sábado, novembro 06, 2010

Gomes Cardim


Gomes Cardim (Oscar Gomes Cardim), compositor e radialista, nasceu em São Paulo, SP, em 12/3/1907. Filho de um professor e uma jovem de tradicional família paulista, começou a interessar-se pela música ainda criança quando ficava ouvindo seu avô, o maestro João Pedro Gomes Cardim tocar piano.

A partir dos sete anos de idade passou a frequentar a escola Caetano de Campos onde fez os cursos primário e complementar. Aos 14 anos, ingressou na Escola Normal e também no Conservatório Dramático e Musical, começando a estudar violino e logo trocando pelo aprendizado de piano.

Em 1934, interessado em seguir a carreira artística na música popular, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde atuou como radialista tornando-se amigo de inúmeros artistas como Carolina Cardoso de Meneses, Zé Bacurau, Manoel da Nóbrega, Didi Vasconcelos, Albenzio Perrone, Diamantina Gomes, Lauro Borges, Paulo Roberto, Almirante e outros.

Foi fazer uma visita à Rádio Cajuti, na Rua 13 de Maio, centro do Rio de Janeiro, na ocasião em que estava sendo apresentado o programa de calouros dirigido pelo radialista Paulo Bevilaqua. Sentou-se inadivertidamente na primeira fila, reservada aos calouros do programa e acabou sendo chamado para ir ao microfone. Mesmo sem ter preparado nenhuma apresentação resolveu aproveitar a chance, dizendo vir de São Paulo. No microfone, disse que sabia contar piadas, declamar, tocar piano e cantar paródias. Depois de sua apresentação, a Rádio recebeu inúmeros telefones de elogios à sua apresentação.

Quem também muito apreciou seus dotes artísticos foi um representante da firma Irmãos Guimarães, proprietária da Casa Lotérica Esquina da Sorte, que lhe ofereceu um contrato de patrocínio para a apresentação de um programa diário na Rádio Educadora do Brasil com o título de "Programa da cidade".

Atuou ainda em outras Rádios como a Ipanema e Transmissora Brasileira, posteriormente Rádio Globo, na qual permaneceu por nove anos. Em seus programas foram lançados nomes como Emilinha Borba, Zé da Zilda, Jorge Veiga, e Caçulinha. Entre outros, criou o programa "A Hora do sentenciado", transmitido diretamente da casa de correção com a participação e colaboração dos detentos.

Como compositor passou a ter músicas gravadas a partir da década de 1940. Em 1944, fez com Felisberto Martins o vira Vira, vira Maria! gravado pelo cantor Manoel Monteiro na Odeon. No mesmo ano, teve a marcha Canto da pátria gravada pelo Coro de Cadetes da Escola Militar de Realengo e pela Banda da Escola Militar de Realengo.

Em 1945, teve o fado-canção Pátria distante gravado por Manoel Monteiro e a valsa Alguém que sofre, com Felisberto Martins, lançada pelo cantor Ruy de Almeida, ambas na Odeon. Em 1947, a marcha O azar é seu foi gravada pelo Trio de Ouro na Odeon. Em 1948, teve a marcha Não me falte a lua, com Fernando Martins, e o samba Você chorou, com Noel Vitor, gravadas por Wilson Roberto na Odeon. No mesmo ano, os Trigêmeos Vocalistas registraram a marcha Eta cabrocha boa, com Felisberto Martins, também na Odeon.

Fez sucesso nos anos 1950 com a valsa Onde está ele?, e com a marcha-rancho Meu São João, parcerias com Lêla. Em 1951, a valsa Seremos felizes, com Lela e Airton Amorim foi gravada por Francisco Carlos na RCA Victor, e a valsa Saudade do passado, com David Nasser e Francisco Alves foi lançada pelo Rei da Voz.

Teve gravado por Joel e Seu Ritmo Alegre a marcha Coisa louca, com Carvalhinho, em 1952. No mesmo ano, Paulo Fernandes gravou a marcha Quero, quero, com Lola Cardim. Em 1953, a cantora Leni Caldeira gravou na RCA Victor o samba-canção Ingratidão, com José Roy, e o cantor Wilson Roberto registrou, também na RC A Victor, o bolero Maria José, com Wilson Roberto. No mesmo ano, teve quatro composições lançadas pelo cantor Valdemar Roberto pela Sinter: os sambas O tempo dirá, Nosso destino e Conselho de amigo, e a valsa Não zombe da vida.

Para o carnaval de 1953, foram gravados por Alcides Gerardi a marcha Toca o bonde, com Ramalho Neto e Moisés Cardoso, e o samba Uma saudade e um adeus, com Rubens Campos e Lela Cardim, e pela Dupla de Ouro, o samba Nas mãos de Deus e a marcha Eu quero é chacoalhar.

Em 1954, Valdemar Roberto gravou o samba É tarde demais..., e o grupo Galãs do Ritmo lançou a marcha Brotinho, com Lela Cardim. No mesmo ano, Francisco Egídio gravou o samba Terra Bandeirante e o dobrado São Paulo das bandeiras, e Sônia Maria Dorse lançou a mazurca Minha infância e o poema Coração do Brasil, essas duas, parcerias com Lela Cardim.

Em 1957, o samba Retalhos de felicidade foi lançado na gravadora Copacabana pelo cantor Francisco Magno, e a valsa De joelhos te imploro foi gravada na Odeon por Mário Martins. Na mesma gravadora, a Banda Pacaembu e coro gravou a marcha Brazão preto e branco, com Jaime Moreira Filho.

Em 1958, ingressou na TV Paulista, posteriormente TV Globo, na qual permaneceu por seis anos como Diretor Musical, produtor e diretor de programas. Mudou-se depois para a cidade de Santos, São Paulo, onde assumiu a direção da Rádio Clube de Santos na qual durante seis anos produziu e dirigiu programas. Ainda em 1958, Dalva de Oliveira gravou a marcha Belezas do Rio, com Lela Cardim, Francisco Egídio o samba Greve de amor, com Antoninho Lopes, e Isaura Garcia o samba Eu jurei por Jesus, com José Roy, as três na Odeon.

Em 1963, sua Valsa das crianças, foi gravada por Gilberto Alves no LP Gilberto Alves de sempre nº 2 da gravadora Copacabana. Para o carnaval de 1965, compôs com Mirabeau e S. Lima a Marcha do pau d'água.

Obra

Adhemar, Alcebiades, Alguém que sofre (c/ Felisberto Martins), Arrelia, As armas, Bandinha na roça (c/ Lela Cardim), Bate bate coração (c/ Noel Vitor), Belezas do Rio (c/ Lela Cardim), Brasão preto e branco, Brotinho, Cabeça de repolho, Cala a boca Juvenal, Cançado de sofrer, Canto da pátria, Chegando a velhice, Coisa louca (c/ Carvalhinho), Colombina (c/ Nilo Silva), Cometa, Conceição, Conselho de amigo, Coração do Brasil, Coroa (c/ Lela Cardim), Covarde, De joelhos te imploro, É tarde demais, És tu Brasil (c/ Guio de Morais), Eta cabrocha boa (c/ Felisberto Martins), Eu e a lua, Eu jurei por Jesus (c/ José Roy), Eu quero é chacoalhar, Eu tenho uma nega (c/ Manezinho Araújo), Eu vi você, Fala a verdade (c/ Lela Cardim), Fuzarca, Gaivota das crianças (c/ Lela Cardim), Greve de amor (c/ Antoninho Lopes), Implorar a Deus, Ingratidão (c/ José Roy), Já era, Jardim dos beijos, Mãezinha (c/ Lela Cardim), Magui, Maravilha da nossa terra, Marcha da vitória, Marcha do Zé (c/ Celso Teixeira), Maria José, Maria Thereza, Maria...tome cuidado, Melodia siciliana, Meu passado, Meu ranchinho (c/ Lela Cardim), Meu sambinha (c/ Lela Cardim), Meu São João (c/ Lela Cardim), Minha infância (c/ Lela Cardim), Minha prece, Minha saudade (c/ Lela Cardim), Não é mulher (c/ Noel Vitor), Não me falte a lua (c/ Fernando Martins), Não zombe da vida, Não, não, não, Nas mãos de Deus, Nem bem nem mal (c/ Noel Vitor), Nenem (c/ Noel Vitor), Nossa resposta, Nosso destino, O azar é seu, O bobo é o maior (c/ Noel Vitor), O bom é gingar (c/ Lela Cardim), O que será, O retrato do Biriba, O tempo dirá, Passe bem mal, Pátria distante, Periquito no puleiro, Peruibe, Piolim, Pode o mundo acabar (c/ Lela Cardim), Praia Grande, Pregão de sorveteiro, Procurando eu (c/ Lela Cardim), Pula-pula, Quem não chora (c/ Felisberto Martins), Quero quero (c/ Lela Cardim), Rei dos picadeiros, Retalhos de felicidade, São Paulo das Bandeiras, Saudade do passado (c/ David Nasser e Francisco Alves), Segredo de amor, Segredo do mar, Senhor, Sereia (c/ Lela Cardim), Seremos felizes (c/ Lela Cardim), Simplício (c/ Lela Cardim), Sou de alguém, Sou Tupiniquins (c/ Lela Cardim), Tá no bolso de alguém (c/ Noel Vitor), Terra Bandeirante, Thomé, Toca o bonde, Tristeza de Pierrot (c/ Lela Cardim), Um adeus (c/ Lela Cardim), Uma saudade e um adeus (c/ Lelo e Rubens Campos), Valsa das crianças, Valsa das crianças (c/ Lela Cardim), Vida de pobre, Vila Magestosa (c/ Mário Rossi), Vila Magestosa (c/ Lela Cardim), Vila mirim (c/ Lela Cardim), Vira...vira Maria (c/ Felisberto Martins), Você chorou (c/ Noel Vitor), Vou-me embora (c/ Lela Cardim e Pilo).

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular do Brasil.