sexta-feira, dezembro 24, 2010

Museu de cera

Engenheiros do Hawaii

Tom: C 
  
(intro) Am F Am F (2x)
        Am Asus2 Am F F5- F (2x)

      Am              F
E |--0---------------1-------------------
B |----1---0--0h1------1---0-1-----------
G |------2--------2------2---------------
D |--------------------------------------
A |--------------------------------------
E |--------------------------------------

Am
Quem quiser saber por que
F
E não tiver o que perder
    Am
Não pode acreditar em tudo
    F        E
Não pode duvidar de nada

Am
Se não tiver instinto
F
Se ficar distante
Am                F                   E
Se ficar com medo quando chegar o instante
Am             F
Forças ocultas tomam de assalto
  D                  F        E
Ouvintes incautos de uma cult band

        F
Tem que pagar pra ver
Tem que ver pra crer
Am
Quem viver verá

  F                  C  D B   C   Am
A cara desses caras num museu de cera

Am
Quem quiser saber por que
F
E não quiser se arrepender
     Am
Não pode acreditar em tudo
F               E
Tem que acreditar em algo

Am
Se não tiver instinto
F
Se não estiver atento
Am                     F      E
Se ficar com medo no exato momento
  Am                F
Alguém muito à toa soa o alarme
D                       F             E
Veste o uniforme e transforma tudo em exceção

        F
Tem que pagar pra ver
Tem que ver pra crer
Am
Quem viver verá
  F                  C  D  B  C  Am
A cara desses caras num museu de cera

Em    C
Museu de cera   ?quem será?
Em        C
Imagens de arquivo  ?de quem será?
     Em         C
Inconsciente coletivo  ?por que será?
  Em         C
O mundo é dos vivos  !sempre será!
Em    C
Museu de cera   ?quem será?
Em         C
Quem me dera   ...poder esperar!
   Em    C
A vida inteira   ?quando será?
Em          C        B
Sexta feira...   ...no mais tardar!

        C
Tem que pagar pra ver
Tem que ver pra crer
           Em
Tem que jogar pra ganhar
Tem que correr atrás
           C
Tem que pagar pra ver
Tem que ver pra crer
Em
Quem viver verá
   C
A força bruta
A face oculta
G   A  F# G   Em
Num museu de cera

Quem quiser remar contra a maré
Tem que remar muito mais forte
Não vá à guerra de pés descalços
Não pise no tapete com essas botas imundas