terça-feira, fevereiro 19, 2008

Fala baixo

A rivalidade entre Sinhô e Caninha, durante as festas da Penha, ganhou popularidade em 1921, quando o dono de laboratório farmacêutico, Dr. Eduardo França, fabricante do produto "Lugolina", instituiu um concurso de músicas para carnaval de 1922.

Já essa época, tanto Caninha quanto Sinhô haviam adotado expediente de "trabalhar" suas músicas (como hoje se diz) através de grupos de músicos, que só tocavam as suas produções. Nesse ano de 1921, José Barbosa da Silva apareceu na Penha liderando um conjunto intitulado "Fala Baixo", nome da marcha em que satirizava o meio terrorismo do governo Artur Bernardes, transcorrido quase todo em regime de estado de sítio. Caninha, que só dispunha de cavaquinhos e violões para acompanhá-lo, com evidente desvantagem face ao conjunto de trombone, pistom, contrabaixo, flauta, violões cavaquinhos patrocinado por Sinhô, rasgou algumas folhas de jornais, fez um chapéu de papel para cada um de seus músicos, apresentou-se com sua marcha ragtime "Me sinto mal", que começava:

"Ai, ai
Me sinto mal
Depois do carnaval.

Quando chega o carnaval
Ninguém lembra da carestia
Vamos todos para Avenida
caímos na Folia.

"Tem gente que cai na farra
Na véspera do carnaval
Na quarta-feira de cinza
Sempre diz: me sinto mal"

O júri do concurso, movido talvez pela sugestão da letra da marcha de Caninha — posto que o patrocinador do concurso era fabricante de remédios — daria vitória a José Luiz de Moraes, para profundo despeito do outro José, o José Barbosa da Silva. Segundo o testemunho de contemporâneos, Caninha ganhou como prêmio uma taça de prata, enquanto Sinhô recebeu uma cesta de flores, a título evidente de consolação. Na hora da entrega dos prêmios Sinhô não se deu por achado, mas quando chegou à estação para tomar o trem de volta à cidade, amassou furiosamente a cesta de flores com os pés, chutando-a para longe. E o mais curioso foi que, quando chegou o carnaval de 1922 o derrotado Sinhô acabaria abafando Caninha não apenas com o sucesso da marcha "Fala Baixo", também conhecida por "Não é Assim", mas com a vitória de mais três outras músicas: "Sete Coroas", "Pé de Pilão" e a famosa marcha "Sai da Raia".

Da polêmica com Caninha, na festa da Penha de outubro de 1921, restaria para Sinhô a ameaça de represália policial pela ironia do "Fala Baixo" (o compositor teve que refugiar-se uns tempos na casa de sua mãe, no Engenho de Dentro), e o crescimento da sua popularidade desde logo expressa na quadrinha do cronista Carlos Bittencourt, o "Assombro", publicaria em 1922 no jornal O Paiz, ligando definitivamente seu nome ao de seu grande rival:

"São dois cabras perigosos,
Dois diabos internais,
José Barbosa da Silva
José Luís de Moraes".

Fala baixo (marcha/carnaval, 1922) - Sinhô / Intérprete: Banda da Fábrica Popular / Compositor: Sinhô / Gravadora Popular / Número do Álbum 1022 / Data de Gravação 1919-1921 / Data de Lançamento 1919-1921 / Lado único / Acervo Humberto Franceschi / Disco 78 rpm:

Quero te ouvir cantar
Vem cá, rolinha, vem cá
Vem para nos salvar
Vem cá, rolinha, vem cá (x2)

Não é assim
Não é assim
Não é assim
Que se maltrata uma mulher (x2)

És a minha paixão
Vem cá, rolinha, vem cá
És o meu coração
Vem cá, rolinha, vem cá (x2)



Fonte: Compositores/cantores — Correio da Manhã, de 23/10/1966.

Nenhum comentário:

Postar um comentário