sexta-feira, maio 07, 2010

Risadinha

Risadinha (Francisco Ferraz Neto), compositor e cantor, nasceu em São Paulo SP, em 18/3/1921, faleceu no Rio de Janeiro RJ, em 3/6/1976. Estudou em escolas públicas e, sem nunca ter aprendido música, começou a compor em 1935.

Jardim de ilusões
(com Rubens Santos) foi sua primeira composição. Depois de ter trabalhado durante dez anos em circos, boates e teatros paulistas, fez sua estréia na Rádio Cosmos, em São Paulo, passando, em 1938, para a Rádio Cruzeiro do Sul.

Em 1945 transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde se apresentou na Rádio Mayrink Veiga e depois na Nacional, destacando-se como cantor e compositor de Carnaval.

Gravou seu primeiro disco pela Odeon, em 1950, cantando Faran-fan-fan (O. Silva e Olegário Lima) e o choro Lar vazio (Wilson Batista e Nóbrega Macedo). Especializou-se no samba de breque, tornande-se um dos melhores intérpretes do gênero, e durante mais de dez anos marcou sua presença nos Carnavais, sempre com músicas de sucesso.

Lançou, para o Carnaval de 1953, Se eu errei (com Humberto de Carvalho e Edu Rocha), composição que teve cerca de 20 regravações; em 1956 destacou-se com Saco de papel (com Haroldo Lobo) e Vou botar pra jambrar (com Jarbas Reis). Nesse mesmo ano, gravou seu primeiro LP pela Continental — Na batida do samba, canta Risadinha com Vadico e sua orquestra — e participou do filme Vou te contá, de Alfredo Palácios.

Para o Carnaval de 1960 fez Cacareco é o maior (com José Roy), que ele mesmo gravou com sucesso; para o de 1963, Cadê Brigitte (com José Roy); para o de 1964, Deixa meu pranto (com Ivo Santos), Quem me vê sorrir (com Ivo Santos) e Garota bossa nova.

Ainda na década de 1960, lançou outro LP pela Continental, De Cabral a Brasília, e, em 1975, um ano antes de morrer, recebeu o título de cidadão carioca, da Câmara dos Deputados do Estado do Rio de Janeiro. Como compositor usava o pseudônimo de Francisco Neto.

Obras

Cacareco é o maior (c/José Roy), 1960; Cadê Brigitte (com José Roy), 1963; Deixa meu pranto (c/ivo Santos), 1964; Jardim de ilusões (c/Rubens Santos), 1935; Saco de papel (c/Haroldo Lobo), 1956; Se eu errei (c/Humberto de Carvalho e Edu Rocha), 1953.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e PubliFolha.