sábado, janeiro 22, 2011

Fernando Lona


Fernando Lona (Fernando José Magalhães Lona), compositor e ator, nasceu em Salvador, BA, em 19/3/1937, e faleceu na BR-116, em 5/11/1977. Começou a compor em 1955, quando já tocava violão.

Em 1962, participou do programa Musical Casas Ernesto, em cartaz por seis meses na TV Itapoã, de Salvador. No ano seguinte, teve sua primeira composição gravada, Lamento de Justino (com Orlando Sena), em compacto duplo da CBS, com as músicas do filme Grito da terra (direção de Olney Alberto São Paulo).

Como ator, participou, ainda em 1963, da peça A exceção e a regra (Bertolt Brecht) e, em seguida, de dois shows individuais na capital baiana, Terra de ninguém, com música-título de sua autoria, e Ofício de cantar.

Nessa época, participou dos shows Nós, por exemplo e Nova bossa velha e velha bossa nova, com grupo baiano que surgia, formado por Gilberto Gil, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gal Costa e Tom Zé

Participou depois de várias peças teatrais, continuando também a compor. Em 1966, a marcha-rancho Porta estandarte, feita em parceria com Geraldo Vandré, obteve o primeiro lugar no FNMP, da TV Excelsior, de São Paulo SP, na interpretação de Tuca e Airto Moreira

Fixando-se em São Paulo, compôs músicas para a peça teatral O desembestado, dirigida por Ariovaldo Matos, da qual participou também como ator. Retornando à Bahia, continuou a atuar em teatro, como na peça Arena conta Zumbi, de Gianfrancesco Guarnieri, quando encenada em Salvador. 

Ainda como ator, participou de vários filmes nacionais. Lançou em 1977 O Romance desastroso de Josiano e Mariana ou A gesta do Boi Menino, inspirado no gênero cordel, com ilustrações de Calazans Neto. Apresentou-se no mesmo ano em São Paulo no espetáculo De cordel a bordel, em que cantou, dançou e recitou seus versos. 

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - 1998.