segunda-feira, dezembro 30, 2013

Aldo Taranto

Aldo Taranto (1918 São Paulo, SP), maestro, compositor e arranjador, iniciou a carreira artística como compositor no começo da década de 1930. Em 1931, seu samba Candinha, com André Filho, foi  gravado por Sílvio Caldas, e as canções Flor agreste, com João Martins, e Naquele altar, foram lançadas na Victor por Gastão Formenti.

Em 1933, compôs com Donga, o samba Quando você morrer, gravado por Carmen Miranda. No ano seguinte, teve nova música gravada por Carmen Miranda, a marcha Agora não, parceria com Valfrido Silva.

Teve também no mesmo ano, o samba Eternamente, e a valsa Esquecer, com Osvaldo Santiago, e a canção Perjúrio, com Valentina Biosca, gravadas na Victor por Gastão Formenti.

No começo da década de 1940, passou a dirigir sua própria orquestra. Em 1941, acompanhou com sua orquestra, na Columbia a dupla Joel e Gaúcho na gravação da valsa Sempre o mesmo Rio..., de João de Barro e Alberto Ribeiro, e da rancheira Cabocla do coração, de Constantino Silva. Em 1947, seu bolero Os cabelos de Maria, parceria com José Mauro e Geraldo Mendonça, foi gravado na Continental por Dircinha Batista.

No início da década de 1950, foi diretor musical dos Discos Rádio. Em 1952, fez os arranjos para o LP Poeta da Vila - Sambas de Noel Rosa gravados por Marília Batista, o primeiro lançado pelo selo Rádio da Rádio Serviços e Propaganda Ltda. Por essa época, compôs jingles comerciais em parceria com o compositor e jornalista Antônio Maria.

Em 1954, seu tango Taça do amargor, com Romeu Fernandes, foi gravado na Sinter por Romeu Fernandes. Nesse ano, acompanhou com sua orquestra na Continental, o cantor Vicente Celestino na gravação das canções Nas asas brancas da saudade, Renúncia em prantos e Entre lágrimas, na toada-canção Dileta, e na valsa Noite cheia de estrelas, de Cândido das Neves; na canção-patriótica Meu Brasil, de Pedro de Sá Pereira e Olegário Mariano; na serenata Os milhões de arlequim, de Drigo, e na valsa Último beijo, de W. Paans e Eustórgio Wanderley.

Em 1955, teve os boleros Um caso de amor e Um dia a menos, e o beguine Exatamente agora gravados Waldir Calmon e Seu Conjunto no LP Ritmos melódicos Nº 1, e o bolero Foi assim no LP  Ritmos melódicos Nº 3 também com Waldir Calmon e Seu Conjunto, ambos da gravadora Rádio. Em 1956, acompanhou com seu conjunto ao cantor Eurístenes Pires na gravação da balada Oh! Mar e no bolero Amor ao luar, ambas de Eurístenes Pires.

Em 1957, o bolero Tudo é amor foi lançado por Waldir Calmon e Seu Conjunto no LP Feito para dançar Nº 6 da gravadora Rádio.  Em 1959, lançou pelo selo Internacional CID o LP Sonhos, amor e violinos interpretando com sua orquestra as composições Por causa de você, de Tom Jobim e Dolores Duran, A volta do boêmio, de Adelino Moreira, Abandono cruel, de Luis Soberano e Anicio Bichara, Vitrine, de Adelino Moreira, Se todos fossem iguais a você, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, Prece de amor, de René Bittencourt, Abismo, de Anísio Silva, Sonhando contigo, de Anísio Silva e Fausto Guimarães, Conceição, de Dunga e Jair Amorim, Ouça, de Maysa, Graças a Deus, de Fernando César, e Tudo foi ilusão, de Laerte Santos e Arcilino Tavares, todos grandes sucessos românticos da época.

No mesmo ano, o choro Manhoso foi gravado por Dionysio e Seu Quinteto no LP Sax e ritmo da gravadora Internacional CID, enquanto a canção Natal noite de amor foi incluída no LP Dançando com Papai Noel - Guimarães e Seu Conjunto do selo Internacional CID. No ano seguinte, Tudo é amor foi incluída por Dionysio e Seu Quinteto no LP Sax magia.

Em 1965, seu choro O saci na flauta, com José Mauro, foi gravado por Altamiro Carrilho no LP Choros imortais nº 2. Em 1968, no LP O sucesso continua, de Moreira da Silva, teve gravado o samba O velho não bobeia, parceria com Mário Rossi.

Em 1976, seu samba-canção Natal, noite de amor, com Nem, foi gravado por Ângela Maria.

Teve composições gravadas por Sílvio Caldas, Gastão Formenti, Carmen Miranda, Dircinha Batista, Moreira da Silva e Altamiro Carrilho, entre outros. Foi parceiro de Mário Rossi, Osvaldo Santiago, Ary Barroso, Valfrido Silva e André Filho, destacando-se como compositor e também como arranjador.

Obra

Agora não (c/ Walfrido Silva), Cabelos de Maria, Candinha (c/ André Filho), Devagar, senão eu caio, Esquecer (c/ Osvaldo Santiago), Eternamente (c/ Osvaldo Santiago), Exatamente agora, Flor agreste (c/ João Martins), Jurei me vingar, Labaredas do amor (c/ Ary Barroso), Manhoso, Naquele altar, Natal, noite de amor (c/ Nem), O saci na flauta (c/ José Mauro), O velho não bobeia (c/ Mário Rossi), Os cabelos de Maria (c/ José Mauro e Geraldo Mendonça), Perjúrio (c/ Valentina Biosca), Poltrona surrada (c/ Antonio Maria), Taça do amargor (c/ Romeu Fernandes), Tudo é amor, Um caso de amor.


Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB - Bibliografia Crítica: AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982;    CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da Música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor , 1965; VASCONCELOS, Ary. Panorama da música popular brasileira. São Paulo: Martins, 1965.

Nenhum comentário:

Postar um comentário