segunda-feira, dezembro 09, 2013

Mário de Azevedo

Mário de Azevedo, pianista, nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, ES, em 18/1/1905, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, provavelmente em 1985. Iniciou a carreira artística, como era comum até o final da década de 1920, como pianista de casas de músicas como Pinquim, Viúva Guerreiro, Melodia, Carlos Gomes e Arthur Napoleão. Em 1933, fez a música do filme Onde a terra acaba, com direção de Octávio Gabus Mendes.

Estreou em disco em 1943, pela Columbia gravando ao piano quatro valsas de Eduardo Souto: Verão, Inverno, Outono e Primavera. No ano seguinte, gravou pela Continental o tango O despertar da montanha e as valsas A ternura do mar, de Eduardo Souto, Supremo mestre, da Viúva Guerreiro, e Subindo ao céu, de Aristides Borges.

Em 1945, gravou quatro composições de Eduardo Souto, o fado O pranto da fadista, a valsa Solidão, e os tangos Do sorriso das mulheres nasceram as flores, e O despertar de um sonho, além do lundu Os lundus da marquesa, de Francisco Braga, e as valsas Valsa-capricho, de F. Chiaffitelli, Destino, de Sidney Baynes, e Sonhando, de Joyce.

Em 1946, lançou mais três discos interpretando as valsas Sugestão de um olhar, de Eduardo Souto, Dolorosa, de Mário Penaforte, Quanto doi uma saudade, de Mariana da Silveira, Ao cair da tarde, de Pelágio Valentim, Valsa dos que sofrem, de Alfredo Gama, e Flor do mal, de Santos Coelho. Gravou ainda a valsa Quando penso em ti, da Viúva Guerreiro, e a canção Casinha pequenina, apresentada como de domínio público. Além da gravação de discos, continuou se apresentando com boa aceitação em programas pianísticos na Rádio Nacional, Tupi e outras.

Em 1948, gravou a valsas Sonhos azuis e Ciúmes sem razão, ambas de João de Barro e Alberto Ribeiro, a toada-canção Amargura, de Eduardo Souto, e a canção Nossa canção de amor, de Celso Cavalcanti e Fred Mello.

Em 1949, mudou de gravadora e passou a gravar pela Odeon, onde registrou o tango-brasileiro Sugestões de um sorriso, de Eduardo Souto, as valsas Quando dois destinos divergem, de Lauro Maia, Coração que sente, de Ernesto Nazareth, e Você, de Osmard de Andrade, a mazurca Saudade, de Graça Guardia, e o noturno Le Lac de Come, de G. Galos. Em 1950, gravou a canção Mágoas, de Eduardo Souto, o chótis Nas asas de um sonho, de Carlos T. de Carvalho, e as valsas Foi assim, de Eduardo Souto, e Sônia, de Mariana da Silveira.

Em 1954, contratado pela gravadora Sinter lançou com boa aceitação da crítica mais especializada o LP Música de Eduardo Souto na interpretação de Mário de Azevedo, um tributo ao compositor paulista Eduardo Souto no qual interpretou as obras Do sorriso das mulheres nasceram as flores, Divagações, Despertar da montanha, Primavera, E a pobre guitarra morreu, Evocação, e George Walsh.

Em 1955, lançou dois LPs pela Sinter, intitulados Mário de Azevedo ao piano e Valsas, onde interpretou ao piano dez valsas clássicas: Quero dizer-te adeus, de Ary Barroso, Como esquecer-te, de Airão Benjamin, Canducha, de Juraci Silveira, Revendo o passado, de Freire Júnior, Flor do mal, de Santos Coelho, Minha vida em tuas mãos, de Luís Bittencourt, Saudade de Iguape, de João B. Nascimento, Tardes de Lindóia, de Zequinha de Abreu e Pinto Martins, Quando sonho contigo, de Orestes Ciuff, e Dores d'alma, de Antônio Bittencourt.

Em 1956, gravou um tributo ao compositor paulista Marcelo Tupinambá no LP Música de Marcelo Tupinambá no qual tocou ao piano os tanguinhos Maricota, sai da chuva, Ai ai, Tristeza de caboclo e Viola cantadera, de Marcelo Tupinambá e Arlindo Leal, os maxixes Fandango e Balaio, de Marcelo Tupinambá e Castelo Neto, o tanguinho Pierrô, de Marcelo Tupinambá e Sotero de Souza, e o tanguinho Bambuí, de Marcelo Tupinambá.

Em 1958, gravou com seu conjunto um tributo a Ernesto Nazareth no LP A música de Ernesto Nazareth para você dançar - Mário de Azevedo e Seu Conjunto com doze obras do compositor carioca a saber: Matuto, Ameno Resedá, Espalhafatoso, Atrevido, Miosótis, Travesso, Nenê, Brejeiro, Escovado, Duvidoso, Bambino, e Mandinga.

Em 1959, gravou um novo tributo a Eduardo Souto no LP Música de Eduardo Souto na interpretação de Mário de Azevedo no qual interpretou as músicas Primavera, Do sorriso das mulheres nasceram as flores, Nuvens, A esperança, Tristeza, A saudade, Meditando, Despertar da montanha, Um beijo ao luar, E a pobre guitarra morreu, O pranto de um fadista, Sugestões de um sorriso, e Amargura, todas de Eduardo Souto. No mesmo ano, gravou o LP Tempos saudosos - Músicas de Ernesto Nazareth e Alfredo Gama - Mário de Azevedo e seu piano.

Em 1960, gravou o LP Subindo ao céu no qual interpretou as valsas Subindo ao céu, de Aristides Borges, Quando penso em ti, da Viúva Guerreiro, Saudade, de Graça Guardia, Supremo mestre, da Viúva Guerreiro, Folhas ao vento, de Milton Amaral, Flutuando, de Aurélio Cavalcanti, Rosa, de Pixinguinha, Só tu não sentes, de J. F. Fonseca Costa, Cascata de lágrimas, de Moacir Braga, Nas asas de um sonho, de C. T. Carvalho, Ao cair da tarde, de Pelagio Valentim, e Quanto dói uma saudade, de Mariana da Silveira.

Gravou mais de vinte discos em 78 rpm pelas gravadoras Continental, Columbia e Odeon e vários LPs pela gravadora Sinter. Foi um grande intérprete de Ernesto Nazareth e Eduardo Souto.


Fontes: Dicionário Cravo Albin da MPB; Carioca, de 07/03/1936.