sábado, junho 15, 2013

Airton Barbosa

Airton Barbosa (Airton Lima Barbosa), instrumentista, compositor e professor, nasceu em Bom Jardim, PE, em 20/09/1942, e faleceu na cidade do Rio de Janeiro, RJ, em 31/05/1980. Iniciou seus estudos musicais aos 14 anos de idade, em sua cidade natal, onde, pouco tempo depois, começou a tocar saxofone na banda local.

Selecionado para o projeto "Jovens Talentos", iniciativa do Ministério da Educação e Cultura, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1960, onde passou a estudar fagote com o francês Noel Devos, integrante da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Em 1962, fundou Quinteto Villa-Lobos, com o qual atuou até o final da vida e lançou os seguintes LPs: Quinteto Villa-Lobos (1966), Reencontro (1966), este gravado ao vivo no Teatro Santa Rosa (RJ) ao lado de Sylvia Telles, Edu Lobo e Tamba Trio, Vanguarda (1972), ao lado de Luís Eça, Quinteto Villa-Lobos interpreta (1977) e Mário Tavares, Radamés Gnattali e Ernest Widmer (1979).

Ainda nos anos 1960, foi aprovado em concurso para integrar o naipe de fagotes das orquestras do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e da Sinfônica Nacional da Rádio MEC.

Na década de 1970, começou a se dedicar também à composição de trilhas sonoras para cinema, com destaque para os seguintes filmes: Ajuricaba, o rebelde da Amazônia (1975), de Osvaldo Caldeira; Morte e Vida Severina (1977), de Zelito Viana - sobre poema de João Cabral de Melo Neto musicado por Chico Buarque de Hollanda -, para o qual compôs a música incidental, lançada em disco pela gravadora Marcus Pereira; e O Grande Palhaço (1979), também lançada em disco.

Ainda em 1977, fundou, em parceria com Mario de Aratanha, a gravadora Kuarup. Foi também o fundador da Cooperativa dos Músicos do Estado do Rio de Janeiro.

Seu último trabalho foi a produção do LP Saudades de um clarinete, homenagem a K-Ximbinho. O disco contou com a  participação do Quinteto Villa-Lobos e de outros instrumentistas brasileiros e só veio a ser lançado em 1981, após seu falecimento.

Ao longo de sua carreira, participou de gravações com vários outros artistas, como Edu Lobo, João Donato, Milton Nascimento, Paulinho da Viola, Flora Purim, Francisco Mário e Luiz Eça, entre outros.

Obra


As ciganas (c/ João Cabral de Melo Neto), Báscula, Chegada ao Recife (c/ João Cabral de Melo Neto), De sua formosura (c/ João Cabral de Melo Neto), Despedida do agreste (c/ João Cabral de Melo Neto), Encontro com o Canavial (c/ João Cabral de Melo Neto), Fala do Mestre Carpina (c/ João Cabral de Melo Neto), Homens de pedra (c/ João Cabral de Melo Neto), Marcha final, Mulher na corda, Mulher na janela (c/ Chico Buarque e João Cabral de Melo Neto), Notícias do alto sertão (c/ João Cabral de Melo Neto), O mágico, O outro Recife (c/ João Cabral de Melo Neto), O rio (c/ João Cabral de Melo Neto), Severino (c/ João Cabral de Melo Neto), Todo o Céu e a Terra (c/ João Cabral de Melo Neto), Toureiros, Trapézio da morte.

Discografia


1966 Quinteto Villa-Lobos (Quinteto Villa-Lobos) • Forma • LP; 1966 Reencontro (Silvinha Telles, Edu Lobo, Tamba Trio e Quinteto Villa-Lobos) • Elenco; 1966 Morte e Vida Severina - Trilha sonora do filme (autoral) • Marcus Pereira • LP; 1972 Vanguarda (Quinteto Villa-Lobos e Luizinho Eça) • Odeon; 1977 Quinteto Villa-Lobos interpreta (Quinteto Villa-Lobos) • Marcus Pereira; 1979 Mário Tavares, Radamés Gnattali e Ernest Widmer (Quinteto Villa-Lobos) • Funarte • LP; 1979 O grande palhaço - Trilha sonora do filme (autoral) • Coomusa.

______________________________________________________________________
Fonte: Enciclopédia do Nordeste; Bibliografia Crítica: TAUBKIN, Miriam (org). Um Sopro de Brasil. Projeto Memória Brasileira, 2006.