quinta-feira, dezembro 02, 2010

Antenor Gargalhada

Antenor Gargalhada
Antenor Gargalhada (Antenor Santíssimo de Araújo), compositor e sambista, nasceu em 1909 no Rio de Janeiro, RJ, e faleceu na mesma cidade em 1941. Considerado um dos maiores sambistas da época de ouro da MPB, os anos 1930. Também era estimado batuqueiro e partideiro.

Foi fundador da Escola de samba Azul e Branco, do morro do Salgueiro, da qual foi diretor de harmonia. Morando no morro do Salgueiro destacou-se também ao defender os moradores locais contra uma ação de despejo impetrada por um italiano que comprou o morro e queria expulsar todo mundo.

Em 1931, o samba Eu agora fiquei mal, sua única parceria com Noel Rosa, foi gravado na Parlophon pelo cantor Canuto.

Em 1938, a escola de samba Azul e Branco desfilou no carnaval com seu samba Asas do Brasil homenageando Santos Dumont, composição apontada por muitos como um dos primeiros sambas-enredo. Nesse ano, como representante da Escola de Samba Azul e Branco foi escolhido como "Cidadão samba".

Em 1945, seu samba Cheque à granel, parceria com Ernâni Alvarenga e Paquito foi gravado por Violeta Cavalcanti na Continental.

Morreu prematuramente vitimado pela tuberculose. Devido a seu falecimento a escola de samba Azul e Branco em sinal de luto não desfilou no carnaval de 1941.

Em 1974, foi homenageado pelo compositor Geraldo Babão do Salgueiro com o samba Homenagem a Antenor Gargalhada cuja letra dizia: "Morava lá no alto do Salgueiro/Antenor Gargalhada, o primeiro/Emérito compositor/Na Azul e Branco ele foi o bamba/Foi um rei no reduto de samba/Hoje exaltamos o seu valor/Suas músicas ninguém esquece/Vamos cantá-las em forma de prece/Deixa eu afinar meu violão/Nega, o que queres de mim/Quem é a Vila para nos acordar/Com ele era sempre assim".

Em 1978, no volume 4 da série História das escolas de samba, da Rio Gráfica e Editora, foi homenageado em todo o lado A do disco que acompanhava o fascículo no qual foram interpretados pelo Coral Samba Livre os sambas Nega, o que queres de mim, Amanhecer, O morro é completo, e Arrependimento. Desses sambas, Nega, o que queres de mim havia sido gravado por Djalma Sabiá e os outros três estavam inéditos até então, sendo que Arrependimento, só tinha a primeira parte, tendo recebido uma segunda parte do compositor João Melo.

Obra

Amanhecer, Arrependimento (c/ João Melo), Asas do Brasil, Cheque à granel (c/ Ernani Alvarenga e Paquito), Deixa eu afinar meu violão, Eu agora fiquei mal (c/ Noel Rosa), Nega, o que queres de mim, O morro é completo.

Fontes: Receita de Samba: Antenor Gargalhada; Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira; Bibliografia Crítica: J. MUNIZ JR. Sambistas imortais. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1976.