segunda-feira, janeiro 03, 2011

Orlando Correa

Orlando Correa (Orlando José Correa), cantor, nasceu em 05/12/1928 na cidade de Niterói-RJ, e faleceu em 2002 no Rio de Janeiro-RJ.

Em 1947, apresentava-se em circos, pavilhões e night clubes, quando foi descoberto pelo cantor Cyro Monteiro cantando num parque de diversões em Niterói. Assinou contrato na Rádio Mayring Veiga e começou a se apresentar no Programa Casé até 1948, quando se transferiu para a Rádio Guanabara.

Foi intérprete de várias composições da dupla Wilson Batista e Jorge de Castro. Gravou também músicas de importantes compositores como Pedro Caetano, José Maria de Abreu Claudionor Cruz, João de Barro e Antônio Almeida.

Gravou seu primeiro disco em 1949, pelo selo Star, para a qual foi levado por Ataulfo Alves, com o samba Casa sem luz, de Luiz de França e José Pacheco e o samba-canção Meditando, de Soares Moutinho e José Lourenço.

Em 1950, foi contratado pela gravadora Todamérica e lançou o samba Minha mão à palmatória, de Antônio Almeida e Ruy de Almeida e a marcha Tourada sem espada, de Afonso Teixeira e Jorge de Castro com acompanhamento de conjunto regional. No ano seguinte, gravou para o carnaval os sambas Meu sonho é você, de Altamiro Carrilho e Átila Nunes e Velho marinheiro, de Alberto Ribeiro e Wilson Batista. Nesse ano, transferiu-se para a Rádio Clube do Brasil e no final do mesmo ano foi para a Rádio Tupi, na qual permaneceu por 29 anos.

Gravou em 1952 os sambas Onde estás amor?, de José Maria de Abreu e Antônio Domingues, Longe de ti, de Napoleão de Oliveira Pimenta e Nair Firme de Castro, Tormento, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz e Palhaço, de Nelson Cavaquinho, Arlindo Marques Júnior e Roberto Roberti.

No ano seguinte lançou os sambas Martírio, de Wilson Batista, Roberto Roberti e Arlindo Marques Jr e O que tem que acontecer, de Norival Reis e Alberto Rego. Gravou também com o Trio Madrigal para as festas de fim de ano o samba-canção Natal sem você, de Bruno Gomes e Jorge de Castro e as canções Noite feliz e Meu pinheirinho, com adaptação de Antônio Almeida.

Em 1953, gravou o samba Sistema nervoso, de Wilson Batista, Roberto Roberti e Arlindo Marques Jr, que obteve grande sucesso, consolidando-lhe o prestígiono meio radiofônico.

Gravou em 1954 dois sambas de Luiz Bandeira, Nuvem, parceria com Manoel Malta e Quase, com Jota Júnior . No mesmo ano, gravou de Wilson Batista e Jorge de Castro o samba Drama de amor e a marcha Carmen.

Em 1955, gravou os sambas Mar, imagem da vida, de Alberto Ribeiro, Remorso, de José Maria de Abreu e Pedro Caetano e Ela chegou, de Norival Reis; a valsa Serenata suburbana, de Capiba e a marcha Um brasileiro em Paris, de Wilson Batista e Jorge de Castro.

Estreou em na RCA Victor em 1956, gravando o bolero Alucinação, de Lourival Faissal e Jorge de Castro e a toada Sereia, de Haroldo de Almeida e Otávio Teixeira com acompanhamento da Orquestra RCA Victor. No mesmo ano, gravou com acompanhamento de orquestra e coro as marchas Jogado fora, de Geraldo Queiroz e Cigano, de Wilson Batista e Jorge de Castro.

Gravou no ano seguinte o samba-canção Fracassos de amor, de Tito Madi e Milton Silva, o fox-canção Que sejas feliz, de C. Velasquez e versão de Moacir Silva, a valsa Copacabana à noite, de Wilson Batista e Jorge de Castro e o samba-canção Não vivo sem você, de Santos Garcia.

Em 1958, gravou para o carnaval o samba Lealdade, de Valdemar Gomes, Raul Marques e Oldemar Magalhães e a marcha Deixai vir a mim as mulheres, de Wilson Batista e Jorge de Castro. Nesse ano, gravou também os sambas-canção Maria do céu, de René Bittencourt, Desespero de causa, de José Utrini e Jorge de Castro e Não tenho ninguém, de Alberto Jesus e Luiz de França e o bolero Volta, de Alvarenga, Ranchinho e Geraldo Serafim.

Transferiu-se para a gravadora Continental em 1959 estreando com o samba Boêmio aposentado, do compositor baiano Gordurinha e o fox Conhecer-te, de D'Anzi, com versão de David Nasser. No mesmo ano, gravou com acompanhamento de orquestra e coro a marcha Naquela base, de Wilson Batista, José Utrini e Jorge de Castro e o samba Vai saudade, de Edu Rocha, Milton Legey e Sebastião Ramos.

Intercalando gravações de sambas e marchas com músicas românticas como boleros e sambas-canção, lançou em 1960 o bolero Como se deve amar, de Guilherme Pereira e a valsa Retrato de amor, de Ori Dourado e J. André.

Para o carnaval do ano seguinte, gravou a marcha Salve a brotolândia, de João de Barro, Norival Reis e Jorge Duarte e o samba Candango feliz, e Wilson Batista, Antônio Almeida e Jorge de Castro com acompanhamento de Orquestra Carnavalesca. Também em 1961 gravou a marcha Tem mulher 'tô' lá, de João de Barro e o samba Lá do alto, e Jota Júnior e Castelo.

Em 1962, gravou o samba-canção Garçon confidente, de Jorge de Castro e Murilo Latini e o samba Coisas do passado, de Jorge de Castro e Alberto Jesus. No ano seguinte, lançou um último disco em 78 rpm pela gravadora Continental com a marcha A vida é bela, de Klécius Caldas e Rutinaldo e Ai de quem rega saudades, e João de Barro e J. Júnior. Nesse ano, transferiu-se para o selo pernambucano Mocambo e lançou de Adelino Moreira o bolero Parece que foi ontem e o samba-canção Aviso. Um ano depois lançou a marcha Eclipse, de Adelino Moreira e Celso Castro e o samba Quis fazer de mim palhaço, de Raul Marques, Otávio Lima e Odair Correia.

Em 1963, gravou pela Philips o LP Meu sonho é você, que incluía um pot-pourri de músicas de Ary Barroso.

Em 1965, passou a apresentar na Rádio Tupi o programa Audição Orlando Corrêa-Sala de Visitas Gebara, que alcançou algumas vezes a liderança do horário em que era apresentado e que durou dez anos no ar. No final da década afastou-se da vida artística como cantor continuando a presentar seu programa na Rádio Tupi até 1975.

Em 1972, foi escolhido como o melhor cantor entre todos os contratados das Emissoras Associadas. Lançou 37 discos em 78 rpm pelas gravadoras Star, Todamérica e RCA Victor.

Em 1990, o selo Phonodisc lançou o LP Grandes sucessos da década de 50 no qual aparecem suas interpretações para os sambas Meu sonho é você e Sistema nervoso, seus dois maiores sucessos, especialmente o último. Em 2002, o selo Revivendo lançou o CD Meu sonho é você com 23 interpretações do cantor incluindo Sistema nervoso, Serenata suburbana, Desespero de causa, Velho marinheiro e Meu sonho é você.

Discografia

(2002) Meu sonho é você • Revivendo • CD; (1964) Eclipse / Quis fazer de mim palhaço • Mocambo • 78; (1963) A vida é bela / Ai de quem rega saudades • Continental • 78; (1963) Parece que foi ontem / Aviso • Mocambo • 78; (1963) Meu sonhom é você • Philips • LP; (1962) Garçon confidente / Coisas do passado • Continental • 78; (1961) Tem mulher 'tô' lá / Lá do alto • Continental • 78; (1960) Como se deve amar / Retrato de amor • Continental • 78; (1960) Salve a brotolândia / Candango feliz • Continental • 78; (1959) Maria maluca / Meu assunto • RCA Victor • 78; (1959) Boêmio aposentado / Conhecer-te • Continental • 78; (1959) Naquela base / Vai saudade • Continental • 78; (1958) Lealdade / Deixai vir a mim as mulheres • RCA Victor • 78; (1958) Maria do céu / Desespero de causa • RCA Victor • 78; (1958) Volta / Não tenho ninguém • RCA Victor • 78; (1958) Ave sem ninho / Se quer...diz logo • RCA Victor • 78; (1957) Fracassos de amor / Que sejas feliz • RCA Victor • 78; (1957) Copacabana à noite / Não vivo sem você • RCA Victor • 78; (1956) Alucinação / Sereia • RCA Victor • 78; (1956) Jogado fora / Cigano • RCA Victor • 78; (1955) Mar, imagem da vida / Estranho mistério • Todamérica • 78; (1955) Mais um pouco de amor/Vera Cruz • Todamérica • 78; (1955) Remorso / Serenata suburbana • Todamérica • 78; (1955) Um brasileiro em Paris / Ela chegou • Todamérica • 78; (1955) Meu abrigo!... / Maria Madalena • Todamérica • 78; (1954) Nuvem / Quase • Todamérica • 78; (1954) Através da vidraça / Drama de amor • Todamérica • 78; (1954) Filme de amor / Folhas pelo chão • Todamérica • 78; (1954) Carmen / Amei • Todamérica • 78; (1953) Sistema nervoso / Dançando com você • Todamérica • 78; (1953) Martírio / O que tem que acontecer • Todamérica • 78; (1952) Onde estás amor? / Longe de ti • Todamérica • 78; (1952) Tormento / Doce lembrança • Todamérica • 78; (1952) Nostalgias / No crepúsculo • Todamérica • 78; (1952) Palhaço / Se o dinheiro acabar • Todamérica • 78; (1952) Vem meu amor / Marinheiro • Todamérica • 78; (1952) Como o tempo judiou / Quero-te tanto • Todamérica • 78; (1951) Meu sonho é você / Velho marinheiro • Todamérica • 78; (1950) Minha mãs à palmatória / Tourada sem espada • Todamérica • 78; (1949) Casa sem luz / Meditando • Star • 78.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da MPB; Bibliografia Crítica: AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982; CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.