terça-feira, fevereiro 19, 2008

Cabeça inchada

Sinhô
Cabeça inchada (marcha, 1923) - Sinhô - Interpretação: Bahiano


Muito te enganas
Dê no que der
Eu sou de quem eu quero
E não de quem me quer

É esta dor
Que se parece
Com a dor que a própria dor
Desconhece

A flor mais bela
É o malmequer
Eu sou de quem eu quero
E não de quem me quer