quinta-feira, maio 08, 2014

A primeira companhia teatral infantil

"Dois nomes que encabeçaram a primeira companhia teatral infantil fundada no Brasil, Xerém e Tapuia, estão, atualmente, na PRE-8 (Rádio Nacional).

Há 14 anos passados, em Fortaleza, lá no Norte, começou a correr a fama de uma certa família cujos membros, na sua maioria ainda infantis, demonstravam admiráveis qualidades artísticas desenvolvidas nos serões tão comuns dos lares nortistas.

O chefe da família tocava violino, acompanhando com seu instrumento a prole vastamente cearense. A mãe da gurizada era poetisa e escrevia pequenas peças teatrais que, sempre em família, eram interpretadas pelos pequenos. Xerém e Tapuia, nossos entrevistados de hoje, participavam da família em questão. Ele já tocava os seus solos numa gaitinha e ela cantava tangos e canções. Dentre os irmãos, que eram muitos, avultava a figura do Edison, verdadeiro menino-prodígio que o Brasil ainda consagraria, como consagrou.

Dos serões familiares passaram a exibir-se em festinhas particulares, depois em teatros locais. E porque o sucesso fosse crescente, resolveram excursionar pelo interior do Ceará, onde lograram marcado êxito. Então a família de artistas já havia organizado uma companhia da qual participavam mais três elementos femininos estranhos, igualmente infantis. A "Troupe do Pequeno Edison" executava comédias, bailados, variedades. Percorrendo o sertão cearense tiveram oportunidade de visitar o padre Cícero, que pasmou diante do talento da criançada.

Finda a "tournée" pelo interior, planejaram uma excursão pelo Brasil. Saindo de Fortaleza, em 1926, desceram com destino ao Rio, parando em todos os portos de escala. Edison, que por essa época tinha seis anos, era a alma do conjunto. Ganhava prêmios em todas as cidades onde se exibia. Os principais teatros das várias caoitais visitadas inauguravam placas comemorativas da sua passagem. Chegando ao Rio a "troupe" deu seu primeiro espetáculo no Teatro Fênix. Imediatamente depois foi contratado pelo empresário Serrador para trabalhar no Odeon, onde realizaram uma longa temporada durante a qual Edison ganhou várias medalhas.

Por esse tempo começava a febre do "charleston" e o grupo soube aproveitar a oportunidade ensaiando e executando com grande sucesso os passos audaciosos da nova dança. Tiveram propostas de empresários paulistas para trabalharem na capital bandeirante. Foram e repetiram os sucessos. Mas o tempo passava e o pessoalzinho miúdo crescia sem atentar na conveniência de permanecer pequeno ...

A troupe foi dissolvida depois de percorrer todo o Brasil. Era mister, segundo a opinião razoável do chefe da família, que a gurizada entrasse para um colégio. E a família fixou residência em Juiz de Fora, a fim de promover a educação sistemática das crianças, deixando por completo da vida teatral.

Xerém, uma das figuras centrais da trupe, não desprezou a gaitinha. Fez serenatas, continuou cantando em saraus familiares a atuou na Rádio Sociedade de Juiz de Fora. Fez tanto sucesso que resolveu aventurar algo no Rio. Aqui chegando ingressou na Rádio Philips, no "Programa Casé"; depois na Educadora e na Guanabara, sempre interpretando o folclore nortista.

Logo que terminaram seus estudos secundários, os ex-componentes da trupe infantil se transferiram para o Rio.

Atualmente Xerém e Tapuia, os dois irmãos, constituem uma dupla apreciadíssima que atua aos nossos microfones e continua frequentando palcos.

Estiveram em nossa redação. Cresceram apenas na idade, conservando a estatura infantil, o que os faz ainda mais simpáticos.

Disse-nos Tapuia:

— Parece que a minha infância se prolonga porque eu continuo adorando a gentinha miúda, para a qual leciono num colégio de Ipanema. Aproveitando a ideia de Xerém, resolvi fazer uma dupla com ele, que parece ter agradado. Já cantamos na Guanabara, na Educadora e na Nacional, onde estamos, atualmente, bem como na Tupy.

— Já estivemos também na Mayrink — disse-nos Xerém — e fomos contratados pela Victor para gravarmos algumas músicas que, esperamos, conseguirão a atenção dos foliões cariocas."


Fonte: Revista semanal "Carioca", de 1/1/1938 (foto e texto atualizado).