sexta-feira, novembro 21, 2008

O doutor não gosta

"Na década de 50, houve, no Rio, um delegado arbitrário – com isso quero dizer que ele fugindo à regra, era muito arbitrário, brutal mesmo – que tinha como uma das suas atitudes mais gratas agredir prostitutas, espancando-as com requinte de crueldade. Metido a moralista, baixou norma que era proibido rapazes dirigirem gracejos às moças. Dirigir piada, como se dizia na época. Por aquela época foi instituído o princípio que para ser delegado era exigido o diploma de bacharel em direito, por essa via, doutor era sinônimo de delegado.

Ora, todos sabemos, que há gracejos e gracejos. Alguns envaidecem as mulheres outros são grosseiros; outros ainda são de um mau gosto a toda prova. Entretanto, comportamento humano não se combate com leis, mas com educação, porém o doutor Padilha – esse era seu nome – queria educar a população na pancada. Suas arbitrariedades foram toleradas por algum tempo pelas autoridades que lhe eram superiores, até que ele caiu no ridículo, como essa marchinha de carnaval..."

O doutor não gosta (marcha/carnaval, 1952) - Arnô Provenzano e Otolindo Lopes - Interpretação de Risadinha



Não se pode mais mexer
Com uma mulher
O Doutor não gosta
O Doutor não quer
A cadeia para o inconveniente
Mas será gozado
Se a mulher mexer com a gente.

Que branco bonito
Que morenão
Que preto frajola
Que mulatão
Desse jeito, minha gente
É um chuá
O homem ir passando
E a mulher assoviar (assovio!).


Fonte: Valença Agora Online - Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário