terça-feira, junho 04, 2013

Carlos Henrique

Carlos Henrique (Henri Charles Gonçalves), cantor, ator, locutor e apresentador de  TV, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 1929, e faleceu na mesma cidade em 19/04/2006.  Em 1954, ocupando com sucesso, graças à beleza de sua voz de locutor, o microfone da Rádio Mayrink Veiga, gravou pela Columbia o slow-fox Pretenda, de Douglas, Parman e La Vere, com versão de Alfredo Ribeiro, e o samba-canção Sinhá moça, de Oscar Bellandi e Luiz Sotto.

No mesmo ano, gravou o fox Relógio sincopado, de L. Anderson, com versão de Haroldo Barbosa, a valsa Quero Lili, de Sivan Castelo Neto e Lita Rodrigues, o samba Gota por gota, de Alfredo Ribeiro e Ari Macedo, e a marcha Um beijinho é bom, de Alfredo Ribeiro e Aldacir Louro. Ainda em 1954, ocupou as paradas de sucesso com o bolero Mariana, de Singer, com versão de Alberto Ribeiro, e o samba-canção Canção sem nome, de Renato de Oliveira.

Em 1955, Carlos Henrique gravou em dueto com a cantora Araci Costa os baiões Alice, de Victor Simon e Neco, e Triste adeus, de Rômulo Paes e Henrique de Almeida, e em dueto com a cantora Zilá Fonseca os baiões Mineiro apaixonado, de Tertuliano Silva, e Minha Zabelê, de Rômulo Paes e Valquíria dos Santos. Nesse ano, gravou sozinho a canção Vera Cruz, de S. Cahn, H. Friedhofer e Ghiaroni, e o fox Cinema bossa nova, de Hianto de Almeida e Chico Anísio.

Para o carnaval de 1956, lançou o samba Resignado, de Rômulo Paes, Henrique de Almeida e Mary Monteiro, e a marcha Gente bem, de José Messias e Carlos Brandão.

No ano de 1957, gravou a marcha Mulher parece bonde, de Herivelto Martins e José Messias, e o samba Chinelo velho, de Carlos Brandão e José Messias.

Embora sendo considerado prioritariamente locutor, gravou ainda discos por pequenos selos como Cisne Real, pelo qual lançou as marchas Nos braços dela, de Waldir Machado e Osvaldo Lira, e Play-boy Valdemar, de Waldir Machado e Rubens Machado.

Em 1962, gravou no selo Guanabara as marchas Luz do teu olhar, de Gil Lima e Elpídio Viana, e Hotel Avenida, de César Cruz e Silvinha Drumond. Em seguida, gravou no selo Magisom as marchas Tamborim no Kibbutz, e Garota bossa-nova, ambas de Américo Rodrigues. No ano seguinte, gravou o tango Palhaço, de Herivelto Martins e David Nasser, e o beguine Melodia do céu, de Haroldo Eiras e Di Veras. Gravou pelo mesmo período o samba Ressucitou, de Nilo Barbosa, Carlos Marques e Silva Simões, e a marcha O grande inventor, de Nilo Barbosa e Carlos Marques.

Durante muitos anos foi o locutor exclusivo do supermercado Sendas, sendo a voz e a imagem do grupo durante décadas a fio, tanto no rádio como na televisão. Cerrando o punho direito e levantando o polegar (em close para a câmera), ele fechava os comerciais, dizendo:

"- Duuuuuuuuvidamos que alguém venda mais barato!"

Carlos Henrique apresentou ainda um programa na TV Tupi do Rio de Janeiro, que ia ao ar nas tardes de sábado, chamado "Sendas do Saber". O programa era uma gincana entre colégios. O jingle do programa tinha um trecho assim:

"Em conhecimentos gerais, quem sabe mais vale mais
Vamos todos ver o programa... Sendas do Saber"

Gravou um total de 14 discos em 78 rpm, a maioria pela gravadora Columbia.

Com a saúde muito debilitada, ele morreu aos 77 anos. Carlos Henrique foi enterrado no cemitério Jardim da Saudade, em Paciência, zona Oeste do Rio.

Discografia

Pretenda/Sinhá moça (1954) Columbia 78
Relógio sincopado/Quero Lili (1954) Columbia 78
Mariana/Canção sem nome (1954) Columbia 78
Gota por gota/Um beijinho é bom (1954) Columbia 78
Alice/Triste adeus (1955) Columbia 78
Mineiro apaixonado/Minha Zabelê (1955) Columbia 78
Vera Cruz/Cinema bossa nova (1955) Columbia 78
Resignado/Gente bem (1955) Columbia 78
Mulher parece bonde/Chinelo velho (1957) Columbia 78
Nos braços dela/Play-boy Valdemar [S/D] Cisne Real 78
Luz do teu olhar/Hotel Avenida (1962) Guanabara 78
Tamborim no Kibbutz/Garota bossa-nova (1963) Magisom 78
Palhaço/Melodia do céu (1964) Repertório 78
Ressucitou/O grande inventor [S/D] Trovador 78

______________________________________________________
Fonte: Memória da MPB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário