terça-feira, dezembro 21, 2010

Noel Rosa de Oliveira

Noel Rosa de Oliveira
Noel Rosa de Oliveira, compositor, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 15/7/1920, e faleceu na mesma cidade, em 19/3/1988. Nascido e criado no morro do Salgueiro, era tido como mascote da roda de partido-alto que se reunia em frente à venda do pai.

Com 13 anos, começou a compor para um bloco de morro, sendo sua primeira música Adeus, minha companheira. Pouco depois, por intermédio de um amigo do pai — Casimiro Calça Larga — foi admitido na Unidos do Salgueiro, uma das três escolas de samba daquele morro, na época.

Nos anos seguintes, passou por outras escolas: Príncipe da Floresta, Azul e Branco e Depois Eu Digo, onde ficou cerca de cinco anos. Trabalhou nesse período como pedreiro, serviu o Exército de 1939 a 1942, e foi funcionário do Ministério da Guerra.

Em 1939 voltou para a Unidos do Salgueiro, onde foi diretor de harmonia até 1954.

Na década de 1940 cursou escola de Aeronáutica, trabalhou numa cervejaria e numa cerâmica e tornou-se motorista profissional, trabalhando nessa função até se aposentar duplamente, como motorista e músico.

Falam de mim (com Éden Silva e Aníbal Silva) foi sua primeira composição gravada, em selo Continental, em 1948, pela dupla Zé da Zilda e Zilda do Zé

Compôs em 1952 o samba-enredo da Unidos do Salgueiro, Homenagem a Getúlio Vargas e, em 1955, acompanhou a fusão das escolas do morro, passando a fazer parte do G.R.E.S. Acadêmicos do Salgueiro. 

Com Nilo Moreira da Silva, fez o samba Assim não é legal, em 1957, e três anos depois compôs, em parceria com Anescar do Salgueiro e Walter Moreira, o samba-enredo Quilombo dos Palmares, que obteve o primeiro lugar no desfile da avenida. 

Em 1963, novamente conseguiu o primeiro lugar no desfile das escolas, com Chica da Silva (com Anescar do Salgueiro), samba-enredo que lhe deu fama. 

No ano de 1965, o cantor Noite Ilustrada gravou com sucesso a música O neguinho e a senhorita, regravada pela cantora Elza Soares em compacto simples pela gravadora Odeon e  no ano seguinte, Jair Rodrigues obteve sucesso com Vem chegando a madrugada, de sua autoria com Zuzuca do Salgueiro.

Atuou como cantor em shows, rádio e televisão, participou de 1966 a 1968 do conjunto A Voz do Samba, e desde 1972 do grupo Partideiros do Plá. 

Tocava todos os instrumentos de percussão e compôs mais de quarenta músicas, entre sambas, partidos-altos e batucadas, em parceria com Aníbal Silva, Haydée Bandina de Almeida, Iraci Antônio Serra, Abelardo Silva, Duduca (Eduardo de Oliveira) e Zuzuca, entre outros. 

Obra

Água do rio (c/Anescar do Salgueiro), samba, 1964; Assim não é legal (c/Nilo Moreira da Silva), samba, 1957; Chica da Silva (c/Anescar do Salgueiro), samba-enredo, 1963; Falam de mim (c/Éden Silva e Aníbal Silva), samba, 1948; Homenagem a Getúlio Vargas, samba-enredo, 1952; O neguinho e a senhorita (c/Abelardo da Silva), samba, 1964; Quilombo dos Palmares (c/Anescar do Salgueiro e Walter Moreira), samba-enredo, 1960; Vem chegando a madrugada (c/Zuzuca), batucada, 1965.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - 1998.