domingo, dezembro 12, 2010

Nabor Pires Camargo

Nabor P. Carmargo - circa 1945
Nabor Pires Camargo, instrumentista e compositor, nasceu em Indaiatuba, SP, em 9/2/1902, e faleceu em Mococa, SP, em 3/10/1996. Importante clarinetista, começou na música com nove anos, praticando às escondidas na clarineta de um irmão. 

Depois estudou com músico que chegara a Indaiatuba para formar uma banda de crianças, da qual participou. Com 19 anos, mudou-se para São Paulo SP, estudando no Conservatório Dramático e Musical. Trabalhou acompanhando os filmes em cinemas da cidade. 

Compondo desde criança, no final da década de 1920 fez um contrato com os Irmãos Vitale, com a duração de 28 meses, de editar uma música por mês, e iniciou com Triste separação. Gravou pela primeira vez na gravadora paulista Brasilphone, em 1927: os sambas No meu sertão, cantado por Pilé, e Lágrima de caboclo, por A. Longo. No mesmo ano, na gravadora Imperador, Artur Castro gravou seu samba O cavanhaque do bode e o maxixe Mamãe me leva. 

O cinema sonoro, inaugurado em São Paulo em 1929, provocou a dispensa de vários músicos, restando-lhe tocar em orquestras patrocinadas pelos mecenas da arte. Ainda em 1929, na recém-inaugurada Columbia, gravou com João Cibella sua valsa Rosa, rosa (com Dicas) e, com João Gentiluomo, o samba Caboclo saudoso

Obteve o segundo prêmio no concurso promovido pela Associação Nacional dos Negociantes e Editores de Música, com a canção Por que te dei meu coração, gravada em 1930 por Jorge Fernandes, na Parlophon. 

Em 1931, Arnaldo Pescuma gravou, na Columbia, seu samba Foi castigo. Nesse ano, solando sua clarineta, lançou pela Victor sua mais famosa composição, a valsa-choro Caindo das nuvens, com o choro Matando saudades no outro lado do disco. Por essa época, os Irmãos Vitale começaram a editar os álbuns Choros do Nabor, para o estudo de clarineta, flauta, saxofone e violino. Até 1946 foram dez álbuns, cada qual com dez choros. 

Em 1934 gravou na Columbia, de sua autoria, Venenoso e Cavando a vida, choros, e as valsas Último amor e Luar de minha terra, esta com o Sexteto Camargo. 

Em 1935 ingressou como segundo clarinetista na Orquestra Sinfônica Municipal e, um ano depois, passou a primeiro clarinetista, aposentando-se em 1967. 

Tocou sob a regência de Villa-Lobos, Sousa Lima, Eleazar de Carvalho, Arturo Toscanini (1867—1957) e Igor Stravinsky (1882—1971), entre outros. Seu samba Vá carregar piano ganhou o primeiro prêmio da categoria no concurso carnavalesco da prefeitura paulistana, em 1936, sendo gravado na Victor por Januário de Oliveira e Arnaldo Amaral. Nesse ano, gravou na clarineta, pela Columbia, sua valsa Implorando o teu amor e seu choro Soluçando. Lecionou clarineta, saxofone e piano. 

Em 1948, por encomenda dos Irmãos Vitale, preparou um Método para clarineta, aprovado e recomendado pelo Conservatório de São Paulo, que se tornou o mais vendido no Brasil e continua em catálogo. 

Pela Continental, em 1964, lançou seu único LP, Velha guarda, acompanhado por Caçulinha (acordeom), Poli (violão) e Outros. O disco foi reeditado em 1988 porSilva & Penna Foto e Vídeo, de Indaiatuba. 

Em 1974 foi oficializado o seu Hino indaiatubano, que havia composto em 1930. Sua última obra foi a peça-bailado Ara erê uçu (Grande dia de festa), com texto de Cleonice Mattioli Camargo, sua esposa, sobre a formação do povo de sua terra, onde foi encenada.

CDs

Carnaval vol. 5, 1991, Revivendo RVCD 023; Carnaval vol. 6, 1991, Revivendo RVCD

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e PubliFolha.

Um comentário:

Luciano Cibella disse...

Como faço para conseguir esta valsa em MP3 de Nabor Pires Camargo e João Cibella??

Postar um comentário