quinta-feira, dezembro 30, 2010

Maestro Formiga

Ademir de Souza Araújo
Maestro Formiga (Ademir de Sousa Araújo), compositor, instrumentista, arranjador e regente, nasceu em Recife, PE, em 15/10/1942. Estudou com José Otávio dos Prazeres, José Gonçalves Lima e com os padres Jaime Dinis e René Maria.

Foi regente titular da Banda Municipal do Recife de 1970 a 1977. Na categoria de maracatu, suas composições foram campeãs do Carnaval, no concurso da prefeitura municipal de Recife, nos anos de 1965, 1967, 1968, 1971 e 1978.

Também em 1971 venceu o festival de frevos dos Diários Associados com o frevo-de-rua Alô Recife.

Compõe tanto no gênero popular (maracatu, frevos, sambas etc) como no erudito (estudos para piano, flauta, oboé, poemas sinfônicos etc).

Em 1975 compôs a Grande abertura Diário de Pernambuco, para orquestra sinfônica, banda militar e coro, executada em primeira audição em 7 de novembro desse ano, na Praça da Independência, Recife, por ocasião das comemorações dos 150 anos do mais antigo jornal da América Latina.

Criou, em 1976, e regeu a Orquestra Popular do Recife.

No Carnaval de 1980, com a Orquestra Popular e o cantor Claudionor Germano, participou do lançamento da Frevioca (orquestra volante de frevos criada pelo pesquisador Leonardo Dantas Silva), que se mantém até hoje nas ruas do Recife como principal rival dos trios elétricos.

Em 1982 foi convidado para produzir o disco Carnaval do Nordeste n.° 2, selo Mocambo, distribuído pela Sudene em vários países. Foi o vencedor do Frevança — Encontro Nacional do Frevo e do Maracatu, promovido pela Fundação de Cultura Cidade do Recife e Rede Globo Nordeste, com as seguintes composições: Águia de ouro, 1980; Formiga está de volta, 1981; Tonico está de volta, 1982; Maracatu indiano (c/Romero Amorim), 1982; Andréa no frevo, 1989.

Obra

Acorda, gente, frevo-de-rua, s.d.; Águia de Ouro, maracatu-rural, 1980; Aí vêm os palhaços, frevo-de- rua, s.d.; Alegria do Norte, maracatu, 1978; Alô, Recife, frevo-de-rua, s.d.; Andréa no frevo, frevo-de-rua, 1989; Dia de festa, maracatu, 1975; Dona Santa (c/José Amaro da Silva), maracatu, 1976; Formiga está de volta, frevo-de-rua, 1981; Grande abertura sinfônica, 1975; Maracatu indiano (c/Romero Amorim), maracatu, 1982; Prelúdio de maracatu, 1983; Regresso de maracatu, 1983; Tonico está de volta, frevo-de-rua, 1982. 

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - 1998