domingo, agosto 03, 2008

Saudades da minha terra

Belmonte e Amaraí

Saudades da minha terra (rasqueado) - Goiá e Belmonte

Introd: G D G D C Bm Am G 

   G
De que me adianta viver na cidade
                               D
Se a felicidade não me acompanhar     

Adeus, paulistinha do meu coração
                            G
Lá pro meu sertão quero voltar
            C
Ver a madrugada, quando a passarada
                              D
Fazendo alvorada começa a cantar

Com satisfação arreio o burrão
                 C   Bm   Am   G
Cortando o estradão saio a galopar
           C                D
E vou escutando o gado berrando
                          G
Sabiá cantando no jequitibá        Intr.

             G
Por nossa senhora, meu sertão querido
                                D
Vivo arrependido por ter te deixado

Esta nova vida aqui na cidade
                               G
De tanta saudade, eu tenho chorado
             C
Aqui tem alguém , diz que me quer bem
                                 D
Mas não me convém , eu tenho pensado

Eu digo com pena, mas essa morena
               C    Bm    Am    G 
Não sabe o sistema que eu fui criado
            C                  D    
Tô aqui cantando de longe escutando
                                   G
Alguém está chorando com o rádio ligado      Intr.

              G
Que saudade imensa do campo e do mato
                                   D
Do manso regato que corta as campinas

Aos domingos ia passear de canoa
                                  G
Nas lindas lagoas de águas cristalinas
             C
Que doce lembrança daquelas festanças
                               D
Onde tinham danças e lindas meninas

Eu vivo hoje em dia sem ter alegria
           C   Bm      Am    G
O mundo judia, mas também ensina
             C                    D
Estou contrariado, mas não derrotado
                                G
Eu sou bem guiado pelas mãos divinas    Intr.

              G
Pra minha mãezinha já telegrafei
                            D
E já me cansei de tanto sofrer

Nesta madrugada estarei de partida
                                  G
Pra terra querida, que me viu nascer
           C
Já ouço sonhando o galo cantando
                           D
O inhambu piando no escurecer

A lua prateada clareando a estrada
           C     Bm      Am    G
A relva molhada desde o anoitecer
           C                 D
Eu preciso ir pra ver tudo alí
                              G    D7 G
Foi lá que nasci, lá quero morrer