domingo, janeiro 26, 2014

Sérgio Britto

Sérgio Britto (Sérgio de Britto Álvares Affonso), instrumentista, compositor, cantor, tecladista e violonista, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 18/09/1959. Segundo filho de Lygia e Almino Affonso viveu até os cinco anos de idade entre Rio e Brasília onde o pai foi deputado federal, líder do PTB na Câmara e finalmente ministro do trabalho do governo João Goulart.

Em 1964, alguns meses após o golpe de estado que instaurou a ditadura militar no Brasil, Sérgio partiu com a mãe e os irmãos Rui, Gláucia e Fábio rumo ao exterior para reencontrar o pai já no exílio.

Foi alfabetizado em espanhol e viveu por quase dez anos em Santiago, no Chile. Seu pai nesse período foi funcionário das Nações Unidas e diretor da FLACSO (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais).

Sérgio Britto mostrou, desde muito cedo, inclinação pelas artes, especialmente por pintura. Durante o final da infância e o começo da adolescência dedicou-se a pintar e desenhar com rara aplicação.

De volta ao Brasil (logo no início do processo de redemocratização do país), em 1974, passou a estudar piano, violão e começou a esboçar as primeiras composições. Por volta dessa mesma época cursou ainda as faculdades de Artes Plásticas na FAAP e Filosofia na USP sem chegar a concluir nenhuma das duas: àquela altura sua única vontade era a de ser "compositor popular".

No começo dos anos oitenta junto com ex-companheiros do Colégio Equipe, onde cursara o ensino médio, formou a banda Titãs. Em 1982 o primeiro disco do grupo é lançado com grande êxito. Além do hit Sonífera ilha, este trabalho incluia Go back e Marvin (ambas de sua autoria), que também marcariam época.

Em 1986 os Titãs lançam Cabeça Dinossauro tido , até hoje, como um dos mais importantes discos de rock da história da música popular brasileira.

Sérgio tem 28 anos de carreira e durante esse tempo, junto aos Titãs, vendeu, literalmente, milhões de discos, ganhou inúmeros prêmios e conquistou o respeito da crítica e do público. É compositor (em parceria ou como único autor) de grandes sucessos como por exemplo Enquanto houver sol, Diversão, Homem primata, Flores, Porque eu sei que é amor, Nem cinco minutos guardados, A melhor banda de todos os tempos da última semana, etc.

Em 2001 Sérgio Britto lançou o seu primeiro disco solo A minha cara e cinco anos mais tarde, em 2006, Eu sou 300 do qual se destacou o single Raquel (D.D.D).

É, entre seus colegas de banda, quem tem o maior número de músicas gravadas. Algumas delas como por exemplo Epitáfio, Comida, Miséria, Go Back e Desordem foram inclusive regravadas por grandes nomes da MPB tais como Gal Costa, Maria Bethania, Jorge Vercilo, Marisa Monte, Fabio Jr, Paralamas do Sucesso, Fafá de Belém, Adriana Calcanhoto e Ney Matogrosso, entre outros.

Atualmente Sérgio está lançando pela Midas Music o seu terceiro disco solo intitulado SP55. Este trabalho conta com as participações especiais de Wanderléa, Marina de La Riva, Negra Li e a dupla de DJs Drumagick e é um cruzamento feliz entre MPB, Bossa-Nova e música POP.

Obra

A minha cara (c/ Marcelo Fromer), AA - UU (c/ Marcelo Fromer), Amanhã não se sabe, Bichos escrotos (c/ Arnaldo Antunes e Nando Reis), C. V. V. Boa noite, Cama, mesa e banho, Carrossel, Dentes (c/ Branco Mello e Marcelo Fromer), Desordem (c/ Marcelo Fromer e Charles Gavin), Deus e o diabo (c/ Paulo Miklos e Nando Reis), Diversão (c/ Nando Reis), Domingo (c/ Toni Belotto), Epitáfio, Era uma vez (c/ Marcelo Fromer, Toni Bellotto, Branco Mello e Arnaldo Antunes), Eu e você, Flores (c/ Charles Gavin, Antonio Belloto e Paulo Miklos), Go back (c/ Torquato Neto), Igual a todo mundo (c/ Marcelo Fromer), Insensível, Lugar nenhum (c/ Arnaldo Antunes, Charles Gavin, Marcelo Fromer e Toni Bellotto), Marvin (R. Dunbar e G. N. Johson - Versão: Sérgio Britto e Nando Reis), Massacre (c/ Marcelo Fromer), Miséria (c/ Arnaldo Antunes e Paulo Miklos), O bem, o mal (c/ Torquato Neto), O que querem que eu faça (com tanto sol), Os olhos do sol (c/ Arnaldo Antunes), Palavras (c/ Marcelo Fromer), Pedras preciosas, Pensamento 2, Só lembrança.


Fonte: Wikipédia.