quarta-feira, março 02, 2011

Mário Álvares

Mário Cavaquinho
Mário Cavaquinho ou Mário Álvares (Mário Álvares Conceição), compositor e instrumentista, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 1861 (data não confirmada), e faleceu na mesma cidade em 1905 (?). Tocador de cavaquinho e bandurra, muito respeitado na roda de chorões das últimas décadas do século XIX e primeira do século XX, introduziu no choro o cavaquinho de cinco cordas, com a afinação ré, si, sol, ré, sol.

Foi professor de cavaquinho de Pixinguinha, entre outros, fazendo parte do grupo de Catulo da Paixão Cearense e Anacleto de Medeiros.

Participou da serenata em homenagem a Santos Dumont, em 1903, com Eduardo das Neves e outros.

Ignora-se a data de seu nascimento e é controvertida a de sua morte, presumindo-se que faleceu no Rio de Janeiro em 1905 ou 1906.

Obras 

Adelina, valsa, s.d.; Bouquet, xótis, s.d.; Clara e morena (ou Eulália, c/versos de Catulo da Paixão Cearense), valsa, s.d.; Entre asas (c/Hermes Fontes), canção, s.d.; Feiticeira, canção, s.d.; Felicidade, xótis, s.d.; Hilda, choro, s.d.; Julieta, valsa, s.d.; Mineira, polca, s.d.; Na aldeia (id., c/versos de Catulo da Paixão Cearense), valsa, s.d.; Paixão encoberta, valsa, s.d.; Poesia de amor, xótis, s.d.; (id., c/versos de Catulo da Paixão Cearense), canção, s.d.; Quando ela passa (id., c/versos de Catulo da Paixão Cearense), canção, s.d.; Segura a mão, choro, s.d.; Sertanejo, tango, s.d.; Soledade, xótis, s.d.; Sou teu escravo, valsa, s.d.; Tira a poeira, choro, s.d.

Fontes: Enciclopédia da música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - São Paulo - 1998; Dicionário Cravo Albin da MPB.