sexta-feira, janeiro 21, 2011

Lobão

Lobão, pioneiro na incorporação de elementos de samba e chorinho ao rock da década de 1980
Lobão (João Luís Woerdenbag Filho), compositor, instrumentista e cantor, nasceu no Rio de Janeiro RJ, em 11/10/1957. Pioneiro na incorporação de elementos de samba e chorinho ao rock-and-roll da década de 1980, iniciou a carreira como baterista do grupo Vímana, que incluía Lulu Santos e Ritchie e que gravou um compacto pela Som Livre em 1977, com Zebra e Masquerade, participando também do LP Ave noturna, de Fagner.

Foi baterista do Blitz, mas saiu antes de começarem a gravar o primeiro disco, por discordar do estilo pop comercial da banda. Assinou contrato com a RCA e gravou em 1982 seu primeiro disco solo, Cena de cinema, no qual se destacou a faixa Me chama, regravada por Marina.

No disco Vida bandida, de 1989, passou a incorporar elementos de samba em seu trabalho. Sua versatilidade e ecletismo levaram-no a compor um fox-trot, A deusa do amor (com Bernardo Vilhena), que gravou em dueto com Nelson Gonçalves, em 1987, no LP de Nelson Nós (RCA/BMG).

Mudando para a gravadora Virgin em 1995, lançou o CD Nostalgia da modernidade, disco marcado presença do samba. Parte da crítica mais uma vez reagiu mal e o público roqueiro estranhou a mudança, resultando em novo fracasso comercial. 

O mesmo ocorreu com o CD seguinte, Noite, de 1998, este mais eletrônico. Sempre polêmico, após vários problemas com gravadoras, lançou em 1999 o primeiro CD independente, A vida é doce, acompanhado por uma revista-manifesto, sendo vendido apenas nas bancas de jornal. O disco vendeu cerca de 97 mil cópias. 

Neste mesmo ano, deu início a uma campanha contra as gravadoras e conseguiu a vendagem recorde de 100 mil cópias (numeradas) de seu disco A vida é doce, apenas divulgando nas rádios comunitárias de todo o país, principalmente as do Rio de Janeiro. 

Logo depois, vários artistas partiram para essa solução alternativa para a vendagem de seus discos independentes. No mesmo ano, esteve internado por 15 dias, em estado de coma, por misturar álcool com barbitúricos.

No ano 2000, ao lado de Elza Soares, Os Cariocas e Pedro Luís e a Parede, fez o show de encerramento do projeto Novo Canto (que lançou novos talentos como Vander Lee, Patrícia Mello, Andréa Dutra, Dudu Salinas, Elisa Queirós, Andréa Marquee, André Gabhé e Guima Moreno, entre outros).

Em 2001, no Ballroom, apresentou o show Lobão 2001 - Uma Odisséia no universo paralelo. O show foi transformado em um disco ao vivo, gravado pelo canal Multishow. Na ocasião, como declarou o compositor: "A concentração é no repertório recente, sem nostalgia".

Em 2002 lançou por seu selo Universo Paralelo o CD Uma odisséia no universo paralelo. O disco trouxe as inéditas Lullaby e Para o mano Caetano e as pouco conhecidas de discos anteriores A noite e Nostalgia da modernidade, entre outras.

Em 2003, lançou, pelo seu Selo Fonográfico Universo Paralelo, o CD Canções dentro da noite escura, disco no qual apresentou as inéditas Capitão Gancho, de sua autoria e ainda uma parceria inédita com Cazuza Seda, e outra também inédita com Júlio Barroso Quente. Lançou a revista Outra coisa, na qual foi encartado o CD Enxugando gelo, do cantor e compositor B Negão, também lançado pelo selo Universo Paralelo.

No ano de 2004, participou do debate e evento "A arte da crítica" sobre música popular no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) que reuniu, Tárik de Souza, Arthur Dapieve e Hugo Sukman, entre outros.

Em 2007 lançou, pela gravadora Sony& BMG, o CD Acústico MTV, disco no qual interpretou alguns de seus maiores sucessos e outras composições não tão conhecidas do grande público, entre os sucessos e as pouco menos conhecidas destacamos Me chama, Corações psicodélicos, Quente, Bambino, Noite e dia (c/ Júlio Barroso), Essa noite não, O mistério (c/ Ritchie e Lulu Santos), A queda, A vida é doce, El desdichado II, Canos silenciosos, A gente vai se amar, Rádio Blá, Por tudo que for, Você e a noite escura, Pra onde você vai, Vou te levar, Décadence avec Élégance, entre outras.

Entre seus intérpretes destacam-se João Gilberto e o grupo Biquini Cavadão na emblemática Me chama.

Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha; Dicionário Cravo Albin da MPB.