terça-feira, junho 11, 2013

Bárbara Martins

Bárbara Martins, atriz e cantora, nascida em 21/04/?? no subúrbio carioca do Encantado, era funcionária de um banco quando foi descoberta por Héber Lobato, que a ouviu cantar e a levou para a Rádio Mauá, onde assinou seu primeiro contrato.

Estreou em discos em 1951 gravando pelo selo Carnaval a Marcha do Lulu, de Waldir Machado e Francisco Colman.

Foi eleita a cantora revelação de 1953. Sobre essa eleição, assim registrou a Revista do Rádio em edição de dezembro de 1954: "Bárbara Martins foi laureada com o título de cantora revelação de 53, que lhe foi outorgado por uma comissão de críticos especializados. Sua vitória foi justa e brilhante, já que ela recebeu a totalidade de votos da comissão."

Em 1955, lançou disco pela Odeon interpretando o bolero Voltamos a querer-nos, de Aznar e Leocato, com versão de Roberto Faissal, e o samba-canção Quem se humilha, de Ricardo Galeno.

Apesar de não obter notoriedade na radiofonia carioca, em 1956, foi eleita uma das duas princesas do Rádio com um total de 161.917 votos. Nesse ano, gravou pela Copacabana o samba Aquarela Fluminense, de Rutinaldo, e o baião Delirando, de Luiz Gaúcho, Rossini Pacheco e Paulo Sobrinho.

Em 1957, gravou com acompanhamento de orquestra e coro os sambas Samba legal, de Claudionor Sant'Anna e Henrique de Almeida, Maria e José, de Rômulo Paes e Pedro da Silva, Sucedeu, de Milton Legey e Paulo Menezes, e Eu não sou mulher de olá, de Miguel Gustavo.

Gravou em 1962, pelo selo Albatroz, a marcha Balanço da tarantela, de Hélio Nascimento e Flora Matos, e o samba Já esqueci, de Norival Reis, Jorge Duarte e José Batista.

Em 1963, registrou pelo selo Ciclone as marchas Eu quero é movimento, de Djalma Amaral, Lourival Faissal e José Mendes, e a Marcha da estátua, de Rubem Carneiro, Walzani e Edson Santana. Lançou um total de sete discos com 13 músicas.

Embora de discreta atuação na cena artística da época, chegou a gravar discos pelas gravadoras Copacabana e Odeon, além de fazer registros por pequenos selos. Foi considerada a cantora revelação da PRE-Neno. Atuou ainda nas Rádios Mayrink Veiga e Nacional.

Discografia

1951 Marcha do Lulu • Carnaval • 78
1955 Voltamos a querer-nos/Quem se humilha • Odeon • 78
1956 Aquarela Fluminense/Delirando • Copacabana • 78
1957 Samba legal/Maria e José • Copacabana • 78
1957 Sucedeu/Eu não sou mulher de olá • Copacabana • 78
1962 Balanço da tarantela/Já esqueci • Alabatroz • 78
1963 Eu quero é movimento/Marcha da estátua • Ciclone • 78
___________________________________________________________
Fontes: Dicionário Cravo Albin da MPB; Revista do Rádio, de 10/7/1954