sexta-feira, janeiro 28, 2011

Luiz Heitor

Luiz Heitor
Luiz Heitor (Luiz Heitor Correa de Azevedo), musicólogo e folclorista, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 13/12/1905, e faleceu em Paris, França, em 10/11/1992. Iniciou estudos musicais em 1923, no I.N.M., onde foi aluno de piano de Alfredo Bevilacqua (de 1924 a 1925) e de Charley Lachmund (de 1927 a 1928). Estudou harmonia, contraponto e fuga com Paulo Silva.

Escreveu nos jornais O Imparcial (1928-1929) e A Ordem (1929-1930), do Rio de Janeiro, e colaborou em diversas publicações especializadas, nacionais e estrangeiras. Ao lado de Luciano Gallet, Lorenzo Fernandez, Antonieta de Sousa e outros, em 1930 fundou a Associação Brasileira de Música, da qual foi secretário até 1933, e presidente em 1934 e 1935.

Em 1932 sucedeu a Guilherme de Melo no cargo de bibliotecário do I.N.M. De 1932 a 1936 organizou e publicou o Arquivo de Música Brasileira, e de 1934 a 1942 organizou e dirigiu a Revista Brasileira de Música. Com Agostinho de Almeida, fundou a Associação dos Admiradores de Francisco Manuel, sendo seu presidente até 1947.

Em 1937, com Luís Gonzaga Botelho e outros, foi o fundador da Sociedade Pró-Música que, além de manter uma orquestra, promovia concertos e concursos.

Em 1939 tornou-se o primeiro ocupante da cátedra de folclore nacional da então E.N.M.U.B., atual E.M.U.F.R.J. Dois anos depois foi convidado pela União Pan-Americana para exercer as funções de consultor da sua divisão de música, em Washington D C, EUA. Nos seis meses que aí passou, participou de congressos e realizou conferências.

Em 1943 fundou, na E N.M.U.B., o primeiro centro de pesquisas folclóricas do país. Colaborou na seção de música da revista Cultura Política, de 1941 a 1945. Em 1944 e 1945 escreveu folhetins e artigos sobre música no jornal A Manhã, do Rio de Janeiro.

De 1945 a 1948 foi membro da Comissão Nacional do Livro Didático. Em 1947 foi convidado para dirigir os serviços de música da UNESCO, transferindo-se para Paris, França. Nesse cargo, foi o responsável pela criação do Conselho Internacional de Música e pela publicação da série Archives de la musique enregistrée.

Com a criação do Instituto de Altos Estudos da América Latina, na Universidade de Paris, de 1954 a 1958 realizou uma série de cursos sobre históría da música. Aposentou-se pela UNESCO em fins de 1965 e pela E.M.U.F.R.J. em junho de 1967.

Membro da Academia Nacional de Música desde sua criação, em 1967, esteve nos EUA como professor visitante da Universidade de Tulane, em New Orleans (1967-1968) e da Universidade de Indiana, em Bloomington (1969).

A partir de 1969 foi membro do Conselho Internacional de Música, tendo pertencido ao seu comitê executivo, com sede em Paris, onde faleceu.

Publicou, entre outras obras, Dois pequenos estudos de folclore musical, Rio de Janeiro, 1938; Escala, ritmo e melodia na música dos índios brasileiros, Rio de Janeiro, 1938; Relação das óperas de autores brasileiros, Rio de Janeiro, 1938; A música brasileira e seus fundamentos, Washington, 1948; Música do tempo desta casa, Rio de Janeiro, 1950; Música e músicos do Brasil, Rio de Janeiro, 1950; Bibliografia musical brasileira (1820—1950) (em colaboração com Cléofe Person de Matos e Mercedes de Moura Reis), Rio de Janeiro, 1952; 150 anos de música no Brasil (1800—1950), Rio de Janeiro, 1956. 

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - São Paulo -2a. Edição - 1998.