relacionados: Altamiro Carrilho / Nota: A gravação é cantada por Carequinha, porém, sendo remodelada para uma marcha de carnaval de 1965 por Valdir Machado e Rutinaldo Silva.


E             B7                          E
A carrocinha pegou três cachorros de uma vez
E             B7                          E
A carrocinha pegou três cachorros de uma vez

E                       B7
Trá-la-lá que gente é essa
                     E
Trá-la-lá que gente má
                        B7
Trá-lá-lá que gente é essa
                     E
Trá-lá-lá que gente má

(repete tudo)

Alma de palhaço - Carequinha


Alma de Palhaço (modinha, 1958) - Carequinha e Fred Vilar - Intérprete: Carequinha

LP Carequinha - Os Grandes Sucesso Do Carequinha / Título da música: Alma De Palhaço / Carequinha (Compositor) / Fred (Compositor) / Carequinha (Intérprete) / Gravadora: Copacabana / Nº Álbum: CLP 11221 / Ano: 1961 / Lado B / Faixa 5 / Gênero musical: Modinha / Gravação original: Disco 78 rpm / Gravadora: Copacabana / Nº Álbum: 5.897-a / Ano: 1958 / Lado B.



De um circo eu sou palhaço
No rosto levo este traço
para alegrar a multidão
Mas é tudo fantasia
É falsa a minha alegria
É tudo,tudo, ilusão

Ninguém sabe que no meu rosto
A tinta encobre um desgosto
Que vive a me atormentar
E como a luz da ribalta
Meu coração sente a falta
De quem não me soube amar

Enquanto a platéia acha graça
Dentro do peito a desgraça
Vem logo me torturar
O riso sempre constante
Faz-me esquecer um instante
Mas volto logo a chorar

Se todos pudessem ver
A razão do meu sofrer
Não pensavam em gargalhar
E ao terminar a cena
dariam lenços por pena
para o meu pranto enxugar.

terça-feira, abril 17, 2018

Aquiles Medeiros - Biografia

Aquiles Medeiros, compositor, nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 30/7/1925 e faleceu em 12/9/1971. Nascido no bairro da Glória, ainda menino mudou-se para o subúrbio de Brás de Pina, onde completou seus primeiros estudos. Desde garoto compunha músicas e liderava pequenos blocos carnavalescos.

Com seu irmão, Elton Medeiros , e outros jovens, integrou o bloco Unidos de Sintra, depois União do Amor, que saía da parada do ônibus Penha Circular. Ali conheceu Joacir Santana, que mais tarde o convidou para fundar o Bloco Carnavalesco Tupi de Brás de Pina, depois transformado em escola de samba.

Também a convite de Joacir, transferiu-se para a escola de samba Aprendizes de Lucas, que mais tarde se associou à Unidos da Capela, para formarem o G.R.E.S. Unidos de Lucas, onde fez parte da ala de compositores.

Formou-se técnico em contabilidade e trabalhou como bancário, tendo sido funcionário da Caixa Econômica Federal. Teve gravados seus sambas Pedra no meu caminho (com Raul Marques e Estanislau Silva) e Boêmio sofredor (com Aguinaldo da Cuíca), pela etiqueta Rádio, com a Aprendizes de Lucas. Foi também passista e tocava vários instrumentos de percussão.

Obras

Boêmio sofredor (c/Aguinaldo da Cuíca), samba, s.d.; Pedra no meu caminho (c/Raul Marques e Estanislau Silva), samba, 1952.


Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira – Art Editora e PubliFolha.