sexta-feira, agosto 31, 2007

Pintura íntima


O Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens faz parte de uma geração que emergiu no início dos anos oitenta voltada para o rock inglês e que consolidou o rock brasileiro (ou BRock, como preferem alguns), com o apoio decisivo do Circo Voador — espaço montado no verão de 82 na praia do Arpoador —, da Rádio Fluminense FM e da gravadora WEA, os três funcionando como plataforma de lançamento de uma legião de roqueiros em busca da fama.

Não mais como produto controvertido, com facções pró e contra, mas como manifestação de classe média, sem traços visíveis de música negra, o rock brasileiro acabou se fixando como um segmento da música popular direcionado aos adolescentes.

Os grupos a caminho da profissionalização vinham com execuções montadas sobre repertório próprio, inédito, o que barateava consideravelmente os lançamentos. Ao mesmo tempo, este repertório caiu como uma dádiva dos céus para as rádios FM, que nele encontraram enfim o caminho para se firmar no mercado. Foram as gravações desses roqueiros, lançadas em compactos e eventualmente precedidas de elepês em que eram testadas suas pretensões ao sucesso, que se identificaram rapidamente com a juventude da época.

A primeira formação do Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens era um sexteto com Beni, Beto, Richard, Paula, Leoni e George, dos quais os três últimos mantiveram-se juntos, acrescidos da companhia de Bruno Fortunato. Depois de ter duas músicas no “pau-de-sebo” (antologia de inéditos) Rock voador, o grupo estourou com “Pintura Íntima” logo em seu primeiro compacto.

Com um arranjo funcional, a canção tinha uma letra de um romantismo juvenil, para ser cantada por homem, mas que foi gravada com a vocalista Paula Toller: “Vem amor que a hora é essa / vê se entende a minha pressa / não me diz que eu tô errado / eu tô seco, eu tô molhado...”

Em seu segundo compacto, no ano seguinte, o Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens emplacou um novo sucesso, “Como Eu Quero”, também de Paula e Leoni, que juntamente com “Pintura Íntima” entraria no elepê de estréia do grupo, Seu espião, lançado em seguida (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Pintura íntima (1983) - Leoni e Paula Toller
F         Bb    C
É fazer amor de madrugada
F        Bb    C
Amor com jeito de virada
F         Bb    C
Fazer amor de madrugada
F        Bb    C
Amor com jeito de virada 

Bb      C            Bb   C
Larga logo desse espelho
Bb       C             Bb     C
Não reparou que eu tô até vermelho
Bb     C         Bb      C
Tá ficando tarde no meu edredon
Bb      C   Bb    C
Logo o sono bate
Bb       C
Deixa as contas...