segunda-feira, janeiro 17, 2011

Lenine


Lenine (Osvaldo Lenine Macedo Pimentel), cantor, violonista e compositor, nasceu em Recife, PE, em 2/2/1959. Entusiasta do rock até os 17 anos, passou a se interessar pela MPB quando ouviu o disco Clube da Esquina e assistiu a um show de Gilberto Gil.

Por essa época, estudou música no Conservatório Pernambucano, mas abandonou o curso antes de terminá-lo. Mudou-se em 1980 para o Rio de Janeiro, onde participou do festival MPB 81, promovido pela TV Globo, com sua composição Prova de fogo, lançada em seu primeiro disco, um compacto pela Polydor/Polygram em 1981.

Seu primeiro LP foi Baque solto, em dupla com Lula Queiroga (Polygram, 1982), e seu segundo disco solo é o compacto Baque da era (Polygram, 1983).

Em 1990 conheceu o percussionista Marcos Suzano, ao vê-lo tocar com o grupo instrumental Nó Em Pingo d’Água; ambos contribuíram com um tema para a novela Ana Raio e Zé Trovão, da TV Manchete, e gravaram para o selo Velas o CD Olho de peixe (1993), que chegou a ser um dos cem CDs mais vendidos no Japão. Uma das faixas desse disco, Acredite ou não (com Bráulio Tavares), foi regravada por João Marcelo Boscoli.

Aclamado como um dos melhores compositores brasileiros da década de 1990, com músicas gravadas por Danilo Caymmi (Nada a perder, parceria com Dudu Falcão, 1994), Zizi Possi (Olho de peixe, 1996), Gilberto Gil, o grupo Batacotô (Quilombos, 1993), a norte-americana Dionne Warwick (Virou areia, parceria com Bráulio lavares e a própria Dionne, 1994), Tim Maia, Sérgio Mendes e outros.

O disco O dia em que faremos contato foi lançado em 1997 em Recife PE, na ponte Maurício de Nassau, com presença de grande público.

Em 1998, ao lado de João Bosco, Chico César, Zeca Baleiro, Elba Ramalho, Zizi Possi, Erasmo Carlos, João Nogueira e Jards Macalé, entre outros, participou do CD Balaio do Sampaio. Disco produzido por Sergio Natureza, em homenagem ao cantor e compositor Sérgio Sampaio, disco no qual interpretou a inédita Pavio do destino, de Sérgio Sampaio.

No ano de 1999, lançou o CD Na pressão, que contou com participações de Siba, Pedro Luís e a Parede, Arnaldo Antunes e Marcos Suzano, e composições em parceria com Lula Queiroga, Dudu Falcão, Bráulio Tavares, Sergio Natureza, Arnaldo Antunes, Carlos Rennó e Paulinho Moska. Este disco constou na lista de melhores discos de World Music de 1999, em grandes revistas internacionais, chegando a vender mais de 20 mil cópias na França e mais 25 mil cópias em outros países, impulsionando sua carreira no exterior. 

Em 2000, Patrícia Coelho interpretou de sua autoria Hoje eu quero sair só (c/ Mu Chebabi e Caxa Aragão) no CD Simples desejo. Neste mesmo ano, apresentou-se na França no festival PercPan (Panorama Percussivo Mundial) junto ao quinteto Pife Muderno, liderado pelo saxofonista e flautista Carlos Malta. Ainda nesse ano, foi convidado a fazer uma apresentação em uma das eliminatórias do Festival da Música Brasileira, da TV Globo. 

Em 2002, pela gravadora BMG, lançou o CD Falange canibal, disco no qual interpretou Encantamento (c/ Sérgio Natureza) e ainda contou com a participação de Roberto Frejat. No CD também foram incluídas outras composições em parceria com Paulo César Pinheiro, Lula Queiroga, Dudu Falcão, Bráulio Tavares, Carlos Rennó e ainda com o músico americano Will Calhoun, baterista do grupo Living Colour, que fez, ao lado de Lenine, turnê pelo Brasil no final deste mesmo ano. 

Neste mesmo ano de 2002, participou do disco Acústico MTV do grupo Kid Abelha, no qual interpretou a faixa Na rua, na chuva, na fazenda de autoria de Hyldon e apresentou-se em Paris, na casa La Cigale, lançando seu novo CD Falange canibal. Interpretou em dueto com Dionne Warwick Lua candeia (c/ Paulo César Pinheiro) no CD Batacotô 3.

No ano de 2003, ao lado de Caetano Veloso, MV BILL e Banda Makala, foi um dos convidados para o show em comemoração aos 10 anos do grupo Afroreggae, apresentado ao ar livre nos Arcos da Lapa, no Centro do Rio de Janeiro. 

Em 2004 participou do projeto MPB ao meio-dia em ponto no Teatro João Theotônio e musicou alguns poemas do livro Por mares nunca dantes, de Geraldo Carneiro, participando do CD homônimo, lançado pela gravadora Biscoito Fino. Neste mesmo ano foi convidado pelo Cité de La Musique para o projeto "Carte Blanche", no qual a casa dá carta branca ao artista para fazer o show que desejar, como o acontecido com o único brasileiro convidado anteriormente, Caetano Veloso. No reperório do show, gravado e que gerou o primeiro CD ao vivo, assim como o primeiro DVD, foram incluídas composições inéditas e releitura de outras músicas de vários discos anteriores.  

Em 2005 foi consagrado em várias categorias no Prêmio Tim: "Melhor Disco" na categoria Pop/Rock com o CD Lenine InCité e ainda "Melhor Canção", com Todas elas juntas num só ser, em parceria com o letrista Carlos Rennó, que lhe valeu também os prêmios de "Melhor Cantor de Pop/Rock" e "Melhor Cantor Voto Popular". 

No ano de 2006 lançou pela gravadora Sony & BMG o CD Lenine acústico MTV, no qual foram registradas suas composições mais conhecidas do grande público, entre as quais Paciência (com participação especial da harpista Cristina Braga); A medida da paixão (com versos em francês do baixista de camarões Richard Boná); Miedo (c/ Pedro Guerra e Victor Astorga), com participação da cantora mexicana Julieta Venegas; O último pôr do sol, com participação do músico chileno Victor Astorga no oboé; A ponte (c/ Lula Queiroga) com participação do grupo do rapper brasiliense GOG; Dois olhos negros, contou com a bateria de ex-integrante do grupo de rock Sepultura Iggor Cavalera; Jack soul brasileiro, com arranjo de Ruriá Duprat e outros sucessos como Tudo por acaso e Hoje eu quero sair só.

Em 2007 compôs a trilha sonora de A Centelha, espetáculo do Grupo Corpo que estreou em São Paulo. Logo depois no Rio de Janeiro, dando início por todo o país e pelo exterior. Logo depois também compôs a trilha para "Breu", trabalho também do grupo Corpo.

No ano de 2008 lançou o CD Labiata, nome retirado de uma espécie de orquídea cultivada em seu orquidário, construído no Vale das Videiras, em Araras, onde foram gravadas as vozes. 

No ano de 2010 lançou o CD Lenine.doc-trilhas, com 13 temas, no qual foram incluídas suas composições para teatro, cinema, dança e TV. Entre as faixas do disco destacaram-se Aquilo que dá no coração, incluída como tema de abertura da novela Passione, da Rede Globo de Televisão; De Sabugo a Visconde (para o programa infantil Sítio do Pica-Pau Amarelo); Violenta (do espetáculo Breu, do Grupo Corpo); Como é bom a gente amar (do filme A Pessoa é Para o que Nasce); A mula sem cabeça (CD e DVD Lendas Brasileiras), Sob mesmo céu e ainda temas para novelas as Diabo a quatro, Agora é que são elas, Sete pecados e Lua cheia de amor

Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - 1998; Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.