sábado, setembro 08, 2007

Flor ardente

P. C. Pinheiro
Flor ardente - Mario Gil e Paulo César Pinheiro

Foi minha procura
Pela noite escura
Que selou a jura de depois
E a minha espera
Trouxe a primavera aos dois

Uma flor como nenhuma
Dissolveu a bruma
Num clarão de espuma
E um sândalo perfuma
O corpo que se inflama
O peito de quem ama
E essa flor em chama
Despetala luz na minha cama

Foi tua chegada
Flor iluminada
Que floriu a estrada de depois
E a claridade
Trouxe a eternidade aos dois

Foi procura e confiança
Espera e esperança
Estrela, fé, vontade
Foi assim, que assim somente
Brota a flor ardente
Da felicidade